Tag Archives: zona da mata mineira

Turismo & Lazer

DOCUMENTÁRIO QUE RETRATA O COTIDIANO DE VILA MINEIRA NA ZONA DA MATA VAI AO AR NA REDE MINAS, NESTA SEXTA

Faixa de Cinema exibe o longa “Sopro”, de Marcos Pimentel, que revela uma comunidade preservada em Minas Gerais

Foto: Matheus Rocha

As paisagens do interior de Minas Gerais chegam à tela da Faixa de Cinema, da Rede Minas, nesta sexta (08). O vento, a poeira, as montanhas, o silêncio e o tempo compõem o cenário e enredo do documentário “Sopro”, do diretor juiz-forano Marcos Pimentel. O longa resgata detalhes de Minas escondidos em uma pequena vila rural, onde cinco famílias vivem há anos quase isoladas do mundo exterior.

O filme “Sopro” fala sobre a existência humana e os mistérios da vida e da morte mostrados no cotidiano de uma vila rural, localizada nas proximidades do Parque Estadual do Ibitipoca, na Zona da Mata. As imagens acompanham pequenas casas isoladas na montanha da região e, principalmente, a visão de uma criança e suas descobertas sobre o mundo e a finitude da vida naquele espaço. Entre a fantástica imersão nesse lugar, o homem e a natureza transitam entre a harmonia e os conflitos, na imensidão de uma paisagem que parece esgotar o olhar.

Foto: Matheus Rocha

Com caráter minimalista, “Sopro” foi o primeiro longa-metragem da carreira de Marcos Pimentel e rodou por diversos festivais nacionais e internacionais, passando por 16 países. Natural de Juiz de Fora, Marcos é diretor, roteirista e produtor. Já realizou diversos filmes e trabalhos para televisão, como o especial mineiro “Dia de Reis”, da Globo Minas, e séries. Suas obras já conquistaram mais de 90 prêmios em diversos festivais em todo o mundo.

A Faixa de Cinema com o filme “Sopro”, de Marcos Pimentel, vai ao ar nesta sexta (08), às 23h, pela Rede Minas. O filme também pode ser visto, nesse mesmo horário, no site da emissora: redeminas.tv.

COMO SINTONIZAR:
redeminas.tv/comosintonizar
A Rede Minas está no ar no canal 9 (VHF) ou 17 (UHF); Net 20 e Net HD 520; Vivo 9; One Seg (para celulares e portáteis) 9.3; e através do satélite Brasilsat C2 para a América Latina.

ACESSE AS REDES SOCIAIS:
www.redeminas.tv
facebook.com/redeminastv
instagram.com/redeminastv
twitter.com/redeminas
youtube.com/redeminas

ATENDIMENTO AO PÚBLICO:
Tel: (31) 3254-3000
Whatsapp: (31) 98272-6543

Tatiana Coutinho
Assessora de Imprensa
Assessoria de Comunicação Social
tatiana.oliveira@redeminas.mg.gov.br
tatianacoutinho.tc@gmail.com
(31)3254-3431

Sociedade

Dr. Alexandre Almeida – expandindo as fronteiras na região das Matas de Minas!

Alexandre Almeida Lima natural de Santa Margarida, cidade interiorana localizada no estado de Minas Gerais, iniciou sua vida acadêmica na cidade de Juiz de Fora – MG quando foi classificado no curso de Medicina na UFJF – Universidade Federal de Juiz de Fora, finalizando esse ciclo em 2013.

Logo após a graduação, deu inicio à residência médica em ortopedia e traumatologia na Universidade Federal do Triângulo Mineiro, finalizando a especialidade em 2017. Seguidamente, decidiu adentrar-se à formação extra de subespecialidade em cirurgia do quadril. Toda essa experiência acadêmica levou à abertura do seu consultório em sua cidade natal.

O Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Dr. Alexandre Almeida Lima oferece aos pacientes atendimento de alta resolubilidade nas doenças ortopédicas, prevenindo, diagnosticando e tratando doenças e lesões, tendo como foco a qualidade de vida do paciente.

Além do atendimento em consultório em Santa Margarida, Alexandre dispõe de plantão no Hospital João XXIII na cidade de Belo Horizonte e atua como cirurgião do quadril no Hospital São Francisco também localizado na metrópole, onde se encontra apto a realizar desde procedimento simples aos de alta complexidade.

Sua estrutura óssea se encontra harmônica? Agende uma consulta! @dr.alexandrealmeidalima Ortopedista-Traumatologia-Cirurgião

Gastronomia

O CAFÉ ESPECIAL: DAS MATAS DE MINAS ATÉ SUA XÍCARA

O café especial surgiu por volta de 1975, quando a importadora de cafés Erna Knusten, de São Francisco, na Califórnia (EUA), identificou características significativas em alguns lotes vindos da África. Ela percebeu que, em lotes onde a maturação do café era uniforme, e não possuía grãos defeituosos, o aroma e o sabor eram mais evidenciados e distintos. A partir dessa percepção, foi criado o conceito de café especial: um café com grãos maduros e sem defeitos, que propiciam aromas e sabores diferentes, de acordo com o tempo de torra. Saindo da Califórnia, chegamos em Santa Margarida, cidade rural localizada no interior de Minas Gerais, que tem como destaque econômico a produção de cafés. O pequeno município tem mais de 2 mil propriedades, isto é, a agricultura familiar segue com seus sucessores produzindo de maneira contínua.

Como consequência disso, Celestino José Lima, residente margaridense, teve a brilhante ideia de criar o projeto de parceiros “O Meu Prazer – Cafés Especiais”.
À medida que a empresa cria vínculos com os produtores, oferece a eles melhores condições de comercialização e valorização de seu produto, aumentando também a lucratividade das famílias. Além disso, para chegar até à xícara, o café especial passa por diversas etapas e critérios, desde o plantio até o empacotamento.

Conheça um pouco mais sobre o processo de produção artesanal presente na marca O Meu Prazer!

Plantio As fazendas estão localizadas na região das Matas de Minas, com altitude média de 1100 metros e temperaturas entre 18 e 22º C. A região é conhecida internacionalmente pela sua excelência em produção de cafés especiais.


Colheita Para garantir maior qualidade do produto, apenas os grãos maduros são colhidos manualmente, galho a galho, preservando sua integridade. A colheita é feita a partir do mês de maio, podendo chegar até o início de dezembro de acordo com a altitude e a variedade cultivada.


Secagem Após a colheita, os grãos são separados de possíveis detritos, como galhos e folhas. Então, partem para a secagem natural em terreiro de cimento, terreiro suspenso ou estufas, conforme a disponibilidade de cada propriedade.

Classificação e análise sensorial Para garantir a alta qualidade, o café cru é selecionado manualmente e passa por uma pequena torra. Dessa forma, é possível realizar a avaliação sensorial do café, também conhecida como cupping. Esse processo é responsável pela definição das notas, aromas e sabores do grão. A partir dessas anotações, a torra em microlotes pode ser iniciada para atender o pedido de cada cliente d’O Meu Prazer.

Torrefação Esse processo é feito em torrador de pequeno porte, equipado com componentes para controle de temperatura, fluxo de ar, velocidade e tempo. A torra é o processo que aquece os grãos crus para torná-los agradáveis ao paladar, e é realizada pelo próprio Celestino que, com mais de 30 anos de experiência e técnica, analisa a curva de torra ideal para cada grão. A curva de torra é definida pelo tempo em que o grão de caféfica em cada temperatura. Isso interfere no aroma, sabor, corpo, acidez, finalização, equilíbrio, enfim, quase todas as notas do café podem ser trabalhadas ao longo da torra.


Moagem É executada somente após o pedido do cliente por meio do site, podendo variar de acordo com o tipo do café e método de extração que será realizado. A granulometria é testada antes de executar a moagem definida. Após essas etapas, o café é empacotado em embalagens especiais, conservando todas as suas características. Todo o processo, da colheita até a embalagem, torna os cafés ainda mais especiais!

3 DICAS PARA SABOREAR MELHOR O SEU CAFÉ

SEMPRE USE ÁGUA MINERAL OU FILTRADA
Diferentemente da água da torneira, que tem grandes quantidades de cloro e outros produtos, a água mineral ou filtrada é mais pura e limpa, não interferindo no sabor do seu café.


ESCALDE TODOS OS UTENSÍLIOS QUE FOR USAR PARA PREPARAR OU SERVIR O CAFÉ
Além de esterilizar os utensílios, o escaldamento faz com que eles estejam quentes na hora do preparo do café, e isso evita que sua bebida final perca calor.


PREFIRA MOER O GRÃO NA HORA DO PREPARO
Os grãos inteiros conservam melhor os óleos, portanto, as características do café como sabor e aroma são preservadas.


Além de toda essa dedicação e amor que os produtores têm com a produção dos cafés, o que sobra depois da extração é a borra, não é mesmo? Geralmente, essa borra é descartada, mas nós temos uma dica para você reaproveitá-la e, assim, produzir menos lixo orgânico:
A borra de café é um excelente adubo para as plantas. Ela fortalece a planta contra as pragas e ainda acelera seu crescimento. Basta você misturar 2 partes de terra com 1 parte da borra do café e deixar curtir por, pelo menos, 4 dias. Pronto! É só jogar na sua plantinha e dar mais força a ela.


Agora que você sabe como surgiu o café especial, como ocorre todo o processo artesanal e as principais dicas para apreciá-lo, é hora de saborear o melhor café especial das Matas de Minas!
Acesse o site www.omeuprazer.cafe ou siga no Instagram @omeuprazercafesespeciais e escolha as suas notas sensoriais preferidas.

Sociedade

Coocafé – responsabilidade e determinação

A Coocafé (Cooperativa dos Cafeicultores da Região de Lajinha) foi fundada em 1979 na cidade de Lajinha/MG, com o intuito de fortalecer os produtores de café da região, possibilitando melhores resultados em sua atividade. Graças ao espírito cooperativista de seus sócios, mesmo enfrentando dificuldades e crises econômicas pelas quais o país passou, uma história repleta de desafios e conquistas foi construída, mantendo a consistência e determinação da Coocafé.

Para dar mais condições de competitividade a seus associados, criou em 1988, a Cooperativa de Crédito do Leste de Minas Ltda. (Sicoob Credicaf), contribuindo diretamente com a assistência financeira aos seus cooperados.

Preocupada com o futuro e com a precoce evasão das crianças que procuravam um estudo de qualidade em cidades distantes, a Coocafé fundou também, em 1998, a Cooperativa Cultural e Educacional da Região de Lajinha Ltda. (Coopcel). Trata-se de uma cooperativa educacional formada por pais e professores, com o objetivo de gerar ensino de qualidade para os jovens e impulsionar o desenvolvimento cultural da região.

Nos dias de hoje, a Coocafé é uma organização estruturada que conta com cerca de 400 funcionários e tem em seu quadro social aproximadamente 10.000 cooperados, sendo 95% pequenos produtores. Além disso, atua diretamente em mais de 50 municípios que vivem basicamente da agricultura familiar.

Armazém Gerais

A cooperativa ocupa um importante espaço na sociedade e, ciente disso, realiza e apoia inúmeras ações socioambientais. Conheça alguns dos princípios da política de Responsabilidade Social:

  • Fortalecer a responsabilidade social na gestão organizacional da cooperativa envolvendo as partes interessadas;
  • Aprimorar práticas de comunicação e transparência em suas ações;
  • Apoiar o desenvolvimento da cadeia de valor;
  • Adotar políticas de valorização do colaborador;
  • Induzir interna e externamente a utilização de boas práticas ambientais nas atividades apoiadas pela cooperativa;

Responsabilidade e determinação gerem a Diretoria da Coocafé. Seus cooperados cercam-se de tranquilidade por fazerem parte de uma estrutura profissional, que busca aprimoramento e alta qualidade a todo tempo.

O produtor cooperado à Coocafé é beneficiado juntamente com sua família, ajudando a promover o crescimento em sua comunidade.

Conheça mais sobre a história e os serviços disponíveis pela cooperativa no site https://www.coocafe.com.br/home/ e também no Instagram @coocafebr!

Economia

Entrega de certificado Rainforest Alliance para produtores da Zona da Mata mineira

No dia 30 de julho, aconteceu na fazenda cachoeirinha – córrego Cachoeirinha – em Santa Margarida-MG, na propriedade do Engenheiro Agrônomo Tadeu Vieira Otoni, a reunião para entrega do Certificado de Grupo Certficafé – Senar ATeG Matas de Minas em conformidade com o padrão Rainforest Alliance.

“A entrega dos certificados aos produtores membros do grupo eternizou a realização de um sonho! Foi um momento incrível que guardarei para sempre na memória, pois foi conquista inédita. E todo este ineditismo deve-se ao comprometimento dos produtores que abraçaram a ideia e trabalharam com muita dedicação e afinco! Além disso, parabenizo em especial o supervisor Daniel do ATeG nas Matas de Minas e o Senar Minas, que acolheram o projeto da CertifiCafé e aproximou-nos dos produtores Rogério, Tadeu, Dulcineia Prado, Jéssica, Selma, Sebastião Brinate e Gilson, os verdadeiros protagonistas desta história! A conquista da certificação veio para coroar o sonho de visibilidade internacional para o pequeno produtor. O inimaginável aos olhos de muitos hoje tornou-se realidade. Atualmente tudo é possível através da tecnologia, os micro produtores estão no limiar da certificação internacional”, conta Mauro Júnior.

Grupo Certificafé – Leonardo – Luciano e Mauro Júnior

A certificação trouxe organização, visibilidade e competitividade diante de um mercado exigente e que se moderniza a cada dia. A qualidade do café, segurança em todas as atividades da cultura, redução de custo, sustentabilidade e a melhoria do preço de venda que os produtores recebem devido à certificação. Todos se sentem orgulhosos e felizes com os resultados, um passo louvável rumo à excelência na produção de cafés especiais e no avanço dos processos produtivos da propriedade.

A certificação em grupo e a parceria com a Certificafé trouxe muita energia para o processo, tornando-o muito desafiador e ao mesmo tempo agradável e consistente.

Tadeu Vieira Otoni – Engenheiro Agrônomo – Fazenda Cachoeirinha – Santa Margarida – MG

Além da certificação da propriedade Fazenda Cachoeirinha, foram certificadas mais duas propriedades através do SENAR, Sítio Nova Floresta e Fazenda Braúna, uma tripla satisfação para Tadeu Otoni!

Essa Certificação Internacional está abrindo inúmeras possibilidades além de uma enorme visibilidade dos cafés da região no mercado!

Em suma, pode-se concluir que a tecnologia vem avançando cada dia mais. Transformando os produtores rurais e trazendo novas possibilidades. Essa é a base de uma nova história!

Gilson Gomes Clemente – Fazenda Braúna – Santa Margarida – MG

Rogério Dutra – Sítio Nova Floresta – Santa Margarida – MG

Selma – Fazenda Gruta da Liberdade – Divino – MG
Daniel Prado – Supervisor do ATeG nas Matas de Minas – SENAR / Dulcineia Prado, Café Dulce Marias – Sítio Fortaleza – Luisburgo – MG

Sebastião Vinicius Brinate – Sítio Empoçado – Caparaó – MG

Jéssica Conceição do Carmo – Sítio Jasminum – Mutum – MG

Rainforest Alliance: É uma organização internacional sem fins lucrativos que trabalha em mais de 70 países na interseção de negócios, agricultura e florestas. No Brasil, tem mais de 600 parceiros certificados, principalmente nas lavouras de café, cacau, laranja e outras frutas.

O selo RainforestAlliance Certified™ identifica o café cultivado em propriedades que seguem rigorosos padrões sociais e ambientais. Ao adquirir produtos com esse selo, você contribui para a melhoria na qualidade de vida dos trabalhadores, dos produtores rurais e de suas famílias.

Cidades

Conheça Minas Gerais – Orizânia

Orizânia é um município brasileiro do estado de Minas Gerais. O topônimo Orizânia é baseado na palavra latina oryza, ae: arroz. Com o acréscimo de –ânia pretende significar “terra do arroz”, e encontra-se a 35 km da cidade de Carangola.

História
A origem do atual município data de meados do século XIX. A sede original da vila era Santo Antônio do Arrozal, distando poucos quilômetros do atual centro do município. Outrora, Orizânia foi conhecido como Quilombo. Poucos são os registros escritos sobre a denominação de Quilombo, mas a história oral registra que nas montanhas onde nasce o rio Carangola viviam escravos fugidios e ex-escravos alforriados ou libertos.

Orizânia - Minas Gerais, História, Hospedagem, Turismo, Fotos, Mapa | Guia  do Turista

Dentre os poucos registros que consignam o primeiro nome do lugar está a obra publicada postumamente de Antônio de Souza Costa: “Alto Carangola, no tempo da mata virgem, tinha nome de Quilombo, por ser o lugar onde os escravos se escondiam dentro das matas, por não quererem sujeitar-se ao trabalho forçado que o Sinhô exigia deles. (…) Naquela época não existia policiamento para fazer prisão de fugitivos. Em lugar atrasado, longe do comércio, os próprios fazendeiros saíam com alguns de seus parentes e amigos, e com alguns empregados de confiança, e iam até ao Quilombo, e traziam os fugitivos.”

Ainda hoje é possível ouvir dos septuagenários e octogenários referência ao nome do lugar como Quilombo. Reforça a expressão a origem do vocábulo Carangola que é de origem africana, em cujo culto se encontra a entidade chamada Exu Carangola e a região de Carangole na Angola.

Em torno da Igreja de São Sebastião cresceu a vila que se tornou o atual município de Orizânia, tendo o antigo juntamento de casa que se traduzia no incipiente centro urbano até o final do século XIX se desconstituído, mantendo-se até hoje o nome de Santo Antônio do Arrozal. O despovoamento de Santo Antônio do Arrozal, que fica há cerca de 2 km do atual centro do município, deu lugar ao surgimento de um novo centro urbano. A Vila foi então denominada Alto Carangola, e, depois, Arrozal. Em 1890 o ex povoado foi elevada a distrito, mas pertencendo ao Município de Manhuaçu. No ano seguinte, 1891, foi transferido para o Município de Carangola. Vários foram seus nomes até chegar ao atual, originário do latim (Oryz = arroz).

A transferência do distrito de Manhuaçu para Carangola decorreu de melhor mapeamento da Serra da Onça, que divisa as águas da Bacia do Manhuaçu do Bacia do Carangola. O Rio Manhuaçu desagua no Rio Doce que tem o estuário no Estado do Espírito Santo. O Rio Carangola desagua em Itaperuna no Rio Muriaé e este no Rio Paraíba do Sul em Campos do Goytacazes chegando finalmente no Oceano Atlântico no Estado do Rio de Janeiro.

Orizânia (MG) Matriz de S. Sebastião | Mapio.net
Matriz de São Sebastião

As nascentes dos Rios Manhuaçu e Carangola distam uma da outra menos de 2 km. Cada qual num lado da Serra da Onça e desaguam uma ao norte do Estado do Espírito Santo e outra no Rio de Janeiro. Tais bacias d’água contornam a Serra do Caparaó.

A etimologia de Orizânia ligada ao plantio de arroz é a oficial, embora haja quem busque a origem da palavra na extinta tribo indígena não Tupi, proveniente da Bahia, dos Orizes, cujo membro era Oriz. Pouco provável a origem nas tribos indígenas provenientes de onde hoje é a Bahia, pois a região do Vale do Carangola era habitada pelos índios Puris e, posteriormente à ocupação de Campos dos Goytacazes pelos colonizadores, pelos índios Coroados.

Com a emancipação do município Divino em 1943, Orizânia passou à categoria de distrito deste novo município, de quem se emancipou em 21 de dezembro de 1995.

Economia
Principais produtos agrícolas: café, arroz, milho e banana.
Pecuária: gado leiteiro e de corte (em pequena quantidade) e suinicultura.


Orizânia – Wikipédia, a enciclopédia livre

Turismo
A cidade de Orizânia oferece estrutura para a prática de esportes radicais possuindo estradas e trilhas para práticas de direção off-road, turismo rural e montanhismo. O relevo é composto por montanhas.
Orizânia, em decorrência da atividade agrícola teve prejudicada sua fauna e flora. Foi grande o desmatamento feito por gerações passadas. Poucas são as matas no Município e um incêndio começado em Orizânia em meados de 2007 estendeu-se por semanas até chegar a Indaiá, sem que sequer os responsáveis fossem punidos. Apesar do descaso das autoridades, há um grande esforço da comunidade local no sentido de preservar as florestas, que são um patrimônio da cidade, imprescindível para a qualidade da vida humana e das outras espécies, bem como para a defesa dos mananciais.

Pedra São Pedro / imagem – Salete Alves de Sousa

Influência libanesa na culinária do Vale do Carangola
Dentre as receitas culinárias decorrentes da presença libanesa no Vale do Carangola encontra-se uma iguaria chamada Murcilha. No Brasil, somente nesta região do Estado de Minas Gerais se produz e consome tal iguaria, tal como é feita. Trata-se de um embutido, tipo linguiça, no qual o intestino grosso do porco é recheado com os miúdos do animal, cozidos, picados e temperados. A Murcilha, diferentemente da mussela ou do chourisso não contém sangue. Trata-se de uma receita que expressa o dogma dos cristãos maronitas, que não ingerem sangue animal. Os cristãos marotinas vieram para o Brasil com o auxílio da Igreja Católica, fugidos da perseguição muçulmana do Império Turco Otomano.

Fonte: https://www.guiadoturista.net/ ; https://viagemturismoaventura.blogspot.com/

Cidades

Conheça Minas Gerais – Pedra Bonita
Perfil Pedra Bonita em Gonçalves MG. Roteiro realizado pela Mantiqueira Ecoturismo, agência de turismo que realiza passeios, trilhas e caminhadas em Gonçalves Mg na Serra da Mantiqueira

Pedra Bonita é uma pequena cidade e pacata, tendo boa parte de seu território inserido no Parque Estadual da Serra do Brigadeiro, rodeada por matas e belas cachoeiras de águas cristalinas, estando a 300 km de Belo Horizonte.

Possui uma rica fauna e flora, sendo considerada patrimônio da cidade, o que chama muita a atenção de turistas em busca de esportes radicais, possuindo trilhas de motocross e trekking de baixa, média e alta dificuldade, montanhas e ainda uma pedra com 1420 metros de altitude onde você tem uma bela vista panorâmica da cidade e cidades vizinhas, sendo ótimo para voo livre, rapel, asa-delta, etc.
Antes, era um lugar de mata virgem, com a chegada de um senhor cujo nome era Major José Luiz da Silva Viana, juntamente com sua família e seus escravos, conseguiu formar uma grande fazenda, a qual deu o nome de São José, onde viveu por muitos anos.
Mais tarde doou aos filhos a fazenda e todo seu patrimônio, que constituía de uma capela e três casas laterais.

Pedra Bonita MG - A Nossa Cidade - Posts | Facebook

Neste pequeno povoado, o Major veio a falecer, e após a sua morte foi dado o nome à capela de São José em memória do desbravador.
E a história registra que, o primeiro nome dado ao povoado foi São José dos Quatis, por haver na mata muitos quatis na época.

Após o falecimento do Major José Luiz e sua esposa, ambos sepultados na capela Brás Fuscalde, na porta da capela foi sepultado o construtor da mesma e colocada uma pedra no lugar. Esta pedra foi mantida debaixo das escadarias da igreja. Há tempo atrás existiam na igreja as imagens dos filhos ilustres feitas pelo artesão Joaquim Barroso, em madeira talhada a canivete, que infelizmente foram vendidas ao museu do Rio de Janeiro, e as poucas que restaram se encontram guardadas na igreja.

eadgoldfriend: PEDRA BONITA - MG ( cidade também atendida pela EAD/UFJF )

Posteriormente, após elevada à categoria de Distrito, o nome do povoado de São José (que era chamado de São José da Pedra Bonita) passou a ser somente Pedra Bonita, simbolizando uma pedra rara, de 1.437 m de altitude em relação ao nível do mar, destacada pela altura, entre outras da região.

Pedra Bonita foi elevada a categoria de Distrito por mais de 100 anos, pertencendo ao município de Ponte Nova, antiga Comarca de Rio Turvo, sendo que em 27 de julho de 1889 passou a pertencer a cidade de Abre Campo – MG.

O primeiro Líder Político do Distrito de Pedra Bonita foi Antônio Nicolau Viana e logo em seguida o Coronel Pedro Vitor de Oliveira, que veio para ficar na história.
Na data de 21 de dezembro de 1995, através da Lei Estadual n.º 12.030/95, Pedra Bonita foi emancipada, desmembrando-se do município de Abre Campo, tornando-se cidade. O 1º ano de Administração Político-Administrativa foi em 1997, tendo como 1º Prefeito Municipal o Sr. TROVÃO VITOR DE OLIVEIRA, filho do saudoso Coronel Pedro Vitor de Oliveira.

Parque das Cachoeiras
Parque das Cachoeiras
Área verde com cachoeiras, trilhas, piscina, chalés, campo futebol, pista motocross.

Fonte: https://cidades.ibge.gov.br/ ; https://www.minasgerais.com.br/

Sociedade

A ascensão agropecuária da família Coelho!

Três irmãos unidos com o propósito de produzir café orgânico, direto das montanhas de Minas Gerais

A propriedade foi adquirida por Robson, Luciano e Júlio no ano de 2013 e o plantio de café tomou forma consorciado com abacates.

A propriedade está localizada a uma altitude que varia entre 1280-1420 metros no Córrego Bom Jardim, em Santa Margarida. Robson afirma: “É de suma importância a elevação da propriedade por causa da maturação do café, desde o preparo das mudas até o limiar da colheita, tratamos a terra com zelo e amor. O café é 100% orgânico, sem nenhuma interferência tóxica ou insustentável.”, conclui o produtor.

Nesse ano de 2021 a venda de cafés foi exportada para o Estados Unidos, Canadá e algumas regiões da Alemanha. A fazenda possui seis certificados, o que constitui uma maior visibilidade à propriedade.

Atualmente, os biomas brasileiros estão em constante degradação, o que dificulta a oxigenação e melhor proveito daquilo que a natureza tem a oferecer. Em matas densas e fechadas a natureza se encontra em perfeito equilíbrio. Entretanto, quando esse local é invadido pelo homem ocorre o desequilíbrio do ecossistema, trazendo como consequência alimentos de péssima qualidade que comprometem a saúde da população.

A iniciativa de um cultivo sustentável, a preocupação com as próximas gerações e a valorização da terra, proporciona em troca um grão perfeito dotado de uma acidez impecável e o mais importante, saúde para o apreciador de um bom café.

O Café do Futuro tem total consciência de sua responsabilidade e está cada vez mais comprometido com o desenvolvimento sustentável. Os irmãos trabalham com transparência e rastreabilidade nos processos de cultivo, armazenagem e comercialização. Ademais, a disponibilização de vendas vai acontecer de maneira online a partir de agosto, enviando para todo o país. Adquira já o seu café 100% orgânico, valorize o cultivo sustentável.

Telefone para contato: (31)9.8422-9965

E-mail: robisoncafe@bol.com.br

Tecnologia

Abisson-Net – Tecnologia e Inovação
Internet Banda Larga - Internet Rápida | Diretório de Artigos

Abisson Rodrigues dos Santos natural de Santa Margarida, cidade interiorana localizada nas Matas de Minas, interessou-se pela área da tecnologia ainda adolescente, com apenas 13 anos já dominava vários métodos sobre provedores de internet.

Com o passar dos anos, o interesse pelo universo tecnológico foi aumentando, o que trouxe como consequência o desejo de expandir a internet banda larga para todos os cidadãos da cidade e região. Visando o bem estar dos clientes e a democratização ao acesso cultural advindo da internet.

O planeta está cada dia mais envolvido em uma realidade tecnológica, e o homem vê-se obrigado a adotar o meio. A empresa ABISSON-NET está apenas no limiar de um grande salto, com perspectivas de qualidade, hoje é referência em inovação e excelência nos serviços de telecomunicações.

A ABISSON-NET promete e entrega os seguintes aspectos:

  • Facilidade e Agilidade;
  • Internet rápida, de qualidade e estabilidade;
  • Excelência;
  • Suporte técnico;
  • Planos de internet flexíveis;

A principal intenção da empresa é de proporcionar acesso à internet banda larga e interconexão de qualidade para seus clientes com respeito, eficiência e rapidez. Atendendo tanto no meio urbano quanto rural, proporcionando internet eficiente para todos em qualquer lugar.

Cidades

Conheça Santos Dumont em Minas Gerais

Santos Dumont é uma cidade mineira com pouco mais de 46 mil habitantes localizada na Zona da Mata mineira, próximo à Juiz de Fora e Barbacena. Sua história mistura-se com a história da Estrada Real, que foi responsável pelo crescimento da região.

Seu nome é uma homenagem ao conterrâneo Alberto Santos Dumont, considerado o inventor do avião, que nasceu na Fazenda de Cabangu. Nessa fazenda foi criado o Museu de Cabangu onde está a Casa de Santos Dumont e o acervo de fotos de todos os seus experimentos. Santos Dumont possui diversos atrativos turísticos, como a Estátua do nosso ilustre Alberto Santos Dumont, Réplica da Torre Eiffel em homenagem ao voo com o dirigível em torno da Torre.

Os vagões do Restaurante do antigo Trem de Prata composto pela belíssima e imponente Locomotiva N° 370 “Zezé Leone” que estão estacionados na estação da antiga linha da Central do Brasil onde atualmente funciona um Restaurante. Calçamento original da Estrada Real com 10Km de extensão localizado sentido Antônio Carlos, na altura da Fazenda da Mantiqueira, também conhecida como “Serra do Navio”, neste local estão preservados dois chafarizes que serviam para a parada dos tropeiros.

Locomotiva Nº 370 "Zezé Leone" e Trem de Prata
Locomotiva N° 370 “Zezé Leone” 

A Represa da Ponte Preta, que no período do verão é bastante visitada, aonde pessoas vão para nadar, soltar pipa, andar de barco, pescar e acampar. A Represa de Chapéu D’Uvas que permite a pesca esportiva e o turismo de aventura na região, a represa ainda conta com a Matriz em ruínas do distrito de Velha Dores que está cercada pelas águas do Rio Paraibuna.

Represa de Dores
Represa de Dores
Represa da Ponte Preta
Represa da Ponte Preta

O distrito de Conceição do Formoso que é caracterizado pelas belezas naturais com montanhas, cidade pacata com casario barroco e rural da época, além de belas cachoeiras, sendo a mais famosa Cachoeira da Fumaça, que encantam os visitantes.

Distrito de Conceição do Formoso
Distrito de Conceição do Formoso


A gastronomia é conhecida pelo seu Doce de leite Borboleta e o Queijo do Reino que é famoso e compõe o Mapa Gastronômico de Minas Gerais e o Programa Terroirs da Estrada Real.

Casa de Cabangu

Casa de Cabangu

Ele é o principal atrativo turístico de nossa cidade. Além do seu grande valor histórico, o local conta de muita beleza natural para um passeio contemplativo com fauna silvestre presente. Apresenta vasta coleção de bens pertencentes à família de Santos Dumont, assim como objetos e documentos relacionados à história da aviação. Fazem parte do acervo também, a réplica em tamanho original do modelo Demoiselle, projetado por Santos Dumont e confeccionado segundo orientações retiradas de suas anotações, feito por artesão local. Guarda a história da rápida estadia de sua família na região na ocasião da construção da Estrada de Ferro D. Pedro II. O parque do museu preserva alguns exemplares de mata nativa, bem como fauna de mata Atlântica. Local de ensaios fotográficos, observação da natureza e estudos históricos.

Igreja de Nossa Senhora das Dores

Igreja de Nossa Senhora das Dores

A Matriz em ruínas está cercada pelas águas da Represa de Chapéu D’Uvas, formada pelas águas do Rio Paraibuna, e o acesso ao local só é possível por conta do forte período de estiagem, onde multidões de fiéis vão para contemplar a igreja e sua fé. Recebe cerca de mil pessoas para a celebração.

Seminário

Seminário

O seminário Seráfico Santo Antônio está localizado numa região privilegiada ao pé da Serra da Mantiqueira, na cidade de Santos Dumont. Foi fundado pelos freis franciscanos da Ordem dos Frades Menores – OFM, seguidores dos ensinamentos e da doutrina de São Francisco de Assis. A inauguração do colégio foi no dia 18 de fevereiro de 1941 e funcionou, inicialmente, no Educandário Santa Terezinha e a primeira turma contava com 11 seminaristas. Em 16 de abril de 1943, com a inauguração das duas primeiras alas o colégio foi transferido para o local onde funciona até hoje.

Fazenda Mantiqueira

Fazenda Mantiqueira

Fazenda setecentista que pertenceu ao inconfidente José Ayres Gomes, citada inclusive nos Autos da Devassa, por ocasião da Inconfidência Mineira.

Estátua de Santos Dumont

Estátua de Santos Dumont

Localizada bem no centro da cidade, próximo à prefeitura local e tem uma pracinha muito bonita e bem cuidada, que é ponto de passagem obrigatória da população local. Na pracinha uma atração que vale boas fotos , uma estatua de Santos Dumont, em tamanho natural, assentado em um dos bancos, Em frente à pracinha outra curiosidade, uma réplica da famosa Torre Eiffel de Paris, e de um dos dirigíveis projetados pelo ilustre filho da localidade.

Memorial Ferroviário

Memorial Ferroviário

É sabido e notório que toda a história do município de Santos Dumont está intimamente ligada a abertura do “Caminho Novo”, e mais tarde à construção da linha férrea, desta maneira resgatar e preservar sua memória ferroviária tem sido constante. O memorial é composto por objetos, ferramentas, peças de locomotivas, maquinário da época de 1920/1930. Aberto ao público para pesquisas e estudos , assim alimentando a cultura ferroviária do país.

ATRAÇÕES NATURAIS EM SANTOS DUMONT

Cachoeira da Fumaça
Cachoeira da Fumaça
Atrativo possui lindas corredeiras e quedas d’água em ambiente preservado de natureza exuberante, com diversas opções de atividades relacionadas ao ecoturismo e turismo de aventura. Cenário perfeito para o seu passeio!
Pedra do Navio
Pedra do Navio
Formação rochosa cuja silhueta lembra a aparência de uma navio. Localizada às margens do Caminho Novo da Estrada Real ganhou este nome dos viajantes que passavam pelo trecho em tempos remotos. O local é frequentado por caminhantes da Estrada Real, ciclistas, grupos de escoteiros e estudantes da região.
Cachoeira do Pessoa
Cachoeira do Pessoa
A cachoeira possui um paredão de pedra com queda de aproximadamente 20 m.

Enfim, venha se deliciar e conhecer a cidade!

Fonte: https://www.minasgerais.com.br/