Tag Archives: ufop

Educação

Pesquisador da UFOP integra equipe de editores da revista Applied Sciences

Rogelio Lopes Brandão, coordenador do Laboratório de Biologia Celular e Molecular e professor da Escola de Farmácia da UFOP, foi convidado para coordenar a edição do número especial da revista Applied Sciences “O papel das leveduras no processo de fabricação de cerveja: tradição e inovação“. 

A revista é publicada mensalmente e abrange todos os aspectos da Física, Química, Engenharia e Biologia aplicadas, desde 2011. Para o farmacêutico e doutor em Bioquímica pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Rogelio Brandão, o reconhecimento internacional é devido ao trabalho desenvolvido em décadas por professores, técnicos e estudantes de pós-graduação e graduação.

“Com o tempo, pudemos desenvolver novas cepas de leveduras que garantem a maior qualidade dos produtos, tanto da cachaça quanto da cerveja, a nível mundial. É a forma como somos reconhecidos, e a organização do fascículo vem de forma a coroar essa nossa trajetória”, avalia. 

O Laboratório – Fundado em 1992, realiza pesquisas usando cepas diversas da levedura da cachaça — aguardente produzida a partir da cana-de-açúcar e terceiro destilado mais produzido em todo o mundo — para aprimorar o padrão de qualidade do produto. Em 2000, passou a estudar também as leveduras da cerveja com o incentivo de produtores regionais e nacionais.

Fonte: https://www.ufop.br/

Educação

Projeto Ameopoema coloca extensão como potência de transformação sociocomunitária

O Ameopoema, coletivo de artistas de rua de Ouro Preto, nasceu em 2009 com o intuito de reunir as produções artísticas e promover a troca de técnicas entre os poetas que trabalhavam com arte nas ruas do município. Agora, em 2021, o coletivo passa a atuar junto com a Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) e assume o caráter extensionista.  

O objetivo central do Ameopoema é promover oportunidades de acesso cultural, artístico e educacional para os estudantes da rede pública de ensino na cidade, atuando no enfrentamento e prevenção da evasão escolar. Na visão do técnico-administrativo da Escola de Medicina Gemirson de Paula, um dos representantes do projeto, a extensão pode ajudar os alunos do Ensino Fundamental a percorrerem os caminhos para chegar à universidade.  

O projeto também visa a ampliação do acesso cultural e literário para a população residente em áreas pouco assistidas por serviços públicos, artísticos e culturais. Dentre as propostas trazidas pelo Ameopoema, estão atividades que buscam o estímulo à leitura, escrita, criação artística e geração de renda, além de reforço escolar. As atividades são realizadas no espaço do Centro Comunitário do Bairro da Piedade, no entanto, devido ao período de isolamento social, as ações estão sendo realizadas por meio de redes sociais. 

PARCERIAS – Dentre as propostas do Ameopoema, destaca-se a parceria educacional com as escolas públicas de Ouro Preto. Um exemplo de sucesso é o vínculo que o projeto tem com a Escola Municipal Izaura Mendes, localizada no bairro da Piedade. Há também uma parceria do Centro Comunitário do Bairro da Piedade com a escola desde 2017. Visto que muitas das chefes de família são mães solo e avós, e que grande parte não tem acesso a internet ou ferramentas virtuais, a escola busca uma comunicação mais direta, através de bilhetes e reuniões escolares.  Gemirson de Paula vê a extensão universitária como uma potência de transformação sócio-comunitária. “Encontrei a visão de universidade e responsabilidade social na extensão. A gente sabe que extensão é muito mais queimar glicose, energia, escrever, ir na rua, carregar cimento, carregar areia”, afirma.

Segundo os responsáveis pelo projeto, para que essas mudanças extensionistas se façam mais efetivas, ainda falta um engajamento maior de pessoas dispostas a contribuir com conhecimentos técnicos e pedagógicos. Rômulo Márcio Ferreira, outro integrante do projeto assinala que “é uma rede que precisa se formar para tudo acontecer”. 

Para participar, contribuir ou tirar dúvidas sobre o projeto, entre em contato através do endereço editoraameopoema@gmail.com ou faça inscrição pelo formulário para receber os informativos. 

Fonte: https://ufop.br/

Cultura

Entre exibições e histórias, Cine Vila Rica lança site oficial nos 35 anos sob gestão da UFOP

O espaço abrigou o Liceu de Artes e Ofícios da região, quase foi igreja e por pouco não virou supermercado. Assim é conhecida popularmente a história do Cine Teatro Vila Rica, um dos tradicionais cinemas da região dos Inconfidentes, que completa, em 2021, 35 anos sob direção da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP).  

Depois de toda sua história, a atual coordenadora, Lâne Mabel Soares, afirma que o projeto do Cine Vila Rica segue sendo um movimento cultural de resistência. “Como importante veículo de arte e cultura na região, o Cine Teatro Vila Rica enfrenta com muita disposição os desafios do seu funcionamento. Cientes do papel fundamental da arte cinematográfica, a UFOP e o Cine Vila Rica vão continuar fornecendo, produzindo e viabilizando a arte cinematográfica como alternativa de reflexão e transformação de indivíduos”, afirma Lâne.  

Devido à pandemia, as atividades presenciais do cinema seguem paralisadas, aguardando liberação para que sejam retomadas no Anexo do Museu da Inconfidência — espaço que abriga o Cine atualmente por causa de reformas. Projetos que estavam acontecendo no local seguem paralisados, como o “Conversando Cinema”, ação de mostra cinematográfica com debate, e o “Cinema com a Escola”, que trazia alunos e professores para atividades educativas.  

Neste novo cenário, o Cine migrou seu funcionamento para as mídias digitais. O site oficial foi reformulado e são realizadas exibições on-line do programa “Cinema em Redes — RNP” e do projeto “CINE IF no Sofá”, em parceria com o Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG) campus Ouro Preto. 

HISTÓRIA – A obra arquitetônica do cinema foi construída em 1886. Anos depois, o espaço foi comprado pelo imigrante italiano Salvatore Trópia, que realizou sua gestão junto à família por 27 anos, exibindo, inicialmente, produções do cinema mudo. O primeiro filme sonoro exibido no Cine Vila Rica foi “Rebelião em Vila Rica”, filmado em Ouro Preto, com direção de Renato e Geraldo Santos Pereira.  Em 1986, o cinema foi vendido à Universidade Federal de Ouro Preto e está sob gestão da Coordenadoria de Cultura da Pró-Reitoria de Extensão (Proex). Desde então, segue sendo palco de mostras temáticas de cinema e literatura, de shows musicais e de festivais tradicionais da região, como o Fórum das Letras, o Festival de Inverno Ouro Preto, Mariana e João Monlevade e o CineOP.   

O prédio do Cine Vila Rica está em reformas desde 2018, por isso as exibições vinham sendo realizadas no Anexo do Museu da Inconfidência, na Praça Tiradentes, com gratuidade no valor de entrada. 

Conheça mais do Cine Vila Rica através do site e acompanhe nas redes sociais

Fonte: https://ufop.br/

Educação

Programa “Para Mulheres na Ciência” prorroga inscrições para cientistas

As inscrições para a 16ª edição do programa “Para Mulheres na Ciência” foram prorrogadas até 10 de junho.

Realizada pela L’Oréal em parceria com a Unesco Brasil e a Academia Brasileira de Ciências, a premiação concede bolsas-auxílio para sete pesquisadoras brasileiras a fim de incentivar a continuidade das pesquisas selecionadas. 

Para participar é necessário que a candidata tenha concluído o doutorado a partir de 2014, sendo que, para mulheres com um filho, o prazo se estende por mais um ano e, para quem tem dois filhos ou mais, o prazo se estende por mais dois anos. Além disso, a cientista deve ter residência estável no Brasil, desenvolver projetos de pesquisa em instituições nacionais, entre outros requisitos listados na página do programa. O regulamento completo e outras informações estão disponíveis no site For Women In Science

HISTÓRICO – Ao longo das últimas edições, o programa “Para Mulheres na Ciência” já reconheceu e incentivou 103 cientistas brasileiras com a distribuição de mais de R$ 4,3 milhões em bolsas-auxílio. Em 2018, a professora do Departamento de Física da UFOP Jaqueline Soares foi laureada com o prêmio pelo projeto de pesquisa que pretende melhorar a qualidade de próteses ortopédicas e dentárias tornando as peças mais baratas e resistentes com o uso de um talco produzido a partir da pedra-sabão — matéria-prima abundante na região dos Inconfidentes e que se mostrou biocompatível ao organismo humano em testes preliminares.⁠ 

Na última coluna do “Em Discussão”, espaço de divulgação das temáticas em pauta no universo acadêmico, conversamos com a professora sobre a importância da premiação, sobre o estágio atual da pesquisa e sobre as barreiras que ainda precisam ser derrubadas em termos de desigualdade de gênero na ciência. Leia a entrevista completa.

Fonte: https://www.ufop.br/

Educação

Programa de radiojornalismo da UFOP é contemplado em projeto da SBPC

O programa de radiojornalismo “Curiá”, coordenado pela técnica administrativa Luana Viana, foi contemplado pelo Projeto de Divulgação Científica em Rádio da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). O repositório de áudios da SBPC reúne materiais produzidos e compartilhados voluntariamente por pesquisadores, professores, instituições de ensino e iniciativas de divulgação científica de todo o país. São contemplados diversos perfis de público e os programas abrangem temas variados, como saúde, energia nuclear, fauna brasileira, entre outros.

O objetivo do projeto é a circulação deste tipo de conteúdo, sobretudo em rádios comunitárias. “Acho importante participar dessas iniciativas que contribuem para a divulgação da pesquisa e da extensão, já que o esforço individual ganha força na coletividade”, analisa Luana. O “Curiá” é uma ação do projeto “Pequenos Ouvintes”, vinculado ao programa de extensão institucional “Sujeitos de suas histórias”, coordenado pelos professores Karina Gomes Barbosa e André Luís Carvalho.

O projeto produz programas de rádio para crianças, estimulando o desenvolvimento desse grupo, além de incentivar a escuta de rádio e de programas sonoros. Os episódios já estão disponíveis para escuta no  site da SBPC. DIVULGAÇÃO – Esta não é a primeira vez que o programa foi contemplado em editais de pesquisa.

O “Curiá” foi selecionado no edital do Sistema UFOP de Rádio — tendo sua programação veiculada nas emissoras de Mariana e Ouro Preto —, além da rádio da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Na Rádio UFRJ os programas vão ao ar todos os sábados, às 10h. A Rádio Mec, também do Rio de Janeiro, fez uma matéria sobre as produções do projeto. Luana ressalta a importância dessas parcerias entre as instituições. “É muito bacana e contribui para que a gente alcance um público bastante amplo, fazendo circular uma produção que é desenvolvida aqui na UFOP”. 

Acompanhe o siteInstagram e Facebook do projeto.

Fonte: https://ufop.br/

Sociedade

Projeto da UFOP realiza ações no Outubro Rosa

O “Fios de Solidariedade” vai ser entre 20 e 23 de outubro

A Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) celebra o Outubro Rosa com o Fios de Solidariedade. Em sua sétima edição, o evento traz uma programação que inclui cortes de cabelos nos salões parceiros em Ouro Preto e Mariana, além doação de perucas. Também serão realizados eventos on-line, como palestras temáticas, apresentações artísticas e oficinas. Em parceria com a Associação das Repúblicas Federais de Ouro Preto (Refop), a iniciativa pretende, ainda, arrecadar doações para montar cestas básicas que serão destinadas à APAE Ouro Preto e à Comunidade da Figueira de Mariana.

O PROJETO – O Fios de Solidariedade, do Programa Mais Saúde da UFOP, realiza desde 2014 um evento anual com o propósito de esclarecer a comunidade sobre a importância da prevenção e tratamento do câncer de mama. O evento anual marca o Outubro Rosa, mas também são recebidas doações de cabelo durante todo o ano. A ação tem, ainda, uma parceria com a ONG Fio de Luz, que produz próteses que são ofertadas a pacientes em tratamento ou pós-tratamento oncológico. Durante a pandemia, foram doadas duas perucas e 102 mechas de cabelo que foram recolhidas em cinco salões de Ouro Preto e Mariana.

OUTUBRO ROSA – O Outubro Rosa foi criado no início da década de 1990 pela Fundação Susan G. Komen for the Cure. A data é celebrada anualmente, com o objetivo de compartilhar informações e promover a conscientização sobre a doença, proporcionar maior acesso aos serviços de diagnóstico e de tratamento e contribuir para a redução da mortalidade.

Confira a programação: https://bit.ly/2G3Tqaj

Fonte: https://www.ouropreto.com.br/

Cidades

Professores da UFOP ofertam curso de fabricação de sabão artesanal

O projeto é realizado em parceria com a Unesco

O curso “Fabricação do sabão artesanal: proteção dos recursos hídricos e auxílio no combate à pandemia da Covid-19” será disponibilizado em um canal do YouTube de forma totalmente gratuita. O sabão artesanal será feito a partir de óleo usado e o curso vai incluir noções de sustentabilidade e empreendedorismo. Também serão oferecidas dicas de como vender os produtos, além de noções de higiene, preservação do meio ambiente e manuseio correto da água em casa.  

A professora do Programa de Pós-Graduação em Sustentabilidade Socioeconômica e Ambiental, Vera Guarda, uma das idealizadoras do projeto, explica a relevância da iniciativa: “No âmbito da saúde e higiene, auxiliará na diminuição da expansão da Covid-19. No tocante à sustentabilidade, ainda ajudará a proteger nossos corpos de água dos impactos negativos do óleo”. As aulas começam na segunda (18) e o curso oferece certificado. Confira o vídeo de apresentação.

Mais informações pelo e-mail: cursosabao@gmail.com

A IDEIA

A ação, que faz parte do Programa “100 horas para Senhoras” vinculado ao Núcleo da Cátedra da Unesco, já foi oferecido como um curso de extensão. “Devido à condição de pandemia da Covid-19 e ao papel do sabão na sua prevenção, o Programa Hidrológico Internacional (PHI) para América Latina e Caribe nos convidou a oferecer esse curso para comunidades vulneráveis em todo o continente”, conta Vera. Pensando em aumentar o alcance da ação, tanto no Brasil quanto nos países da América Latina, os professores envolvidos decidiram disponibilizar gratuitamente as aulas no YouTube.

Fonte: https://ufop.br/