Tag Archives: teatro

Cultura

Espetáculo gratuito de contação de histórias propõe reflexões sobre a natureza

“Caraminholas na Caixola”, com Katita Flor e Ana Raquel Contos, acontece na quinta-feira, 20 de janeiro

13 1 2021 minibiblioteca

No período de férias, a Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais oferece uma programação especial para as crianças. O Setor Infantojuvenil (BIJU) realiza a primeira edição de 2022 do projeto “Hora do Conto e da Leitura” e recebe o espetáculo: “Caraminholas na Caixola”, com as contadoras de histórias Katita Flor e Ana Raquel Contos.  

O espetáculo será apresentado na quinta-feira (20/1), a partir das 14h30. A entrada é gratuita, e os ingressos estão disponíveis na plataforma Sympla e podem ser retirados AQUI. O uso de máscara cobrindo nariz e boca é obrigatório durante toda a permanência no local de realização do evento.

“Caraminholas na Caixola” é uma produção alegre e emocionante, repleta de histórias e canções originais, propõe reflexões sobre o nosso papel no mundo e a relação com a natureza, os nossos sonhos e muito mais. O repertório do espetáculo é baseado nas obras A minhoca da sorte, de Ana Maria Machado, e A maior Flor do mundo, de Saramago.

Cultura

Biblioteca Estadual recebe programação da Campanha de Popularização do Teatro e da Dança
11 1 20222 minicampanhasecult
Durante os meses de janeiro e fevereiro, público vai conferir produções diversificas, com atrações para crianças e adultos

Uma série de espetáculos aguarda o público da Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais em janeiro. O espaço, vinculado à Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult), recebe parte da programação da 47ª Campanha de Popularização do Teatro e da Dança. Ao todo, seis produções, entre infantis e adultos, serão apresentados no Teatro José Aparecido de Oliveira, de 14 de janeiro a 20 de fevereiro.

A programação da Campanha de Popularização do Teatro e da Dança na Biblioteca Estadual reúne os espetáculos “Os homens querem casar e as mulheres querem sexo”, “Os Saltimbancos”, “Pouso Forçado”, “Meu adorável Genro”, “Como vencer a burocracia sem ter um infarto” e “O Chapeleiro Maluco”. Os ingressos podem ser adquiridos nos postos do Sinparc e no portal Vá ao Teatro a R$ 20. Na Bilheteria do Teatro da Biblioteca, os ingressos serão vendidos a partir de R$ 42,00.

O espetáculo que abre a programação é “Os homens querem casar e as mulheres querem sexo”, que ficará em cartaz de 14 a 16 de janeiro, com sessões às 20h na sexta-feira (14/1) e no sábado (15/1), e às 19h, no domingo (16/1). A peça conta a história de Jonas, um rapaz que tenta de todas as maneiras encontrar uma mulher pra se casar. Durante essa busca, muitos tipos de mulheres passam pela sua vida, deixando histórias de rolar de rir. Frequentador assíduo de casamentos, ele briga por todos os buquês e enfeites de bolo e depois de várias tentativas frustradas, resolve ir para uma lounge, pra beber e desabafar com seu lado feminino.

De 15 de janeiro a 6 de fevereiro, entra em cartaz a peça “Os Saltimbancos”, com apresentações sempre às 16h. O espetáculo narra a história do encontro de quatro animais (um jumento, um cachorro, uma galinha e uma gata), que devido a maus tratos, fugiram de seus patrões. Juntos decidem formar um grupo musical e rumam à cidade para começar a carreira artística. No caminho encontram seus antigos donos e temendo serem novamente escravizados, resolvem enfrentá-los. Os bichos vencem e chegam à conclusão de que unidos conseguirão superar todas as dificuldades.

A programação também conta com o espetáculo “Pouso forçado”, que será encenado de 21 a 23 de janeiro. As sessões acontecem às 19h30, na sexta-feira (21/1) e no sábado (22/1), e às 19h no domingo (23/1). A montagem conta a história de Flávio, um homem que vive a vida fazendo pousos no mercado financeiro, mudando-se para York, fazendo bicos sem nunca encontrar um lugar. Até sentir que seu casamento teria sido mais um pouso forçado se Chantila não fosse tão louca e disposta a maiores desafios que ele.

“Meu adorável genro” estará em cartaz de 28 a 30 de janeiro, com apresentações às 20h na sexta-feira (28/1) e no sábado (29/1), e às 19h no domingo (30/1). Nesse espetáculo, uma divertida dona de casa, que para sair da rotina sexual de seu casamento, veste-se de Marilyn Monroe e com muito humor e nenhum pudor usa como armas o amor, a sensibilidade, e a sensualidade na conquista diária para ser feliz.

Ao longo de todo o mês de fevereiro, o público confere a produção “Como vencer a burocracia sem ter um infarto”, que será apresentada entre 4/2 e 27/2. As sessões acontecem às 20h, nas sextas-feiras e nos sábados, e aos domingos, às 19h. A peça conta a história de Nestor, um cidadão comum, que precisa enfrentar a morosidade do Estado e um funcionário público pra lá de aloprado para provar que está VIVO. Nessa confusão, quem morre (de rir!) é o espectador.

A programação da Campanha de Popularização do Teatro e da Dança se encerra com o espetáculo “O Chapeleiro Maluco”, em cartaz nos dias 12 e 13 de fevereiro, com sessões às 16h. A peça leva para o palco de forma lúdica e descontraída a história do Chapeleiro Maluco, que deixa de ser maluco, perdendo assim sua personalidade ao se deparar com a tragédia de sua família, onde somente uma pessoa que acredita no impossível poderá ajudá-lo, sua verdadeira amiga “Alice”. Com um desfecho surpreendente, o espetáculo traz ao público uma verdadeira lição de vida e reflexão sobre os valores: “família e amizade verdadeira”.

Confira a programação completa

Os homens querem casar e as mulheres querem sexo

Data: 14/01, 15/01 e 16/01

Horário: Sexta e sábado às 20h, domingo às 19h

Ingressos: https://www.vaaoteatromg.com.br/detalhe-peca/belo-horizonte/os-homens-querem-casar-e-as-mulheres-querem-sexo

Os Saltimbancos

Datas: 15/01, 16/01, 22/01, 23/01, 05/02 e 06/02

Horário: 16h

Ingressos: https://www.vaaoteatromg.com.br/detalhe-peca/belo-horizonte/os-saltimbancos  

Pouso Forçado

Datas: 21/01, 22/01 e 23/01

Horário: Sexta e sábado às 19h30, domingo às 19h

Ingressos: https://www.vaaoteatromg.com.br/detalhe-peca/belo-horizonte/pouso-forcado  

Meu adorável Genro

Datas: 28/01, 29/01 e 30/01/2022

Horário: Sexta e sábado às 20h, domingo às 19h

Ingressos: https://www.vaaoteatromg.com.br/detalhe-peca/belo-horizonte/meu-adoravel-genro

Como vencer a burocracia sem ter um infarto

Datas: 04/02, 05/02, 06/02, 11/02, 12/02, 13/02, 19/02 e 20/02

Horários: Sexta e sábado às 20h, domingo às 19h

Ingressos: https://www.vaaoteatromg.com.br/detalhe-peca/belo-horizonte/como-vencer-a-burocracia-sem-ter-um-infarto

O Chapeleiro Maluco

Datas: 12/02 e 13/02

Horário: 16h

Ingressos: https://www.vaaoteatromg.com.br/detalhe-peca/belo-horizonte/o-chapeleiro-maluco

Fonte: https://www.secult.mg.gov.br/

Cultura

A Sogra e A Bela e a Fera estarão no teatro de Lafaiete neste fim de semana

O Teatro Municipal de Conselheiro Lafaiete recebe neste fim de semana duas apresentações diferentes. O sucesso “A Sogra” e a peça infantil “A Bela e a Fera” estarão na cidade durante o sábado (20/11) e o domingo (21).

Pôster de divulgação da comédia "A Sogra"

 
“A Sogra” é uma comédia de sucesso. A peça conta com mais de 100 apresentações por todo estado de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. Agora, ela retorna aos palcos com cenas novas. Os atores João Sabará (a Sogra), Glória Diniz (a Nora) e Keury Pinheiro prometem uma apresentação com muitas gargalhadas. A comédia será apresentada no Sábado e Domingo às 20h.

Pôster de divulgação do musical "A Bela e a Fera"

“A Bela e a Fera”, clássico infantil da Disney, promete emocionar toda a família com uma super produção, cenário digital, troca de figurinos, todo cantado ao vivo, com coreografias e muita magia em cena.

O musical será apresentado no domingo em duas sessões: às 15hs e 17hs.

Os ingressos estão à venda por R$ 10,00 (dez reais) no valor antecipado online pelo site Sympla.
Compre os ingressos aqui

Fonte: https://fatoreal.com.br/

Cultura

Gruta lança mais quatro meses de programação online, com peças de teatro, festas e bate-papos

Com agenda virtual, de novembro a fevereiro, espaço icônico da cena cultural independente de BH apresenta peças teatrais, discotecagens com transmissões ao vivo e lives com Marcelo Veronez e Wanira Vampira; programação começou nesta sexta-feira (5), com espetáculo da Toda Deseo

Marcelo Veronez TV Verô – Foto Wanira Vampira

Enquanto espera retomar as atividades com presença de público em segurança, a Gruta, icônico espaço cultural de Belo Horizonte situado na rua Pitangui, no bairro Horto, continua a apresentar, até o mês de fevereiro, uma intensa programação online. Desta vez, as atrações orbitam principalmente em torno do teatro, com vários trabalhos produzidos durante a pandemia, e que fazem fazem jus ao perfil multifacetado da da casa cultural, ao abarcar uma confluência de linguagens artísticas que envolvem música, performance, cinema, dança e um toque sadio de loucura arrojada.

Em um formato de “noites sentadas”, mas impreterivelmente agitadas, como manda a cartilha de comportamento da Gruta, a programação apresenta espetáculos de teatro formatados no período de isolamento, no qual artistas e públicos precisaram se manter afastados fisicamente, devido às restrições da pandemia da covid-19.  “É uma programação bem focada em projetos que produzimos durante a pandemia e com um direcionamento bem específico para o teatro. Afinal, a Gruta é uma casa que abraça o teatro, que tem a intenção de fortalecer esse laço e se transformar em teatro futuramente”, adianta uma das gestoras do espaço, a artista Juliana Abreu.

Quem abriu a programação na sexta-feira, dia 5 de novembro, é a Cia. Toda Deseo, conhecida por abordar questões de gênero e de sexualidade a partir de reflexões potentes e didáticas. Na montagem “Quem é você?”, direcionada para todas as idades, mas sobretudo para as crianças e jovens, a companhia foi aclamada por relatar a passagem da infância para a adolescência de maneira lúdica, com influências de suspense e mistério, tendo sido apresentada para alunos de escolas públicas da capital mineira, por meio de projeto aprovado no Fundo Municipal de Cultura da Prefeitura de Belo Horizonte. A montagem, com direção de Mariana Lima Muniz e dramaturgia de Raysner de Paula, foi adaptada para o formato virtual para contar a história de Biba, personagem que vive em um armário aos cuidados de uma aranha gigante, até decidir aventurar-se pelo mundo.

A Toda Deseo ainda apresenta dois espetáculos solo, ambos produzidos durante a pandemia, sob direção de Rafael Bacelar. O primeiro deles, “Tóxica”, interpretado e escrito pelo ator Ronny Stevens, pretende abandonar o binarismo rígido entre ficção e fato, ao refletir sobre a formação de personalidades e suas múltiplas potencialidades diante de uma sociedade doente e preconceituosa. Todo o monólogo gira em torno dessa crítica, a partir da premissa de que “a autobiografia não é a relação existente entre os acontecimentos de uma vida e sua representação, mas um pacto, implícito ou explícito, entre o ator e o público”, como diz parte do impactante texto interpretado por Stevens.

Ju Abreu Conselheira – Foto Lina Mintz

A segunda peça, “Conselheira”, é idealizada e conduzida pela atriz Juliana Abreu, baseada na rotina de criação do próprio filho, em um relato biográfico e, de certa forma, inconformado com os padrões reducionistas impostos pela sociedade às mulheres, a partir de rótulos taxativos e genéricos sobre a maternidade. A partir desse panorama, o espetáculo rompe com a imagem universal das mães e tenta compreender o processo de tornar-se mãe em suas múltiplas dimensões sociais, psicológicas e políticas, mas levando em conta as diferentes trajetórias e peculiaridades sobre ser mulher.

Outro destaque cênico protagonizado por mulheres é a montagem “Malditas Cancioneiras”, na qual Juliana Abreu realiza uma dobradinha com a atriz e pesquisadora Idyla Silmarovi, sob a direção de Marcelo Veronez. A peça narra a trajetória das Gemeazicas Paraguaias, em uma alusão a uma dupla de mulheres mortas na fogueira por padres medievais, mas que retornam na modernidade do século XXI com propósito de vingança. A partir dessa tônica, Idyla e Juliana dominam o palco abusando de elementos do terror trash ao melhor estilo Zé do Caixão, munidas de canções ácidas e irônicas, com críticas aos machismos estruturais e às subjugações da mulher na sociedade contemporânea. 

Malditas Cancioneiras – Foto Marcelo Veronez

No terreno dos bate-papos, aproveitando o boom das lives durante a pandemia, Marcelo Veronez apresenta o Especial de Natal da TV Verô, projeto de entrevistas conduzido pelo cantor, compositor, ator e diretor mineiro desde o início da pandemia e do processo de isolamento social, em março de 2020. Em formato de conversas descontraídas, Veronez destrincha uma série de ideias, conceitos e muitas informações históricas sobre música e teatro, recebendo artistas mineiros para debater sobre suas trajetórias, influências e perspectivas, agora diante de um cenário no qual a cultura começa a sonhar novamente, após um longo período de projetos engavetados e atividades paralisadas. O projeto foi apresentado de forma ousada, com programação de 24h ininterrupta, durante a Virada Cultural de Belo Horizonte em 2021, com programação inteiramente virtual.

Ainda na seara das conversas e entrevistas, a Wanira Vampira, alter ego do artista cênico e performer Wagner Alves, segue conduzindo bate-papos sobre curiosidades e contextos dos gêneros do cinema de terror. Os encontros da Agenda Trevosa, realizada no consagrado formato de boteco alucinado e sem lei, marca registrada dos eventos memoráveis na Gruta, serão transmitidos ao vivo semanalmente, até fevereiro.

Festas com DJ’s

Mantendo a tradição das festas com discotecagens, a Gruta também apresenta uma sequência de noites inspiradas, para dançar em casa, com transmissões ao vivo de todas as baladas que reúnem o melhor da música quente globalizada, do carimbó chamegado paraense de Dona Onete ao pop performático de Lady Gaga. Quem abre os trabalhos no dia 26/11 é a DJ Perdida, com apresentações posteriores de DJ Prima, DJ Confusa, DJ Rock Nelson e DJ Firmina.

Sobre a Gruta

Localizada na Rua Pitangui, ao lado do Galpão Cine Horto, Zona Leste da capital mineira, a Gruta é um espaço cultural independente que funciona, desde 2001, como ponto de convergência entre artistas de diferentes linguagens da cidade. O lugar surgiu como local de ensaios de grupos teatrais e, ao longo dos anos, se reconfigurou por diversas vezes, assumindo também o caráter de casa para pequenos shows e espetáculos, e espaço de festas.

Autogestionado, se mantém como uma referência fundamental para a promoção da experimentação artística e de um espaço livre e diverso, que acolhe criações e debates que incluem as pautas feminista, LGBTQI+ e antirracista, entre outras. Foi administrado de forma aguerrida durante muitos anos por Joyce Malta e Admar Fernandes e, atualmente, é gerido por Marcelo Veronez, Wanira (Wagner Alves), Juliana Abreu e Akner Gustavson (Toda Deseo).

PROGRAMAÇÃO GRUTA ONLINE – 2ª PARTE Quando. De 5 de novembro a 21 de dezembro
Onde. Instagram | Facebook | YouTube
Quanto. Programação gratuita* Apresentações, espetáculos e discotecagens *05/11  Quem é você? Toda Deseo

12/11  Cabaré das Primas Toda Deseo

19/11  Malditas Cancioneiras Juliana Abreu e Idyla Silmarovi

26/11  DJ Perdida

03/12  Tóxica Solo de Ronny Stevens

10/12  DJ Prima

17/12  TV Verô, Especial de Natal com Marcelo Veronez 

14/01  DJ Confusa

21/01  Conselheira Solo de Juliana Abreu

28/01  DJ Rock Nelson

04/02  Dublagem de Balcão Wanira Vampira e Daniele Sendin

11/02  DJ Firmina

* Agenda Trevosa da Wanira Vampira: Slashers de Terror *

08/11 Cinema Selvagem (Saulo Salomão)

15/11 Terror Tupiniquim — Zé do Caixão e influências

22/11 Terror com Tudo e Mais um Pouco (Juliana Valente)

29/11 Atura ou Surta, a tendência do terror psicológico

06/12 Arroz, Feijão e Diazepam com Fritas (Danielle Sendin)

13/12 Aliens, O Mistério Está lá Fora, parte 2

17/01 Alô Varginha, parte 2 (Tamira Mantovani)

24/01 O Além Túmulo, sobre o terror sobrenatural

07/02 Mande Notícias do Mundo de Lá (Romênia Reis)

14/02 Do Luxo ao Trash

21/02 Trash Divo (Christian Bravo)

Cultura

Luciano Arte Produções apresenta o espetáculo “Divorciar ou Casar” nesse final de semana no Teatro Municipal em Lafaiete

Acontece nesta sexta-feira (05) e no sábado (06) no Teatro Municipal de Conselheiro Lafaiete o Espetáculo “Divorciar ou Casar”

O Espetáculo conta com a participação da atriz Xanthine Drummond que já participou de peças teatrais como “A Prova de Fogo” direção Silvio Ferreira-Palácio das Artes, Musical “Feras e Belas” direção Fernando Ferraz, “Terapias Fora de Série” direção Rick Alves. No meio audiovisual protagonizou um longa chamado “Eternamente Minha” da autora Jessica Macedo, foi capa de um dos maiores lançamentos da Bienal de SP. Participou de outras gravações como a série Hit Parade da Globoplay e em gravações com o Youtuber e ator Lucas Rangel. Como modelo, já trabalhou para marcas, desfilando e fazendo fotos. Já fez também algumas entrevistas ao vivo, em canais de youtube, televisão e imprensa.

Já Luciano de Lima, já exerceu várias funções nas artes e como ator, já atuou em mais de 55 espetáculos profissionais em BH, SP E RJ e também na Campanha de Popularização. No teatro já atuou em alguns trabalhos como: Amores, Coração Safado, Os três porquinhos outros. Fundou Cia Teatral Nova Arte Jovem e realizou grandes trabalhos com à mesma. Já participou de trabalhos também em rádio, publicidade. No cinema já atuou em filmes como: Vidas Roubadas, Adultera e outros.

Já participou do Quadro Faustolândia do Domingão do Faustão e algumas novelas, dentre elas a mais recente foi em Espelho da Vida. Atualmente (2021) apresenta o programa WTJ Cultura da Gerais na TV WTJ Minas, que vai ao ar todo sábado às 13 h. 

A diretora Magdalena Rodrigues, é atriz e atualmente também presidente do Sated/MG, sindicato dos artistas de Minas Gerais e tem uma carreira brilhante. Em sua carreira, já atuou em muitos trabalhos, dentre eles: Dona Beija, Peter Pan, Liberdade Liberdade, Dagmar a perigosa e outros. Já ganhou prêmio BonSucesso de melhor atriz por seu trabalho na peça – A prostituta respeitosa – e já atuou em espetáculos infantis também como: Alice no país da imaginação. Já atuou em trabalhos de TV também. Defende e ajuda na carreira de todos os trabalhadores da categoria e classe artística.

SERVIÇO:

Espetáculo: “Divorciar ou Casar”

  • Dias: 05 e 06 de novembro de 2021
  • Local: Teatro Municipal de Conselheiro Lafaiete – Rua Assis Andrade, 540, bairro Rosário
  • Ingressos: R$10,00 – podem ser adquiridos na Loja Artesã de Queluz – Rua Assis Andrade (Rua da Câmara), 623, bairro Rosário
  • O espetáculo ocorrerá respeitando todos os protocolos de segurança.

Fonte: https://www.foconanoticia.com.br/

Cultura

Centro Cultural Casa de Candongas abre inscrições para oficinas gratuitas

Violão, teatro, dança de rua, canto e artesanato estão entre os cursos que serão realizados virtualmente pelos professores da Casa de Candongas

Nas oficinas, haverá aulas destinadas a adultos, crianças e adolescentes – Foto: Aline Teixeira/Divulgação

Centro Cultural Casa de Candongas, da Cia Candongas, abre inscrições para a nova edição do Oficinas Artísticas 2021. Com a flexibilização das atividades, as aulas voltam a ser realizadas em formato presencial com os professores da Casa de Candongas. Seguindo os protocolos, apenas as aulas de canto seguem em modelo on-line. As mensalidades são gratuitas, com duração de quatro meses, e custo apenas para as inscrições (R$ 40 em taxa única).

Artesanato, dança para infância, canto e técnica vocal, teatro para infância, teatro juvenil e adulto, dança de rua e violão são os cursos ofertados nas Oficinas Artísticas. Em abril, no fim do curso, as pessoas envolvidas nas oficinas vão apresentar os trabalhos desenvolvidos durante as aulas em uma Mostra Virtual Artística.

As oficinas têm início no próximo dia 8 de novembro (segunda-feira), com um pequeno recesso para as festas de fim de ano a partir do dia 20 de dezembro. No ano que vem, o retorno das aulas será no dia 17 de janeiro, com término em abril de 2022.

As pessoas interessadas podem se inscrever no site oficial da Cia Candongas ou presencialmente no local das oficinas para que as comunidades locais, prejudicadas com ações online, possam participar. As inscrições podem ser feitas até a data de início das aulas (08/11). Após o término das matrículas, as pessoas selecionadas recebem por e-mail a programação das aulas.

As oficinas serão realizadas no âmbito do Termo de Fomento 892268/2019 celebrado entre a Companhia Candongas e Outras Firulas e a União, por intermédio do Ministério da Cidadania, Secretaria Especial da Cultura e Secretaria da Economia Criativa.

Contato para imprensa:

(31) 99296-2099 (Jéssica Mayara – telefone e WhatsApp) ou via e-mail.

Cultura

Girarte de volta aos palcos, com apresentação presencial: “Entre Passos de Amar”, Cataguases-MG

Após estreia virtual, espetáculo de dança que trata das infinitas formas de amar, ganha o palco do Centro Cultural Humberto Mauro

A pandemia afastou o artista do palco e do público, gerando como únicas alternativas as interações através de plataformas digitais. Agora, com o avanço da vacinação no Brasil, e com a queda nos índices de infecção, o Grupo de Pesquisa Girarte pode, enfim, voltar ao palco com apresentação presencial. O espetáculo de dança “Entre Passos de Amar” abre as portas do Centro Cultural Humberto Mauro, em Cataguases/MG, no dia 23 de outubro, às 18h. A plateia, permitida pela primeira vez desde o início da pandemia, será reduzida, de acordo com o protocolo atual de combate à covid-19. No dia 28 de outubro, às 19h, a nova apresentação do espetáculo também será transmitida via YouTube do Projeto Girarte(https://bit.ly/GirarteYouTube).

 Com patrocínio da CBA via Lei Rouanet o espetáculo tem apresentação e transmissão gratuita, e a classificação indicativa é de 10 anos. Os ingressos poderão ser retirados no site da Fundação Ormeo J. Botelho (www.fundacaoormeo.org.br) onde constam todas as informações e procedimentos necessários para garantia do ingresso na apresentação presencial. Além do apoio máster da Fundação Cultural Ormeo Junqueira Botelho através do Grupo Energisa, a apresentação conta com apoio do Instituto Votorantim, Grupo Bauminas, Polo Audiovisual da Zona da Mata MG, Instituto Fábrica do Futuro, Miba e parceria institucional com a Fundarte e Prefeitura Municipal de Muriaé-MG.

“Esta apresentação só será possível devido a um grande esforço coletivo, em favor da retomada do setor cultural em nossa região, que conta com muitas mãos estendidas e parceiros que acreditam em nosso trabalho. São com muita alegria e emoção que abrimos o Centro Cultural Humberto Mauro, no retorno às atividades culturais e artísticas com a presença do público. A casa nos recebeu na estreia do espetáculo, sem público no final de 2020, e agora temos esta nova oportunidade e privilégio de sentir a vibração e energia do público em nossa nova apresentação. Trabalhamos durante todo este tempo com o grande desafio de interação através de plataformas digitais, com alternativas muito eficazes, junto à comunidade escolar e população em geral, mas nada a meu ver substitui a interação, contato e sensibilidade humana, tenho ainda mais certeza disso agora”, afirma Marcus Diego, coordenador do Girarte. “Dentro deste contexto temos uma obra atemporal, que nos permite refletir sobre onde está o amor na humanidade, principalmente em um momento de tanta pressão como o que estamos vivendo em todas as esferas. Durante o processo de montagem trabalhamos com os sentimentos pessoais dos bailarinos, traduzindo em movimentos as diferentes percepções do amor e do amar, agregando à obra uma originalidade e sensibilidade diferenciadas, que tenho certeza que tocará o público de maneira muito especial”, completa Marcus.

O elenco é composto pelos bailarinos Alan Resende, Fabiano Banna, Natália Barros, Marcus Diego e Tatiane Dias. A trilha sonora original do espetáculo conta com os músicos Felipe Continentino (Belo Horizonte-MG), Flavia Goa (Rio de Janeiro-RJ), com a participação especial do guitarrista Chinês (Helder Silva), do percussionista Tumati (Rogério Mendonça) e das cantoras Thaylis Carneiro e Priscila Sandes (Cataguases-MG). A construção coreográfica é de Marcus Diego, em parceria com Janaina Frade. O conceito de figurino é de Carolina Sudati (São Paulo). Todo cenário branco, tem como contraponto uma tela vermelha de linhas abstratas, construída por Priscila Sandes. A assistência geral de palco e operação de iluminação é da técnica Fernanda Pinheiro.

Projeto Girarte

“Concretizamos um núcleo intenso de produtividade artística e cultural, capaz de atuar em duas perspectivas diferentes que se complementam, arte como ferramenta de desenvolvimento sociocultural e desenvolvimento artístico profissional. Pautados em um conceito de equipe multidisciplinar, alinhados com um efeito multiplicador de conhecimentos, fomentamos espaços para pesquisa, criação e desenvolvimento contínuo de técnicas e trabalhos artísticos, além da realização de oficinas, cursos de capacitação, intercâmbios culturais, montagem e circulação de espetáculos. Temos um modelo de projeto que fortalecem muitos dos “ODS” da ONU, capaz de interagir e se adaptar de forma eficaz com diferentes realidades e contextos, até mesmo em meio uma pandemia. Temos orgulho de até o momento sermos responsáveis por ações de sucesso em mais de 65 cidades, abrangendo 5 estados brasileiros, além de uma parceria internacional, contemplando mais de 125 escolas públicas, beneficiando mais de 165.000 pessoas, impactando de forma significativa no desenvolvimento sociocultural de diferentes localidades. Seguimos em constante transformação e aprendizado, buscando sempre superar nossos melhores resultados, sustentando valores pautados na democratização cultural e diálogo entre arte e educação”, afirma Marcus Diego, coordenador do Projeto Girarte.

Projeto Girarte se encontra aberto para parcerias através da Lei Federal de Incentivo à Cultura (IR) e Lei Estadual de Incentivo à Cultura (ICMS), pessoas e empresas interessadas em direcionar seus impostos para as ações socioculturais do projeto, podem saber mais detalhes no site www.projetogirarte.com.br e pelo telefone (WhatsApp) (32) 9 8887-3531.

Serviço

Espetáculo “Entre Passos de Amar”

Estreia dia 23 de outubro, às 18h

No Centro Cultural Humberto Mauro na cidade de Cataguases-MG

Ingressos retirados no site da Fundação Ormeo J. Botelho (www.fundacaoormeo.org.br) ou pelo link https://forms.gle/G1jSBAvHnaqGaa9r6

Dia 28 de outubro, às 19h

Transmissão gratuita e exclusiva pelo canal do YouTube – Projeto Girarte: https://bit.ly/GirarteYouTube

Ficha técnica resumida

Direção Geral: Marcus Diego

Assistência de Direção: Tatiane Dias

Coreografia: Janaina Frade e Marcus Diego

Trilha Sonora: Felipe Continentino e Flavia Goa

Figurino: Carolina Sudati

Assistência geral: Fernanda Pinheiro e Priscila Sandes

Elenco: Alan Resende, Fabiano Banna, Natália Barros, Marcus Diego e Tatiane Dias

Patrocínio:CBA via Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Apoiadores: GrupoEnergisa, Fundação Cultural Ormeo Junqueira Botelho, Polo audiovisual da Zona da Mata MG, Instituto Fábrica do Futuro, Instituto Votorantim, Miba, Fundação Bauminas, Fundarte e Prefeitura Municipal de Muriaé-MG.

Contato

Marcus Diego (Coordenação):

e-mail: projetogirarte@yahoo.com.br

Cel.: (32) 98887-3531

Priscila Sandes (Secretária):

e-mail: projetogirarteorienta@yahoo.com

Cel (whatsapp).: (32) 9 8896-5357
_____________________
Assessoria de Imprensa: Converso ComunicaçãoAline Monteiro: (31) 99347-2319

Cultura

Edição de outubro da Mostrô reúne atividades gratuitas para crianças e oficina sobre a Cozinha Mineira

Feira será realizada ao ar livre, no Teatro de Arena da Biblioteca Estadual, no sábado, 23 de outubro

23 8 2021 minimostro

Para celebrar o mês das crianças e também o próprio aniversário, a Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais recebe mais uma edição da “Mostrô – Mostra de Arte e Cultura Urbana de Gente que Ama o que Faz”. O evento contará com ações especiais, como um Espaço Kids dedicado aos pequenos, além de uma campanha de doação de livros infantojuvenis, histórias em quadrinhos e mangás.

A Mostrô será realizada no sábado (23/10), das 9 às 17h, ao ar livre, no Teatro de Arena da Biblioteca Estadual. A entrada é gratuita, e o acesso ao espaço se dará pela Rua da Bahia, em frente ao Instituto Izabela Hendrix. A feira é realizada pela Da Terra Gestão Cultural e tem o apoio institucional da Biblioteca Estadual de Minas Gerais, do Circuito Liberdade e da Câmara Mineira do Livro.

Na edição de outubro, serão mais de 40 expositores, fazedores de arte, cultura e gastronomia. Durante o evento, também serão lançados títulos publicados pelo Grupo Editorial Caravana, como “O sangue que rejuvenesce o Conde Drácula”, de Caio Junqueira Maciel, e “Suspiro seco, de Edgard Pereira”. As obras estarão disponíveis para venda ao longo de toda a realização da feira, e as sinopses dos livros podem ser consultadas AQUI.

Os autores também vão participar de um bate-papo com o público a respeito do processo criativo das obras, além de apresentarem um panorama da literatura mineira. A mediação do encontro, que acontece às 10h, ficará a cargo do também escritor Farrel Kautely.

Outro destaque na programação de outubro da Mostrô é o diálogo que a feira vai propor com a Cozinha Mineira. Durante o evento, o chef Danilo Simões, curador gastronômico do projeto, irá preparar na praça gastronômica pratos exclusivos inspirados em escritores mineiros. A feira irá abordar, também, um item que é essencial em qualquer cozinha mineira: o queijo. A partir das 14h, acontece a oficina “Uma viagem gastronômica através da História do queijo em Minas Gerais”.

Conduzida pela Fornaggio, a atividade irá revelar características da produção do queijo artesanal no estado, passando por diferentes regiões mineiras. Entre os temas abordados pela distribuidora, está a relação geográfica com a produção dos queijos no estado. Os participantes serão apresentados aos principais queijos mineiros e quais as melhores harmonizações para esses produtos. Para participar da atividade, é necessário realizar inscrição prévia. O link está disponível AQUI.

A programação de outubro da Mostrô reúne, ainda, aula de ioga e prática de meditação ao ar livre a partir das 9h, oferecida pela Don´Ana; oficina de técnica de decoupage, às 11h, oferecida pela Cheiros e Artes (inscrições AQUI); contação de histórias com obras publicadas pela Clássica Distribuidora e Uni Duni Editora, que será realizada entre 11h e 12h30; além de uma série de ações sobre o Outubro Rosa, movimento internacional de conscientização para o controle do câncer de mama e a presença da DJ Fê Lins, que vai ambientar o espaço com ritmos característicos das décadas de 1960 a 1990.

A “Mostrô – Mostra de Arte e Cultura Urbana de Gente que Ama o que Faz” foi idealizada para promover a diversidade cultural de nosso estado e, nos próximos meses, vai evidenciar diferentes linguagens artísticas, como artesanato, gastronomia, design e literatura. As edições ocorrerão sempre aos sábados, até o mês de dezembro. A proposta é valorizar a economia criativa de Minas Gerais ao dar visibilidade ao trabalho de artistas, produtores e trabalhadores e trabalhadoras da cultura no estado.

A Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais é um equipamento da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) e integra o Circuito Liberdade, em Belo Horizonte.

Serviço
Mostrô – Mostra de Arte e Cultura Urbana de Gente que Ama o que Faz
Data: 23/9 (sábado)
Horário: das 9h às 17h
Local: Teatro de Arena da Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais
Endereço: Entrada pela Rua da Bahia, sem nº.
Informações e inscrições para oficinas: Instagram: @mostrobh
Entrada gratuita

Fonte: https://www.secult.mg.gov.br/

Cultura

Cia Circunstância estreia nesta sexta versão online do espetáculo “Circo de Família”

Adaptado ao formato virtual, espetáculo será apresentado ao vivo, no YouTube, às 19h30; nos dias 5 e 6 de novembro, Circunstância leva espetáculo presencial a Brumadinho

A Cia Circunstância apresenta a versão online de “Circo de Família” nesta sexta-feira (15), às 19h30, pelo YouTube. Montagem mais recente do repertório da trupe circense, o espetáculo se debruça sobre a estrutura familiar circense e estreou em 2020, sendo, por isso, impactado pela pandemia da Covid-19. A circulação por ruas e praças teve que ser abreviada em função do isolamento social, fazendo com que a Cia Circunstância adaptasse “Circo de Família” para o virtual. Viabilizada pela Lei Aldir Blanc de Emergência Cultural, a estreia da versão virtual do espetáculo chega num momento em que a companhia começa a retomar, também, as atividades presenciais.

Em paralelo à concepção da montagem para o formato online, a Cia Circunstância vem realizando o projeto “Circo de Família de Rolê”, que consiste na circulação do espetáculo pelo interior de Minas e por Belo Horizonte. Fruto do Prêmio Funarte de Apoio a Espetáculos Circenses 2020, a turnê começou no dia 17 de setembro, no povoado de Lapinha da Serra, em Santana do Riacho, onde também foram feitas aulas gratuitas de malabares e perna-de-pau durante três dias. Já em BH, “Circo de Família” foi apresentado no dia 10 de outubro, na Praça México, no Bairro Concórdia. O “rolê” da trupe termina em Brumadinho, em novembro: no dia 5, a apresentação acontece às 19h, em Piedade do Paraopeba, em frente à Igreja Matriz; e, no dia 6, em frente à Igreja dos Marques, na Comunidade dos Marques, no mesmo horário.

“Circo de Família” surgiu da necessidade de registrar, de forma artística, a história das novas configurações familiares do chamado circo contemporâneo. As experimentações começaram em 2017, quando a Cia Circunstância ocupou a Praça da Assembleia durante todo o ano, “passando o chapéu” e criando números que viriam a formatar a peça. Em 2019, a companhia foi contemplada pela Lei Municipal de Incentivo à Cultura e entrou para a sala de ensaio, a fim de realizar a montagem. Foram convidados para a direção os amigos e palhaços Adriana Morales e Tiago Mafra, do Grupo Trampulim. O projeto teve assessoria artística do palhaço, diretor e bailarino pernambucano Ronaldo Aguiar, e passou por residências artísticas junto às famílias circenses da Cia Boca do Lixo (GO) e da Cia 1péde2 (RS/SP).

O espetáculo, então, se estruturou como um show de variedades com o casal de palhaços Tica-tica do Fubá (Dagmar Bedê), Alegria Também (Diogo Dias) e, espontânea e voluntariamente o filhote Pirueta Ravioli (Ravi Dias Bedê), de apenas cinco anos. O trio monta um pequeno circo a céu aberto e o improviso dita a cena com números de malabarismo, ilusionismo, acrobacia e muita bobagem. “No princípio, éramos somente nós, o público e a praça. Selecionamos os números que gostaríamos e fomos nos adaptando, tendo em cena também nosso filho, que interagia de acordo com a vontade dele. Quando entramos para a sala de ensaio, nosso foco se voltou para a criação da dramaturgia. Fomos entender qual história a gente queria contar com o espetáculo”, relembra Dagmar Bedê.

Sobre a live, a artista afirma tratar-se de uma real adaptação ao virtual, pensada exclusivamente para este formato. “Durante o ano passado e neste, também, fizemos lives com o espetáculo minimamente adaptado, mas mantendo toda a sua estrutura. Agora, reescrevemos o roteiro junto com a direção de arte. É um espetáculo híbrido, físico e online, já que será transmitido ao vivo. Vão ter várias surpresinhas, que fazem da live algo bem próprio”, conta. “É quase igual ao espetáculo, mas é diferente. Têm números antigos, mas pensados para o virtual. É a volta dos que não foram”, diverte-se a artista.

A trupe de volta à rua

Com a chegada abrupta da pandemia, a necessidade da adaptação para as telas pegou a trupe de surpresa – mas nem por isso freou suas atividades. A Cia Circunstância fez seus malabarismos e realizou, em abril deste ano, a “Mostra Tudo em Família”, em formato totalmente digital. O evento, focado nas novas configurações familiares circenses, contou com uma série de espetáculos de trupes e companhias de diversas regiões do Brasil. “Trabalhar nesse formato digital nunca foi nossa intenção, mas nos vimos obrigados a abrir o olhar para as possibilidades do teatro virtual, para as lives e salas de conferência. A ‘Mostra Tudo em Família’ já era um desejo de antes, que veio à tona a partir das experiências que tivemos com o ‘Circo de Família’. Foi numa convenção brasileira de malabarismo, em Goiânia, que conhecemos a Cia Boca do Lixo e percebemos a importância de abordar de forma ampla as diferentes estruturas familiares do circo contemporâneo”, diz Diogo Dias. 

Dagmar Bedê afirma que a primeira apresentação, na Lapinha da Serra, foi especial. “Estava marcado para quinta-feira, mas um senhor importante da comunidade faleceu e, em respeito a ele, fizemos na sexta. Foi muito especial. Tinha muita gente, todo mundo atento. Oferecemos máscaras antes da apresentação”, conta. “Fizemos três dias de malabares e perna de pau na praça, antes. Isso foi muito legal, porque criamos uma relação com a meninada da cidade. No dia do espetáculo, a gente já os conhecia, já conhecia as famílias. É um público que não está acostumado com esse tipo de trabalho, e que se envolve muito”, completa Diogo Dias. 

O afeto foi justamente o que norteou a escolha das cidades e locais da circulação. “Vamos muito à Lapinha e, sempre que visitamos o povoado, sentimos esse desejo de fazer algo na pracinha. Já Brumadinho eu frequento desde a infância. Fiz apresentações, com outros espetáculos, em eventos da família”, conta. “A Praça México, em BH, também é um lugar especial. A gente morava no Concórdia e, no começo da pandemia, levávamos o Ravi para lá, nas poucas fugidas para distraí-lo. Tem brinquedos, um palquinho e um grupo de capoeira que treina lá duas vezes por semana. Ele adora”, completa Dias.

Em uma época em que a palavra “família” é tão bradada por grupos que propagam o ódio e o preconceito – justamente contra artistas e trabalhadores da cultura – o espetáculo da Cia Circunstância vem para mostrar que é necessário lutar por conceitos e narrativas. “Não podemos aceitar que, em um país tão diverso, com configurações familiares das mais variadas, seja consensual que, para ser uma família, precisa ter um pai, uma mãe e uma criança. Logo neste país, onde tantos filhos crescem sem pai em função do abandono? Quantas crianças crescem com avós ou tios? Quantos casais homoafetivos decidem viver a maternidade ou paternidade? Tudo vale a pena quando a alma não é pequena”, sublinha. “No circo, esse conceito da família ainda tem significados mais complexos, que extrapolam os laços consanguíneos e se misturam a relações de trabalho e vida artística. É preciso resistir e lutar para não perder a essência e o valor das palavras que nos custam tão caro”.

Sobre a Cia Circunstância

A Cia Circunstância foi fundada em Belo Horizonte, em 2004, por Diogo Dias e Luciano Antinarelli. Em 2005, entra Evandro Heringer e a companhia monta seu primeiro espetáculo, “Palhaços à Vista”. Em 2009, entra Miguel Safe e, em 2010, Dagmar Bedê. O grupo tem como carro-chefe os espetáculos de rua criados por meio de experimentações em rodas de palhaços, nas praças, numa construção coletiva e aberta com o público. Ao longo dos anos, surgem outros espetáculos do repertório da companhia: “Antes Solo do que Malacompanhado” (2007); “De Mudança” e “Pequeno Grande Encontro” (2009); “De Mala às Artes” (2013); e “123 Testando” (2015).

Quando nascem os filhos dos integrantes, a companhia assume caráter de família circense e começa uma nova pesquisa direcionada às questões familiares. Surge, então, o espetáculo “Circo de Família”, em 2017, ocupando a Praça da Assembleia com rodas de palhaço e “passando o chapéu” o ano inteiro. Em 2019, a Cia aprova um projeto na Lei Municipal de Incentivo à Cultura para a remontagem do espetáculo e convida o Grupo Trampulim para fazer residências artísticas com famílias de outros lugares do país.

A ideia agora ganha novos contornos com a Mostra Tudo, cuja primeira edição aconteceu em 2015, celebrando dez anos da Cia Circunstância. A programação, realizada em 40 dias, foi composta por 15 espetáculos locais e nacionais, seis oficinas, dois cabarés de variedades e um cortejo. Em 2017, a companhia realizou a segunda edição da Mostra, com o tema “Comicidade, Palhaçaria e Teatro de Rua”. Na ocasião, o evento contou com 20 espetáculos, sendo 14 realizados por grupos locais e seis por grupos do interior, de outros estados e países, além de duas oficinas e um intercâmbio com artistas locais e grupos convidados.

Realizada em abril de 2021, com recursos da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, do Governo Federal do Brasil, a “Mostra Tudo em Família – Novas Configurações Familiares” contou com espetáculos de trupes e companhias de diversas regiões do Brasil. A programação, que é totalmente gratuita, ainda conta com oficinas e números circenses selecionados por meio de convocatórias abertas, além de uma roda de conversa sobre o assunto.

Cia Circunstância – “Circo de Família de Rolê” – Novas datas

à Circo de Família LIVE – 15/10 (sexta-feira), às 19h30, pelo YouTube

à Brumadinho – 5/11 (terça-feira), às 19h, em frente à Igreja Matriz de Piedade do Paraopeba; 6/11 (quarta-feira), 19h, em frente à Igreja dos Marques

Nas redes. youtube.com/ciacircunstânciacircoteatro / instagram.com/ciacircunstancia
ciacircunstancia.com.br / fb.com/circunstancia

Cultura

Festival de Teatro Mínimo reabre as portas do Teatro da Cidade com programação gratuita de 14 a 24 de outubro

Teatro de Pesquisa apresenta a segunda edição do festival, que terá espetáculos diários e gratuitos, sempre às 20h, no tradicional teatro da Rua da Bahia, agora sob nova direção e administração

É tempo de comemorar?! É sim, senhor!!! O Teatro da Cidade, que durante 30 anos levou cultura e diversão para o público da capital mineira, está de volta após um período fechado ao público, por conta da pandemia. E a reabertura será marcada pela segunda edição do Festival de Teatro Mínimo, que, durante os dias 14 a 24 de outubro, vai apresentar nove espetáculos gratuitos, sempre às 20h, no tradicional palco do teatro que fica na Rua da Bahia, 1.341, no centro da cidade.

E as comemorações não param por aí! O Teatro da Cidade, que desde sua fundação, em 1991, foi dirigido por Pedro Paulo Cava, agora tem nova administração: assumem a gestão a diretora executiva Tatiane Reis e o diretor artístico Guilherme Colina nessa grande retomada aos palcos. A troca de gestão acontece no momento exato de reaberturas durante a pandemia, com total segurança e seguindo todos os protocolos contra a proliferação da Covid-19, e dará continuidade aos trabalhos do antigo diretor Pedro Paulo Cava, que por 56 anos se dedicou integralmente ao ofício. Assim, o Teatro de Pesquisa, entidade que construiu e mantém o Teatro da Cidade, também ficará sob os cuidados da nova administração.

Desta forma, o Festival de Teatro Mínimo chega para celebrar essa mudança. A segunda edição do evento vai reunir artistas independentes e diversos grupos, coletivos, companhias, além de diretores, autores e cenotécnicos de várias tendências. A ideia é buscar uma maior integração entre as gerações de artistas cênicos profissionais e levar ao público, estudiosos e imprensa uma mostra anual da pluralidade, diversidade e talento dos artistas cênicos belorizontinos.

A abertura do festival será no dia 14/10 (quinta-feira), às 20h, com a apresentação de “O Conselheiro da Favela”, do Platôs Companhia Teatral, seguido de conversa mediada. Este será o espetáculo com maior duração do festival (1h20), já que as apresentações dos dias seguintes serão bem mais curtas, variando de 15 a 30 minutos cada uma. A ideia é compartilhar vivências, experiências e paixões de forma mais objetiva e dinâmica.

Todos os espetáculos têm entrada gratuita, sempre às 20h, com retirada de ingressos no site do Sympla (https://www.sympla.com.br/) e informações mais detalhadas podem ser obtidas pelo e-mail festivaldeteatrominimo@gmail.com. Confira a programação geral abaixo, nas próximas páginas. O Festival de Teatro Mínimo é realizado com recursos de Lei Aldir Blanc, do Governo do Estado de Minas Gerais.

Programação da 2ª Edição do Festival Mínimo de Teatro

Abertura:

14/10 (quinta-feira) | 20h | Apresentação do Platôs Companhia Teatral seguido de conversa mediada.
Trabalho Cênico: O Conselheiro da Favela
Sinopse: Um andarilho urbano ousa erguer sua voz. Seu estado deplorável o iguala aos muitos esquecidos da sociedade que perambulam espalhados por qualquer grande cidade, mas o que diz ao contar suas histórias o distingue dos comuns marginalizados. Tem consigo uma edição surrada de Os sertões, da qual cita trechos sem consultar, quando também parece pregar como um antigo profeta, ora manso, ora raivoso. Feito um conselheiro, fala de uma “guerra” célebre, a de Canudos, e de seus sobreviventes.
Duração 1h20
Classificação livre

15/10 (sexta-feira)  | 20h | Apresentação do Grupo Confesso seguido de conversa mediada.
Trabalho Cênico: Baú Empoeirado
Sinopse: Mulher troféu – sentenciada à morte – do baú de memórias, suplica pela vida colocada em risco, numa competição masculina, em que o prêmio é seu corpo – até que outra mulher se anuncie.
Duração: 20min.
Classificação: 16 anos

16/10 (sábado) | 20h | Apresentação do Breve Cia. seguido de conversa mediada.
Trabalho Cênico: Cena Curta Uma, Outra
Sinopse: As atrizes contam o que fizeram, do momento em que acordaram até o momento em que chegaram para fazer esta cena. Não precisam seguir uma ordem cronológica dos fatos, desde que seja compreensível e minimamente engraçado. Elas são mulheres que se multiplicam em muitas outras. Elas querem falar de amor, de afeto, de memórias. Elas são mulheres que amam outras mulheres. Elas, mulheres negras, querem falar de amor sem dor. Sem dor?
Duração: 15 min.
Classificação: 12 anos

17/10 (domingo)  | 20h | Apresentação do Pigmalião Escultura que Mexe seguido de conversa mediada.
Trabalho Cênico: O Quadro de uma Família
Sinopse: Certos de serem uma família, os componentes desse quadro posam já automaticamente eternizados. Todas as análises que serão feitas sobre cada um deles tornarão mais clara a sua compreensão. No momento basta observá-los individualmente.
Duração: 15 min.
Classificação: 12 anos

20/10 (quarta-feira) | 20h | Apresentação do Coletivo do Real seguido de conversa mediada.
Trabalho Cênico: hAbitAR
Sinopse: Eles não nasceram ali…Foram trazidos por outras pessoas que talvez não saibam de onde vêm. Ao traçarmos nossos deslocamentos sobre o mundo deixamos linhas invisíveis que podem nos possibilitar lembrar de onde viemos ou querermos apagar com uma borracha. Três pessoas de interiores diferentes se encontram e falam sobre suas linhas-histórias e o que será escrito sobre elas no futuro. Para onde você vai quando não tem para onde ir?
Duração: 15 min.
Classificação: 14 anos

21/10 (quinta-feira)  | 20h | Apresentação do Cia. Quatro Quartos seguido de conversa mediada.
Trabalho Cênico: Horizonte Infinito
Sinopse: Duas irmãs. Uma linha que as separa, cruzando o oceano. Onde existe lar afinal? Universos solitários, mundos particulares, cotidianos que se cruzam. Tão distantes, porém tão próximas… Há ali um ponto de encontro entre as duas. Um entremeio de memórias, sonhos, desejos, saudades, um entremeio de vida. Ali elas se reencontram, ali elas se resgatam.
Duração 20 min
Classificação 10 anos

22/10 (sexta-feira) | 20h | Apresentação do Vertente Corpo Es’passo seguido de conversa mediada.
Trabalho Cênico: Bruto Afeto
Sinopse: Em cena, dois atores se encontram para partilhar seus corpos, suas matérias e histórias fartas de carne. Num jogo construído de lembranças e desencontros com auxílio do público, a narrativa se desenrola. Um açougueiro, um homem de branco e um coração que existe entre os dois. Atores e plateia se tornam cúmplices de uma história ordinária repleta de acontecimentos extraordinários.
Duração: 30 min.
Classificação: 12 anos

23/10 (sábado) | 20h | Apresentação do Coletivo Bacurinhas seguido de conversa mediada.
Trabalho Cênico: “This is a man?”
Sinopse: A cena propõe a performatividade de gênero através da linguagem do Drag King de uma forma bem-humorada, política, poética e crítica. O contexto da encenação trata de situações cotidianas e relações sociais do universo masculino, onde o coletivo propõe uma perspectiva crítica acerca do homem padrão normativo.
Duração: 20 min.
Classificação: 16 anos

24/10 (domingo) | 20h | Apresentação do Cóccix Companhia Teatral seguido de conversa mediada.
Trabalho Cênico: Pedaço de Homem Cercado de Outro por Todos os Lados
Sinopse: Ilha. Confinamento e necessidade criam um perpétuo jogo em que imagens, movimentos, palavras e sons desencadeiam conflitos e situações, em incessante transformação. Homem. Trânsito por diferentes diferentes instâncias instâncias de poder, ora dominador, ora dominado, preso em um conjunto de relações em que se torna criador e refém da sua condição. Homem ilha, cercado de outros por todos os lados.
Duração: 30min.
Classificação: 16 anos

2ª Edição do Festival Mínimo de Teatro
Data: 14 a 17 e 20 a 24 de outubro de 2021
Horário: 20h
Local: Teatro da Cidade (Rua da Bahia, 1.341, centro, Belo Horizonte)
Entrada gratuita, retirada de ingressos no Sympla
Informações pelo e-mail: festivaldeteatrominimo@gmail.com
Telefones: (31) 3273-1050 / 98494-1153
Realização: Teatro de Pesquisa / Teatro da Cidade
Evento realizado com recurso de Lei Aldir Blanc no Estado de Minas Gerais

Assessoria de imprensa: Luiz Cabral Inácio (31) 97140-0404