Tag Archives: ouro preto

Cultura

Entre exibições e histórias, Cine Vila Rica lança site oficial nos 35 anos sob gestão da UFOP

O espaço abrigou o Liceu de Artes e Ofícios da região, quase foi igreja e por pouco não virou supermercado. Assim é conhecida popularmente a história do Cine Teatro Vila Rica, um dos tradicionais cinemas da região dos Inconfidentes, que completa, em 2021, 35 anos sob direção da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP).  

Depois de toda sua história, a atual coordenadora, Lâne Mabel Soares, afirma que o projeto do Cine Vila Rica segue sendo um movimento cultural de resistência. “Como importante veículo de arte e cultura na região, o Cine Teatro Vila Rica enfrenta com muita disposição os desafios do seu funcionamento. Cientes do papel fundamental da arte cinematográfica, a UFOP e o Cine Vila Rica vão continuar fornecendo, produzindo e viabilizando a arte cinematográfica como alternativa de reflexão e transformação de indivíduos”, afirma Lâne.  

Devido à pandemia, as atividades presenciais do cinema seguem paralisadas, aguardando liberação para que sejam retomadas no Anexo do Museu da Inconfidência — espaço que abriga o Cine atualmente por causa de reformas. Projetos que estavam acontecendo no local seguem paralisados, como o “Conversando Cinema”, ação de mostra cinematográfica com debate, e o “Cinema com a Escola”, que trazia alunos e professores para atividades educativas.  

Neste novo cenário, o Cine migrou seu funcionamento para as mídias digitais. O site oficial foi reformulado e são realizadas exibições on-line do programa “Cinema em Redes — RNP” e do projeto “CINE IF no Sofá”, em parceria com o Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG) campus Ouro Preto. 

HISTÓRIA – A obra arquitetônica do cinema foi construída em 1886. Anos depois, o espaço foi comprado pelo imigrante italiano Salvatore Trópia, que realizou sua gestão junto à família por 27 anos, exibindo, inicialmente, produções do cinema mudo. O primeiro filme sonoro exibido no Cine Vila Rica foi “Rebelião em Vila Rica”, filmado em Ouro Preto, com direção de Renato e Geraldo Santos Pereira.  Em 1986, o cinema foi vendido à Universidade Federal de Ouro Preto e está sob gestão da Coordenadoria de Cultura da Pró-Reitoria de Extensão (Proex). Desde então, segue sendo palco de mostras temáticas de cinema e literatura, de shows musicais e de festivais tradicionais da região, como o Fórum das Letras, o Festival de Inverno Ouro Preto, Mariana e João Monlevade e o CineOP.   

O prédio do Cine Vila Rica está em reformas desde 2018, por isso as exibições vinham sendo realizadas no Anexo do Museu da Inconfidência, na Praça Tiradentes, com gratuidade no valor de entrada. 

Conheça mais do Cine Vila Rica através do site e acompanhe nas redes sociais

Fonte: https://ufop.br/

Turismo & Lazer

Ouro Preto: dicas imperdíveis de contato com a natureza

As atrações de Ouro Preto são tantas que, neste post, você vai conhecer uma nova Ouro Preto, com dicas de passeios ao ar livre.

Ouro Preto é um destino completo. A apenas 100 km da capital mineira, é parte da Estrada Real, maior rota turística brasileira.

As ladeiras de Ouro Preto são recheadas de pontos turísticos que remontam ao Ciclo do Ouro. A maioria das pessoas chega até ali por sua inegável riqueza cultural. E não é pra menos. O centro histórico de Ouro Preto tem o título de Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco, o que atrai olhares do mundo todo.

Mas se você está em busca de uma Ouro Preto diferente, que vai além do centro histórico, esse post é para você. Com um olhar mais atento e, claro, com essas dicas incríveis, você vai conhecer outra versão de Ouro Preto.

Foto: Vista do centro histórico de Ouro Preto.

O que fazer em Ouro Preto

Aqui a melhor forma de conhecer seus pontos turísticos é caminhando.

Ouro Preto permite a prática de muitos passeios ao ar livre, com muitas doses de natureza e até aventura em suas serras e cachoeiras. Vale trekking, tirolesa, escalada e até passeios de caiaque.

Parques naturais

Para quem está em busca de descansar a mente, respirar novos ares e colocar o corpo em movimento, não dá para deixar de visitar os parques naturais da cidade.

Parque Estadual do Itacolomi

Foto: Pico do Itacolomi. 

Pico do Itacolomi é uma marca da cidade e fica no Parque Estadual do Itacolomi, aberto a visitação. Do centro histórico mesmo é possível vê-lo. Aliás, este pico foi usado como referência aos bandeirantes que percorriam a Estrada Real para chegar à antiga Vila Rica.  

No parque é possível fazer uma trilha até o Pico do Itacolomi, que oferece uma vista de 360º de toda a cidade. Neste passeio o visitante percorre uma trilha de 12 km ida e volta, cerca de 4h no total.

Para quem não perde uma oportunidade de se refrescar, a Lagoa da Capela é uma opção de banho, que fica bem próximo à sede do parque, cerca de 200m.  

O acesso ao parque é feito pela rodovia que liga Ouro Preto à Mariana. Após a entrada de Ouro Preto, seguir pela rodovia em direção à Mariana por cerca de 7km até o trevo do Hospital Santa Casa Misericórdia e a portaria do parque.

Foto: Parque Estadual do Itacolomi

Parque Natural Municipal das Andorinhas

O Parque Natural Municipal das Andorinhas protege as nascentes mais altas do Rio das Velhas, um afluente importante do Rio São Francisco.

Com tanta água, suas piscinas naturais e cachoeiras são os atrativos mais visitados por quem busca nadar e relaxar. As trilhas variam do nível fácil ao difícil, vai ao gosto do freguês.

Não dá pra perder os mirantes paras as exuberantes paisagens naturais do local.

O acesso pode ser feito a partir da sede do município de Ouro Preto – a primeira pela Rua 15 de Agosto, passando pelos bairros Morro da Queimada, Morro Santana e Morro São João, onde se acessa a portaria/entrada 1. E a segunda forma de acesso é pela Rua Henri Gorceix, ladeira João de Paiva, passando pelo bairro São Sebastião, de onde se acessa a portaria/entrada 2.

Floresta do Uaimii

Foto: ilustração de trilhas por áreas naturais

No distrito de São Bartolomeu, em Ouro Preto, está localizada a Floresta do Uaimii, a primeira reserva estadual de Minas Gerais, com trilhas encobertas de Mata Atlântica e belíssimas cachoeiras. O acesso aos pontos turísticos naturais é por meio de trilha, em meio a mata, de aproximadamente 4km.

O local é ideal para quem busca conexão com a natureza. Possui duas entradas: a de São Bartolomeu e a de Brás Gomes.

Cachoeiras

Ouro Preto tem diversas opções pra quem não dispensa um passeio com um belo banho de cachoeiras.

Foto: Cachoeira do Castelinho – Chapada
Foto: Cachoeira Três Pingos

Essas são apenas algumas, no próprio Parque Estadual do Itacolomi é possível aproveitar pra se refrescar com menos de 1,5 km de trilha, além do Parque Natural Municipal das Andorinhas e da reserva Floresta Uaimii.

Um pouco de adrenalina

Foto: ilustração da prática do esporte stand up paddle

A Fazenda Nascer (RPPN) localizada dentro da reserva Uaimii oferece opções de entretenimento como caminhadas ecológicas, caiaque, stand up paddle, camping, e, ainda, experimentar uma boa comida caseira mineira.

Turismo rural e romance

Os distritos de Lavras Novas, Cachoeira do Campo e Amarantina são procurados por quem está em busca de vivências em ambientes rurais e, porque não, romance.

A paisagem, as pousadas aconchegantes e bares são um charme e criam um clima. Aos casais aventureiros também oferecem atrações turísticas de natureza em estações ecológicas, fazendas, passeio à cavalo, quadriciclo e bike.

Foto: passeio de quadriciclo pelo distrito de Lavras Novas, Ouro Preto

 Mirantes

Também é possível meditar, refletir e admirar os cenários nos mirantes localizados em diversos pontos da cidade, são eles:

  • Mirante na Rua Getúlio Vargas, conhecido como “muro dos namorados” tem uma bela vista para o bairro Pilar, com destaque para a Basílica de Nossa Senhora do Pilar.
  • Mirante de Santa Efigênia quase passa desapercebido por quem visita apenas a igreja. Vale a pena se debruçar diante do visual visto para tentar identificar as diferentes atrações do Centro Histórico.
  • A caminho da cidade de Mariana, seguindo pela Rua Conselheiro Quintiliano, encontra-se a mureta do Mirante das Lajes. A vista contempla paisagens da Praça Tiradentes, emolduradas pelos morros de Ouro Preto.
  • Mirante do Morro São Sebastião, que fica bem ao alto, se tem a vista mais completa do Centro Histórico de Ouro Preto. A graça está justamente em tentar identificar tantos diferentes pontos de interesse, como as igrejas, os museus e o Pico do Itacolomi. A visão é tão ampla que até mesmo parte do campus Morro do Cruzeiro, da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) pode ser observado.
  • E o Mirante da Igreja Mercês e Misericórdia, que no muro de seu adro, desfrutamos de um lindo pôr do sol!

Natureza e cultura

Ecomuseu

No alto da Serra de Ouro Preto, no bairro São João, até a cumeada onde se encontram as ruínas do moinho de vento, um território que abriga o Ecomuseu, que guarda a memória do primeiro grande assentamento urbano, destruído pelo incêndio ordenado pelo Conde de Assumar, na Sedição de 1720.

Ecomuseu possui um conceito diferenciado de museu: cultura, patrimônio e vivências comunitárias numa lógica de território que envolve os morros da Queimada, Santana, São João e São Sebastião.

Museu do Chá

Para conhecimento e experiência, no Parque do Itacolomi acolhe o Museu do Chá, a edificação da antiga Fábrica de Chá Edelweiss, da Fazenda de São José do Manso, e que conserva a memória dessa atividade da primeira metade do século 20, ao cultivo do chá iniciado no século 19.

Casarão do Manso

E no casarão do Manso, há uma exposição, em sensível contexto museográfico, sobre os naturalistas que visitaram Minas Gerais desde a abertura dos portos do Brasil (1808) até o final do Império.

Construções minimalistas

Para os minimalistas, na rodovia de acesso a Ouro Preto, no distrito de Cachoeira do Campo, é possível desfrutar de um maravilhoso conjunto de reduções de edifícios históricos de todo o Brasil, do Farol da Barra na Bahia ao Palácio da Alvorada, da Câmara de Mariana à Igrejinha da Pampulha.

Sabores e saberes  

Seguindo uma outra rota, descobrimos a expressividade ouro-pretana em seus sabores e saberes da região.

Cozinha mineira

No cardápio encontramos delícias típicas mineiras como: frango com quiabo, carne de porco com ora-pro-nóbis, angu, feijão tropeiro, tutu com torresmo, carne de panela, produção artesanal da goiabada cascão, doce de leite nas quitandas distribuídas nos distritos de São Bartolomeu, Santo Antônio do Salto e Santa Rita.

Produção artesanal

Foto: Produção artesanal em pedra sabão.

E não dá para deixar de visitar a produção artesanal em pedra sabão em Santa Rita de Ouro Preto, lá, encontramos a essência do artesanato em pedra sabão, arranjo produtivo local da cidade, onde ocorre a fabricação de panelas do material.


Deu pra ver que você ainda tem muito o que conhecer em Ouro Preto, não é?

Ah, para a visita aos pontos turísticos recomenda-se a contratação de um guia para melhor interpretação e aproveitamento da riqueza das atrações. 

Sinta os caminhos de Ouro Preto, cidade que conta a história de Minas, e siga as trilhas das belezas históricas e naturais!

Fonte: https://www.minasgerais.com.br/

Cultura

OCA lança editais para seleção de microprojetos artísticos culturais

A OCA Organização Cultural Ambiental, instituição responsável pelo Ponto de Cultura Circo da Gente, vai oferecer um total de 37 bolsas aos selecionados

Incentivar a produção artístico-cultural, estimular os estudos e contribuir na manutenção dos alunos em face das restrições impostas pela situação sanitária global é a proposta dos editais, ação prevista no Plano de trabalho da Oca contemplado com a Lei Aldir Blanc pelo Credenciamento de Pontos de Cultura/Secretaria de Estado da Cultura de Minas Gerais em 2020.

O Edital 01 é destinado aos alunos regularmente matriculados nos projetos da OCA, que poderão se inscrever através do representante legal maior de 18 anos, cada bolsa tem o valor de R$400,00 e será paga para 25 selecionados que comprovarem participação nas atividades de oficinas oferecidas pelo Ponto de Cultura Circo da Gente.

O Edital 02 é para artistas, arte-educadores e agente culturais residentes em bairros periféricos e distritos de Ouro Preto que devem apresentar uma proposta de microprojetos de pesquisa e/ou criação artístico-cultural, manutenção de processos artísticos, memória e registro de trajetória cultural ou formação em arte-educação. As 12 bolsas, de R$2.500,00 cada uma, são divididas em áreas: atividades voltadas para as culturas afro-brasileiras e indígenas (2 bolsas), circo (4 bolsas), capoeira (2 bolsas), dança (2 bolsas), maracatu (1 bolsa) e teatro (1 bolsa). Os selecionados terão oportunidade de desenvolver seus projetos sob tutoria e deverão apresentar relatório de execução da sua proposta.

As inscrições estão abertas até dia 31 de maio. Para concorrer é preciso preencher os formulários específicos de cada edital. Os dois Editais podem ser acessados na íntegra no site da OCA https://www.ocaouropreto.org.br/

Informações gerais

Edital 01/2021 – Ponto de Cultura Circo da Gente para concessão de Bolsa de Aprendizagem para alunos participantes de projetos da Oca

Período de inscrição: 24 a 31 de maio de 2021

Quem pode se inscrever: Alunos participantes dos projetos desenvolvidos pela OCA Organização Cultural Ambiental – Ponto de Cultura Circo da Gente.

Número de contemplados: 25

Valor da bolsa: R$400,00 (quatrocentos reais)

Critérios de seleção: Estar devidamente matriculado e frequente nas atividades dos projetos desenvolvidos pela OCA Organização Cultural Ambiental. Participação, interesse e compromisso nas aulas. Vulnerabilidade social agravada pela pandemia.

Formato de inscrição: Preenchimento do formulário de inscrição online ou físico.

O que é a bolsa e para quê: O recurso é destinado a estimular os estudos e contribuir na manutenção dos alunos em face das restrições impostas devido a situação sanitária global.

Edital 02/2021 do Ponto de Cultura Circo da Gente para concessão de Bolsas de Pesquisa e Criação Artística à Artistas, Arte-Educadores e Agentes Culturais

Período de inscrição: 24 a 31 de maio de 2021

Quem pode se inscrever: Artistas, arte educadores e agentes culturais – pessoas físicas, com idade igual ou superior a 18 anos que comprovadamente atuem na área artístico-cultural há no mínimo 2 (dois) anos, residentes em comunidades periféricas e distritos do município de Ouro Preto.

Número de contemplados: 12 contemplados, sendo assim distribuídos entre as áreas:

Agentes culturais com atividades voltadas para as culturas afro-brasileiras e indígenas – 2 bolsas

Artistas e arte-educadores circenses – 4 bolsas

Capoeira – 2 bolsas

Dança – 2 bolsas

Maracatu – 1 bolsa

Teatro – 1 bolsa

Valor da bolsa: R$2.500,00

Critérios de seleção: Coerência, Viabilidade, Expressividade, Histórico.

Formato de inscrição: Preenchimento do formulário de inscrição online.

O que é a bolsa e para quê: O recurso é destinado à produção de microprojetos de pesquisa e/ou criação artístico-cultural, manutenção de processos artísticos, memória e registro de trajetória cultural, formação em arte-educação. Manutenção dos artistas em face das restrições impostas pela pandemia.

Os editais 01/2020 e 02/2020 Ponto de Cultura Circo da Gente são realizados pela OCA com recurso da Lei federal 14.017/2020 (Lei Aldir Blanc) – Edital 02/2020 Credenciamento Ponto de Cultura Pessoa Jurídica – Ponto de Cultura Circo da Gente. Termo de Compromisso de Emergência SECULT/LAB-FOMENTO. Com apoio da Secretaria de Estado da Cultura Minas Gerais, Governo de Minas Gerais, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo, Governo Federal.

Fonte: https://www.ouropreto.com.br/

Cultura

Com o tema [R]Exista!, Fotógrafos em Ouro Preto inicia edição totalmente on-line

Encontro de fotógrafos acontece virtualmente de 21 a 23 de março, com exposição, debates, oficina, queimão fotográfico e chuva de poesia

O Fotógrafos em Ouro Preto, festival de fotografia que discute o panorama atual do trabalho fotográfico, está de volta, em edição totalmente transmitida pela internet. A programação reúne grandes nomes da fotografia contemporânea brasileira e também incentiva novos fotógrafos da região dos Inconfidentes, em Minas Gerais. A edição, que tem como tema [R]Exista! e identidade visual criada pelo artista gráfico Guilherme Mansur, é realizada com o apoio da Lei Aldir Blanc.

São três dias de programação, focada especialmente em debates sobre fotografia e o trabalho do fotógrafo. O grande desafio é levar o evento, sempre presencial e marcado pelos encontros e conversas, para a internet. “A alma do evento é a mesma: uma ode à fotografia e aos fotógrafos, os Papos com Foto, as projeções de fotografias e nossa sempre presente chuva de poesias. Porém, não teremos o contato pessoal, o olho no olho, a integração que sempre fez do Fotógrafos um encontro tão querido”, explica Fernanda Tropia, da equipe de produção. Tudo será transmitido pelo canal YouTube do Fotógrafos em Ouro Preto [http://bit.ly/FotografosEmOuroPreto]

Os Papos com Foto contam com convidados especiais. Victor Godoy e Lucas de Godoy, articuladores do primeiro encontro Fotógrafos em Ouro Preto, em 2012, abrem o evento. Na sequência, a conversa continua com o Coletivo Olho de Vidro, que tem mais de dez anos de atuação em Ouro Preto. Os fotógrafos Nilo Biazzetto, Nilmar Lage e Isidora Gajic também estarão presentes, assim como a Coletiva Fotográfica Mamana. “O encontro, mesmo que virtual, será bastante rico. Temos participantes que retornam, que sempre estavam presentes nas edições presenciais, e também temos novas participações, ampliando a atuação e os laços do Fotógrafos em Ouro Preto”, completa Rodolfo Meirel, também da equipe de produção. A NITRO Histórias Visuais é responsável pela oficina, que também será oferecida pelo canal Youtube.

Uma novidade desta edição é a convocatória para a exposição virtual coletiva de jovens fotógrafos atuantes em Ouro Preto e Mariana. São trinta pessoas que atuam na região por meio da fotografia, com olhares e técnicas variadas. A exposição virtual será em forma de exibição, em áreas públicas de Ouro Preto, dentro dos protocolos da atual Onda Vermelha do programa Minas Consciente: as locações escolhidas não terão público no momento da exibição e da captação das imagens. “O desafio de transformar um evento marcado pelo presencial, pelas oficinas e pelos debates face a face, é enorme. Conseguimos manter o formato e ainda abrir espaço para que novos fotógrafos pudessem expor virtualmente o trabalho. É um grande passo para nós”, pontua Maria Clara de Godoy, uma das produtoras do Fotógrafos em Ouro Preto. As projeções da exposição virtual foram gravadas no Parque Estadual do Itacolomi, parceiro do evento e local importante para o momento brasileiro atual, pois preserva a natureza da região de Ouro Preto e promove lazer seguro para ouro-pretanos e visitantes.

A edição 2021 do Fotógrafos em Ouro Preto traz de volta o Queimão Fotográfico, comandado pelo coletivo Erro99. Presente na edição de 2013, o Queimão reuniu muita gente na rua São José, uma das ruas mais movimentadas do centro histórico em Ouro Preto, em uma noite muito animada. A edição virtual promete surpresas.

Fotógrafos em Ouro Preto 2021

De 21 a 23 de maio

Transmissão: http://bit.ly/FotografosEmOuroPreto

21 de maio – sexta-feira

12h – Projeções da convocatória de novos fotógrafos

19h – Papo com Foto: Victor Godoy e Lucas de Godoy

21h – Papo com Foto: Coletivo Olho de Vidro

22 de maio – sábado

12h – Projeções da convocatória de novos fotógrafos

14h – Oficina com NITRO Histórias Visuais

16h – Papo com Foto: Nilmar Lage

19h – Papo com Foto: Coletiva Fotográfica Mamana

21h – Queimão Fotográfico – Coletivo Erro 99

23 de maio – domingo

12h – Projeções da convocatória de novos fotógrafos

14h – Oficina com NITRO Histórias Visuais

16h – Papo com Foto: Isidora Gajic

18h – Papo com Foto: Nilo Biazzeto
19h – Chuva de Poesia

Assessoria de Imprensa: Converso Comunicação

Aline Monteiro: (31) 99347-2319

Gastronomia

A Jabuticaba é a estrela da OPnº5 – Saison, da Linha OP de Cervejas Experimentais

Do quintal da Cervejaria Ouropretana vem a matéria prima para a nova OP nº5 – Saison Jabuticaba

Ao redor da fábrica da Cervejaria Ouropretana, em Cachoeira do Campo, distrito de Ouro Preto, há várias jabuticabeiras. A fruta, que é a cara do Brasil, merece até um festival no distrito, nos meses de novembro, para celebrar a temporada. E é com as jabuticabas do quintal que a Cervejaria Ouropretana produz seu mais novo lançamento: a OPnº5 – Saison Jabuticaba, pertencente à Linha OP de Cervejas Experimentais.

OPnº5 – Saison Jabuticaba é fermentada por seis meses em barris de madeira (Jequitibá Rosa e Carvalho Europeu), blendada e refermentada por mais três meses com jabuticabas colhidas na própria Cervejaria Ouropretana, em outubro de 2019. Foi envasada em maio de 2020, caracterizando uma cerveja de guarda.

No final, o perfil sensorial traz o aroma complexo da acidez da jabuticaba e brettanomyces. No paladar, sabores frutados e condimentados, que complementam um final ácido e seco.

O cervejeiro Leonardo Tropia chama a atenção para o perfil das cervejas da Linha OP, que possuem edição limitada, com destaque para a OPnº5 – Saison Jabuticaba. “A inovação dessa nova série da Linha OP vem da adição de frutas aqui da própria fábrica. O tempo de refermentação e o envase prolongados apuraram os aromas e sabores da jabuticaba na garrafa, finalizando em um produto com características ácidas, mas elegantes, pela adição do perfil da fruta, com seu dulçor e taninos”, explica.

OPnº5 – Saison Jabuticaba, envasa em garrafas de 750ml, é segunda da Linha OP de Cervejas Experimentais com adição de frutas. A OPnº4 – Saison, lançada em 2020, tem adição de maracujá e manga.

Linha OP de Cervejas Experimentais

A principal característica da Linha OP de Cervejas Experimentais é a fermentação mista. Diversos tipos de micro-organismos interagem para esta etapa do processo produtivo, fazendo com que a linha tenha sabores únicos. Além disso, a Linha OP de Cervejas Experimentais da Cervejaria Ouropretana é fermentada em barris de madeira Jequitibá Rosa e Carvalho Europeu.

Essa forma especial e experimental de produzir nasceu de uma inquietação dos cervejeiros Leonardo Tropia e João Gusmão. Eles começaram a se questionar sobre a fermentação das cervejas e sobre o uso de barris de madeira. “A ideia foi se desenvolvendo, com grande inspiração na tradição belga, mas do nosso jeito”, explica João. Com a fermentação mista e o uso dos barris de madeira, o perfil sensorial da Linha OP de Cervejas Experimentais vai variar de lote em lote. João Gusmão assegura que o perfil também vai evoluir com o tempo.

A preocupação da Cervejaria Ouropretana com a Linha OP de Cervejas Experimentais reflete a busca por experiências que não são cotidianas, mesmo para os mais dedicados amantes das cervejas artesanais. Leonardo Tropia conta que o objetivo é seguir com as experimentações, ampliando os sabores da Linha OP de Cervejas Experimentais. João Gusmão ressalta que as receitas já estão sendo executadas, para mais lançamentos em breve.

Linha OP de Cervejas Experimentais conta, ainda, com três cervejas: OPnº1 – Sour SaisonOPnº2 – Brett SaisonOPnº3 – Brett SaisonOPnº4 –Saison Maracujá e Manga. Todas são produções limitadas.

Os cervejeiros

João Gusmão começou a fazer cerveja em casa em 2012. Foi a partir dessa experiência que se aproximou de um grupo de amigos que se encontrava para beber, produzir e conversar sobre cerveja. Leonardo Tropia faz parte desse grupo, criando cervejas desde 2011. João começou a trabalhar com cervejarias em 2017, na Viela, em Belo Horizonte. Também teve experiências em outros locais e realizou trabalhos em consultorias para outras cervejarias em BH. Atualmente, está de volta à Cervejaria Viela. Leonardo Tropia continua sendo o cervejeiro responsável pelas receitas de sucesso da Ouropretana. Em 2018, os dois iniciaram as conversas que deram origem à Linha OP de Cervejas Experimentais da Cervejaria Ouropretana, atualmente com cinco cerveja produzidas, em edição limitada.

Cervejaria Ouropretana

Cervejaria Ouropretana nasceu em 2011, na cidade de Ouro Preto/MG, com o objetivo de propiciar experiências gastronômicas que possibilitem ao consumidor vivenciar o momento de ascensão da cerveja no Brasil. Os produtos artesanais da Cervejaria Ouropretana são resultado de um comprometimento com a qualidade da cerveja, independente de tempo e de custos com matéria-prima.

Cervejaria Ouropretana produz dez estilos de cervejas em sua linha fixa, em garrafa e em chopp: Pilsen, Pale Ale, Trigo, Amburana Brown Porter, Ginger IPA, Café Lager, IPA Maracujá, Cafetelier Imperial Stout, Amber Lager e Witbier. A Linha OP de Cervejas Especiais tem três estilos lançados, em edição limitada: OPnº1 – Sour Saison; OPnº2 – Brett Saison; OPnº3 – Brett Saison a OPnº4 – Saison Maracujá e Manga, e, agora, a OPnº5 – Saison Jabuticaba. As receitas sazonais são produzidas sem adição de produtos químicos e têm edição limitada.

Serviço:

Lançamento da OPnº5 da Linha OP de Cervejas Experimentais da Cervejaria Ouropretana

Disponível, a partir de 18 de maio de 2020, na Loja On-line (loja.ouropretana.com.br), na Loja da Fábrica da Cervejaria Ouropretana (rua Benedito Valadares, 250 – Centro • Ouro Preto/MG), na loja de Cachoeira do Campo (rua Nova, 10 – distrito de Cachoeira do Campo) e em revendedores autorizados.

Assessoria de Imprensa: Converso Comunicação

Aline Monteiro: (31)9.9347-2319

Saúde

Pré-fórum microrregional do 5º Fórum de Direitos Humanos e Saúde Mental Ouro Preto 2021

O evento tem o objetivo de preparar e convidar a população para a luta contra todas as formas de manicômios, pelo direito à saúde e à vida digna. A programação conta com atividades que envolvem arte, cultura e conhecimentos sobre os direitos humanos e a saúde mental, por meio de debates e oficinas.  

O encontro também propõe o acolhimento das pessoas que têm sofrido com os efeitos da pandemia e busca integrar e expandir a Rede de Atenção Psicossocial das três cidades da microrregião dos Inconfidentes. A programação é gratuita e conta com recursos de acessibilidade.

A transmissão acontece pelo Facebook e pelo canal do Youtube da Associação Brasileira de Saúde Mental (Abrasme). O 5º Fórum de Direitos Humanos acontece de 3 a 7 de setembro em Ouro Preto.

As inscrições e submissões de trabalhos e obras audiovisuais estão abertas com valor promocional no site

ABRASME E FÓRUM DE DIREITOS HUMANOS – Fundada em 2007, a Abrasme é uma organização não governamental que promove a integração entre profissionais de diferentes áreas, usuários e usuárias de serviços de saúde mental, familiares, pessoas comprometidas com a defesa intransigente da reforma psiquiátrica e da luta antimanicomial, do SUS, da democracia, da ética e dos direitos humanos. Com esse objetivo, a Abrasme promove o Fórum de Direitos Humanos como espaço para discussão, encontros e articulação de movimentos sociais. Saiba mais

Confira a programação: 


Data: 11/05/2021 – 19:00 até 18/05/2021 – 21:00

Cultura

II Concurso de Fotografia – A Arte de Viver Minas Gerais Edição: Cozinhas

Fundação Ayres Lage & Escola Saramenha Artes e Ofícios lançam o II Concurso de Fotografia – A Arte de Viver Minas Gerais Edição: Cozinhas

Cozinha, espaço nobre da casa mineira, lugar do fogo, onde em convívio visitantes e moradores participam do ritual sagrado de preparação da comida. Calor que transforma a casa em lar, e onde as conversas, durante o dia, ou noite adentro, alimentam Corpo e Alma!

I – Premiação – Cozinhas Mineiras 1° Lugar – R$ 1.500,00

2° Lugar – R$ 1.000,00

3° Lugar – R$ 750,00

4° Lugar – R$ 600,00

5° Lugar – R$ 500,00

Ia – Prêmio Especial Cozinha Brasileira – R$ 500,00

II – Juri Eduardo Trópia Paulo Rogério Ayres Lage Sérgio Raphaël

III – Lançamento, Prazos, Resultado

a) Lançamento: 08 de maio de 2021;

b) Prazo de envio das fotos: de 15 de maio a 15 de julho de 2021;

c) Resultado e Premiação: 31 de julho de 2021.

IV- Condições para Inscrição São condições obrigatórias para a inscrição:

a) O limite de até 03 (três) fotos por candidato;

b) Envio da(s) foto(s), EM UMA ÚNICA MENSAGEM, apenas como anexo ao e-mail da inscrição. Não serão consideradas fotos remetidas por meio de links e ou outro mecanismo extra corpo do referido email;

c) As fotos inscritas deverão, obrigatoriamente, que estar em arquivos JPGE e ou PNG, somente;

d) Não serão aceitas imagens com marcas d’água ou qualquer outra identificação do autor no corpo da foto;

e) Todos os arquivos enviados deverão possuir um título e a identificação do autor, inseridos no nome de cada arquivo, conforme exemplo: Título: “Cozinha da Fazenda Limeira” Local da Foto: Santa Rita de Ouro Preto, MG Categoria: Cozinhas Mineiras Autor: José da Silva Data de realização da foto: 24/10/2018.

f) Serão desconsideradas imagens que não retratem fielmente o tema proposto para este II Concurso de Fotografia – A Arte de Viver Minas Gerais;

g) Serão desconsideradas as fotos que não estiverem em acordo com o previsto nas alíneas a, b, c, d, e deste Edital; h) As decisões do Juri são soberanas não cabendo, portanto, recurso de qualquer natureza.

V – Categorias

a) Cozinhas Mineiras – concorrem a cinco prémios, e devem retratar, obrigatoriamente, o ambiente de uma cozinha mineira;

b) Cozinha Brasileira – Premiação especial destinada à destacar imagem de cozinha de outro estado do Brasil, que não Minas Gerais;

c) Quando da inscrição o candidato deverá identificar, conforme alínea “e”, Item IV deste Edital em qual das categorias estará inscrita cada uma das fotos.

VI – Endereço para envio e inscrição

a) ceramicasaramenha@gmail.com

b) No texto do e-mail deverão, obrigatoriamente, constar as seguintes informações: – Nome completo do Candidato; – CPF do Candidato;

c) O não cumprimento do disposto na alínea “b” do item V deste edital implica necessariamente na desclassificação automática do candidato;

 VII – Liberação de postagem

a) A inscrição no concurso implica necessariamente na autorização prévia dos autores para publicação, divulgação e promoção de e com as fotos inscritas em todas as redes sociais da Saramenha Artes e Ofícios e do Portal Ouro Preto;

b) Em nenhum momento os concorrentes abrem mão de seus direitos autorais, e, em caso de venda, pelo candidato, de sua foto após o concurso, podem nos solicitar a retirada da mesma de nossas redes sociais. I

VIII – Realização

Palco Marketing Cultural X – Promoção Fundação Ayres Lage – Escola Saramenha Artes e Ofícios – Portal Ouro Preto (www.ouropreto.com.br)

IX – Patrocínio

Saramenha Artes e Ofícios, Cachaça Lorena e Mate Couro

Fonte: https://www.ouropreto.com.br/

Turismo & Lazer

OS APAIXONANTES CENÁRIOS DO TURISMO MINEIRO

Dia 08 de maio é comemorado o “Dia Nacional do Turismo”, importante setor da economia brasileira, responsável por gerar milhares de empregos em todo o país. Mesmo com impactos da pandemia de Covid-19, não podemos deixar de enaltecer a beleza das “Minas Gerais”, que como diz a música “Quem te conhece não esquece jamais”!

Seus atrativos naturais, culturais e históricos impressionam, e deixam qualquer turista apaixonado. São destinos para passeios românticos, se aventurar, se conectar a cultura e natureza. Seus Congados, suas Folias de Reis, são riqueza e patrimônio do estado, seu queijo, sua arte na cerâmica, têxtil, madeira, seu jeito fazem história lá fora.

No turismo de aventura, temos o Pico da Bandeira 3º mais alto do país com seus 2.892 m de altitude, no ecoturismo Carrancas a “Cidades das Cachoeiras”, com atrativos rendem belos cliques. O turismo religioso no Santuário Nossa Senhora da Piedade, onde se inicia o Caminho Religioso da Estrada Real – CRER. Nossa história, contada pelos museus, igrejas, e ruas de Ouro Preto, São João del Rei, Tiradentes e Mariana.

Temos um extenso Circuito de Grutas, o maior Museu ao ar livre da América Latina de “Inhotim”, nosso “Mar de Minas” na região de Capitólio com as águas verde esmeralda e Monte Verde a “Suíça Brasileira” perfeita para lua de mel. A capital mineira além de “Capital mundial dos Botecos” é onde se encontra o grande Circuito Liberdade que é composto por museus, centros de cultura e outros.

Tanta diversidade no turismo e somos únicos ao mesmo tempo. Hoje é dia de Celebrar o turismo mineiro e seus encantos, apoiá-lo, pois o setor será um grande aliado na retomada econômica do país. Somos uma infinidade de experiências e hospitalidade, Minas te espera em breve!

Carrancas, Cidade das Cachoeiras.
Fonte: https://www.passeios.org/cidades/carrancas/

Cultura

Mostra Transversalidades na dança: corpo, política e educação ​

Estúdio ID Investiga Dança completa 35 anos de história e atuação na área da dança, com uma trajetória intensa de representatividade no cenário nacional

Em 2021 O Estúdio ID Investiga Dança, espaço de formação, criação e produção em dança, sediado na cidade de Ouro Preto/MG, completa 35 anos de história e atuação na área da dança, com uma trajetória intensa de representatividade no cenário nacional, a partir de uma perspectiva da valorização da diversidade e singularidades, buscando em sua matriz pedagógica e metodológica a hibridização de linguagens para se pensar a formação do corpo que dança.

Para iniciarmos esse ano de comemoração:

​Mostra Transversalidades na dança: corpo, política e educação

​A 1ª Mostra Transversalidades na dança: corpo, política e educação de Ouro Preto/MG tem como focos principais a valorização da dança enquanto área de conhecimento, a formação continuada em dança, o fomento e democratização da arte para o público em geral, bem como para o corpo docente e discente das escolas municipais e estaduais do município, com vistas a proporcionar e subsidiar a capacitação e aprimoramento dos potenciais artísticos locais, bem como contribuir para a preservação e a ampliação da pluralidade e diversidade culturais, educacionais e sociais em dança.

​Projeto contemplado pela Secretaria de Cultura e Turismo do Estado de Minas Gerais e do Governo Federal

Certificado de participação para mesas e oficinas

Mesa de abertura

“Dança e a educação nos limites da tela”, Isabel Marques/SP 

Dia 07/05/2021 às 20H 

Mesa 2 

“Formação em dança numa perspectiva antirracista”, Aline SerzeVilaça/Rio Claro/SP, Ivana Delfino Motta/Brasília, Maria Emília Gomes/SP

Dia 09/05/2021 às 20h 

Mesa 3  

“Dança, anatomia e singularidades”, Carol Lima/RJ

Dia 12/05/2021 às 20h

Mesa 4

“A escuta do corpo: Técnica Klauss Vianna” Jussara Muller/ Campinas/SP

Dia 15/05/2021 às 20h

Mesa 5

“Formação em dança: desafios, conflitos e contradições” Ana Regina Pinheiro/OP, Bárbara Mól/OP, Carla Gontijo/OP, Eduardo Batista/Mariana, Irielle Louise/OP, Irene Melillo/Itabirito, Ingrid Ribeiro/Mariana, Jussara Braga/Mariana, Laura Gomes/Mariana, Nina Albergaria/Mariana

Dia 16/05/2021

Mesa 6

“Poéticas do Movimento e do Brincar – a presença porosa das interações”

Katiane Negrão/ Brasília

Dia 18/05/2021 às 20h 

Oficinas formativas

Oficina 1

Dança, Corpo e Movimento para o desenvolvimento infantil 

Público alvo: artistas, terapeutas, arte-educadores, professores da rede municipal e estadual da educação infantil (UMEIS), mães, pais e outros profissionais interessados no desenvolvimento infantil.

Ministrante: Rossana Alves/ Brasília

Dias: 8 e 9/ 05/2021 (9h às 12h30min)

Oficina 2

Improvisação, uma linguagem que dança

Publico alvo: bailarinos, artistas da cena, estudantes da área da cena viva, diletantes com interesse neste modo de mover.

Ministrante: Dudude Hermmam/ BH

Dias: 10, 11 e 12/05/2021 (10h às 12h)

Oficina 3

Dançovivências negrojazzístas: metodologias teórico-práticas do JazzcomJazz

Público Alvo: artistas, bailarinos, pessoas interessadas em aprofundar na matriz originária da dança jazz (a partir dos 13 anos).

Ministrante: Aline SerziVilaça/ Rio Claro/SP.

Dias: 8, 9 e 10/05/2021 (15h às 17h)

Oficina 4

Coração Valente Solos em (de)composição

Público Alvo: artistas profissionais e estudantes da área cênica, teatro ou dança, maiores de 18 anos.

Ministrante: Katiane Negrão/ Brasília

Dias: 11, 12 e 13/05/2021 (15h às 18h)

Oficina 5

O que pode a dança em tempos pandêmicos?

Público alvo: estudantes, bailarinos, interessados em geral, a partir dos 14 anos.

Ministrante: Maria Emília Gomes/ SP

Dias: 17, 18 e 19/05/2021 (9h às 12h)

Oficina 6

O Estudo da Anatomia para melhor compreensão das individualidades no ensino da dança.

Público alvo: bailarinos, professores, diretores de escolas, artistas, pessoas interessadas no trabalho da anatomia para dança.

Ministrante: Carol Lima/ RJ

Dias: 15 e 16/05/2021 (9h às 12h)

Oficina 7

Dança Sankofa: trajetórias afro-orientadas para experiências em dança

Público alvo: bailarinos, educadores, artistas, atores, pessoas interessadas no trabalho corporal com essa vertente

Ministrante: Ivana Delfino Motta/ Brasília

Dias: 15 e 16/05/2021 (14h às 17h)

Oficina 8

 Oficina para professores de dança para crianças

Público alvo: professores da Educação Infantil e Fundamental, professores do ensino não formal, profissionais, pesquisadores e estudantes das artes do corpo que queiram se instrumentalizar para a docência para crianças.


Ministrante: Jussara Miller/ Campinas/ SP

Dias: 17, 18 e 19/05/2021 (14h às 17h)

Apresentações

Pelo nosso canal do Youtube: https://www.youtube.com/channel/UC4NNGNnO4ho6voM29susUHA

T.F. Style Cia de Dança/SP

Espetáculo ELO

Dia: 8/05/2021 às 20h

Mostra Solos

Lorena Fernandes/ OP

Solo: Tati-cor

Dia: 9/05/2021 às 19h:30min

Mostra Solos

Nacha Samadi/ OP

Solo: Entre o estar e o Ser

Dia: 10/05/2021 às 19h:30min

Mostra Solos

Tayane Lacerda/ OP

Solo: Emmim

Dia: 11/05/2021 às 19h:30min

Mostra Solos

Jussara Braga/ Mariana

Solo: Permane-ser

Dia: 12/05/2021 às 19h:30min

Mostra Solos

Ricardo Gontijo/ OP

Solo: Suor do som

Dia: 13/05/2021 às 19h:30min

Mostra Solos

Maria Emília Gomes/SP

Solo: Dança p/Oscar

Dia: 14/05/2021 às 19h:30min

Mostra Solos

Iara Araújo Ferreira/ OP

Solo: Mover-se é ser

Dia: 15/05/2021 às 19h:30min

Mostra Solos

Elina Penna/ OP

Solo: Incíclica

Dia: 16/05/2021 às 19h:30min

Mostra Solos

Carla Gontijo/ OP

Solo: Antes do chão

Dia: 17/05/2021 às 19h:30min

Mostra Solos

Katiane Negão/ Brasília

Solo: Coração Valente em (de)composição

Dia: 18/05/2021 às 19h:30min

Cia DI Ninguém Núcleo de Investigação em Dança/ OP

Por sob a pele (seis mergulhos sensíveis)

Dia: 19/05/2021 às 20h

INSCREVA-SE AQUI

Fonte: https://www.ouropreto.com.br/

Cultura

As amêndoas da Semana Santa de Ouro Preto

As amêndoas dão um sabor especial aos participantes da Semana Santa. As balinhas de origem árabe, começaram a ser distribuídas na cidade de Ouro Preto em 1733, no Triunfo Eucarístico, evento que marcou o traslado do Santíssimo Sacramento da Igreja de N. S. do Rosário para a Igreja de N. S. do Pilar. Atualmente, a distribuição das amêndoas ocorre no fim da Procissão da Ressurreição no Domingo de Páscoa.

Pode ser uma imagem de comida

A família Corrêa possui um singular modo de fazer, hoje, Vera Lúcia Corrêa e as filhas Angélica e Juliana, trabalham na fabricação das amêndoas, uma tradição que está sendo passada de mãe para filha. Há todo cuidado no modo de fazer, tratamento e manuseio dos processos de fabricação das amêndoas, desde a escolha do carvão até a embalagem, em forma de cone.

Para a confecção das balinhas, é preciso um fogareiro para esquentar o tacho de cobre, e assim a calda, feita separadamente, é colocada junto aos ingredientes: como chocolate-em-pó, erva-doce, cravo e misturadas no tacho. Desse modo, são formados torrões, em forma de florzinhas, ao redor dos grãos de amendoim, cubos de coco, com os sabores e aromas das especiarias: anis, cravo e canela. Para fazer a calda é preciso muito capricho, como por exemplo a calda de coco, que deve ser fervida por cinco vezes até que se retire toda a gordura. Os sabores são definidos por cada tacho. Conforme a calda, são salpicadas as especiarias. As doceiras colocam dedeiras para proteger os dedos do calor do forno. O movimento com as mãos das doceiras no tacho é que faz o rendilhado nas amêndoas. É o vai e vem das mãos que transformam as florzinhas nas balas.

Nenhuma descrição de foto disponível.

E esse carinho é feito por Dona Vera e sua filha Angélica até secar as amêndoas. Os torrões se formam em variados tamanhos, assim, para preencher a embalagem, feita também de maneira cuidadosa, por Juliana, filha de Vera, são colocadas as menores primeiro, depois vão aumentando os tamanhos das balinhas até o topo do cartucho. São produzidos em média, 100 quilos de amêndoas para a Semana Santa. A produção é iniciada três dias após o Carnaval e durante a quaresma, essa é a rotina da família Corrêa.

Fonte: https://turismo.ouropreto.mg.gov.br/ Foto: @patriciasozga
Tradição Ouropretana – Vera Corrêa e filhas – (31)9.8838-9163