Tag Archives: música

Cultura

Pós em Música promove I Colóquio de Saúde & Música

O Programa de Pós-Graduação em Música da UFSJ promove, desta quarta, 23, até sábado, 26, o I Colóquio de Saúde & Música.

As inscrições podem ser feitas neste formulário. Serão fornecidos certificados com carga horária total de 10 horas aos que acompanharem todas as palestras e mesa-redonda, assinando as listas de presença. Certificados de duas horas serão emitidos para palestras individuais.

Confira a programação:
23/6, quarta-feira, 19h: A estimulação musical como ferramenta protetiva para a reserva cognitiva em idosos octogenários, com Elisangela Vivas
Link: https://www.youtube.com/watch?v=BoS3eISyXY8

24/6, quinta-feira, 19h: O corpo e a performance musical – mesa-redonda com os professores Carina Joly e Marcelo Parizzi
Link: https://www.youtube.com/watch?v=_4CJuZLONxw

25/6, sexta-feira, 19h: Distonia focal em musicistas, com o professor Alexandre Magno, da Universidade Federal da Paraíba
Link: https://www.youtube.com/watch?v=_YoBTzrjB1g

26/6, sábado, 16h: Ansiedade de performance musical, com o professor Sérgio Rocha
Link: https://www.youtube.com/watch?v=CjKcs3IJ36Q

Mais informações pelo e-mail saudeemusica.ppgmusi.ufsj@gmail.com.


Fonte: ASCOM / https://ufsj.edu.br/

Cultura

ORQUESTRA OURO PRETO ABRE TEMPORADA COM CONCERTO INÉDITO EM HOMENAGEM AO A-HA

Misturando sintetizadores com música clássica, a orquestra promete levar o público de volta aos anos 80

O que os sintetizadores que marcaram a produção musical dos anos 80 têm a ver com violinos, violas ou violoncelos? Se depender da Orquestra Ouro Preto (OOP), tudo. Para a Temporada de 2021, a orquestra inova uma vez mais e faz uma mistura inédita entre música clássica e os riffs oitentistas. O primeiro concerto da temporada será em homenagem ao A-Ha, uma das bandas mais famosas da época. Com o lançamento do single de estreia “Take On Me” em 1985, o grupo norueguês foi um sucesso nas rádios de todo o mundo. O êxito foi ainda maior devido ao videoclipe inovador que misturava desenhos com imagens reais. O vídeo da canção já teve mais de 1,2 bilhão de views no YouTube.

Fãs do mundo todo irão celebrar os sucessos da banda, em releituras que unem o pop à música de concerto em uma noite especial, preparada para ser curtida em casa. Será dia 1º de maio, sábado, às 20h30, com transmissão ao vivo e gratuita no canal da Orquestra do YouTube.

O encontro da música erudita com os sintetizadores que revolucionaram a cultura musical da década de 80 foi idealizado pelo Maestro Rodrigo Toffolo e tem arranjos de Fred Natalino. O tecladista Paulim Sartori explica que foi um desafio montar o concerto porque não é comum uma orquestra de cordas ser acompanhada pelo som de sintetizadores. “Nossa proposta é resgatar os sons que compõem o universo sonoro do A-Ha, característico desse repertório dos anos 80, tocando os sintetizadores ao vivo para transportar a memória das pessoas através da música”, disse.

Antecipando a um possível estranhamento pela escolha da banda, o maestro pondera: “Por que não tocar A-Ha? Essa banda marcou a história de uma geração que curtiu a vida a todo o vapor, sem telefone celular, sem redes sociais, mas com muita música, cores, personalidade e estilo. Queremos tocar a memória afetiva das pessoas, num clamor pelos bons momentos que ficaram para trás. Além disso, é importante homenagear não só o sucesso avassalador feito pelo trio como também fazer justiça a algo que é muito pouco falado: a extrema qualidade musical do grupo”, destaca Toffolo.

Com 39 anos de estrada,  o A-Ha ainda arrasta multidões de fãs por onde passa e segue com a formação original: o vocalista Morten Harket, o guitarrista Paul Waaktaar-Savoy e o tecladista Magne Furuholmen. O trio tem 30 CDs e DVDs lançados e hits que marcaram a trilha sonora da vida de muita gente.

Medidas de segurança

O concerto, patrocinado pelo Instituto Cultural Vale, através da Lei Federal de Incentivo à Cultura do Governo Federal, acontece no Grande Teatro do Sesc Palladium, em Belo Horizonte-MG. Em função das restrições da pandemia, não haverá presença de público. Todos os protocolos de saúde e segurança serão seguidos e toda a equipe de músicos e produção será testada com o exame RT-PCR, padrão ouro.

A parceria que une música e solidariedade iniciada no ano passado com o Mesa Brasil Sesc continua em 2021. Durante o concerto, o público de casa poderá contribuir com programa nacional de segurança alimentar e nutricional que distribui alimentos para famílias carentes, dedicado ao combate à fome e ao desperdício através de um QR Code disponível na tela.

Experience

Na agenda de 2021, além da homenagem ao A-Ha, a Orquestra Ouro Preto apresentará espetáculos que vão desde uma parceria inédita com João Bosco, uma homenagem ao músico mineiro Vander Lee, passando pelo jazz de Duke Ellington até o rock grunge do Nirvana.  “Queremos levar experiências memoráveis ao público. Há alguns anos estamos modernizando o conceito de orquestra. Orquestra pode sim ser uma coisa jovem, uma coisa massa, legal de assistir. Não precisa ser chata”, explica o maestro, um entusiasta da democratização do acesso à música.

O ano será marcado também pelo lançamento do disco “Valencianas II”, gravado em Portugal. O encontro da Orquestra, com o multiartista pernambucano Alceu Valença e o diretor de cena Paulo Rogério Lage vai oferecer ao público novas músicas, novos arranjos e a mesma beleza que marcou a primeira edição do projeto.

A série “Domingos Clássicos” no Sesc Palladium está de volta, com um concerto mensal no Grande Teatro, em Belo Horizonte, a preços populares. No primeiro semestre, os concertos ainda terão um formato híbrido, com presença limitada de público e transmissão pelo canal do YouTube.

Orquestra Ouro Preto

Uma das mais prestigiadas formações orquestrais do país, a Orquestra Ouro Preto completa 21 anos de atividades ininterruptas e se reafirma como uma orquestra de vanguarda. Sob a regência e direção artística do Maestro Rodrigo Toffolo, o grupo se dedica à formação de diferentes públicos, com uma extensa programação nas principais salas de concerto e espaços diversos no Brasil e no mundo. Sob os signos da excelência e versatilidade atua também em projetos sociais e educacionais que vão muito além da música, como o Núcleo de Apoio a Bandas e a Academia Orquestra Ouro Preto. Premiado nacionalmente, o grupo tem 11 trabalhos registrados em CD, 7 DVDs. Foi vencedora do Prêmio da Música Brasileira em 2015, na categoria “Melhor Álbum de MPB”, e indicada ao Grammy Latino 2007, como “Melhor Disco Instrumental”, por Latinidade. Os discos “Latinidade – Música para as Américas”, “Antônio Vivaldi – Concerto para Cordas” e “The Little Prince”, versão em inglês do tributo prestado pela Orquestra à literatura de Saint-Exuperry, tem distribuição mundial pela gravadora Naxos, a mais importante do mundo dedicada à música de concerto.

SERVIÇO

Orquestra Ouro Preto – A-Ha

Data: 1º de maio, sábado, às 20h30

Local: Grande Teatro do Sesc Palladium (Belo Horizonte/MG).

Transmissão: Canal da Orquestra Ouro Preto no Youtube

Classificação: Livre para todas as idades.

Informaçõeswww.orquestraouropreto.com.br

Fonte: https://www.ouropreto.com.br/

Cultura

ORQUESTRA OURO PRETO APRESENTA GRANDES CLÁSSICOS DO CINEMA EM LIVE INÉDITA

Apresentação marca a retomada do público ao Sesc Palladium com transmissão ao vivo pelo YouTube, no dia 8 de novembro, às 11h.

Um concerto dedicado à música dos grandes clássicos que marcaram a história do cinema nacional e internacional. Assim será a próxima apresentação da Orquestra Ouro Preto, dia 8 de novembro, às 11h, no Sesc Palladium, em Belo Horizonte. O concerto terá a transmissão inédita deste espetáculo gratuitamente pelo YouTube. Além disso, uma grande novidade, o teatro será reaberto parcialmente ao público, com todos os cuidados e distanciamentos necessários, acompanhando a retomada do setor teatral de Belo Horizonte. No repertório, estão as músicas que compõem o álbum “Música para Cinema”, lançado em 2017, e uma homenagem especial a um dos mais importantes compositores do gênero: Ennio Morricone.

Sob a regência do Maestro Rodrigo Toffolo, o público irá relembrar músicas que marcaram época em longas como o tema de “O Carteiro e O Poeta” (1994); “Manhã de Carnaval”, de Luiz Bonfá que foi trilha do premiado filme “Orfeu Negro” (1959); e ainda obras que celebram o período clássico do cinema hollywoodiano. Garimpado da filmografia de Charles Chaplin, um pot-pourri de “Smile” e “Eternarlly”, trilhas de “Tempos Modernos” (1936) e “Luzes da Ribalta” (1952), respectivamente. As obras ganharam arranjos inéditos, pelas mãos de Mateus Freire, que também assina os temas de “A Noviça Rebelde” (1965) e “Casablanca” (1942). Como não só de drama e romance vive o cinema, o projeto também revive a cena hilária de “Who’s Mind The Store?” (1963), em “The Typewriter”, protagonizado por Jerry Lewis, que “toca” uma máquina de escrever imaginária.

A homenagem a Ennio Morricone passa por um de seus clássicos como a trilha de “Cinema Paradiso” (1988) e outras obras de destaque. O maestro e compositor italiano faleceu em julho deste ano, aos 91 anos, e deixou um importante legado de trilhas sonoras que se destacaram na história. Entre as mais de 500 trilhas sonoras para cinema e televisão em seu currículo, há composições para filmes como “Três Homens em Conflito”, “A Missão”, “Era uma Vez na América” e “Os intocáveis”, entre outros. Ele também escreveu para filmes, programas de televisão, canções populares e orquestras.

O Maestro Rodrigo Toffolo comemora o retorno do público ao teatro em um concerto marcante na trajetória de 20 anos da Orquestra. “Estamos extasiados com o retorno da plateia presencial e vamos celebrar juntos, presencial e virtualmente, a beleza das trilhas de cinema em uma linda homenagem a Ennio Morricone, que nos deixou um importante legado de obras primorosas”, destacou.
 

SÉRIE DOMINGOS CLÁSSICOS

Com a liberação de uso de teatros e casas de shows, o Sesc Palladium reabre suas portas para que o público possa conferir de perto os concertos. Para isso, o Grande Teatro terá sua capacidade limitada e os assentos serão demarcados para a comodidade e segurança de quem for acompanhar o concerto presencialmente, além de uma série de outras medidas de higiene.

A ‘Série Domingos Clássicos’ tem como objetivo democratizar o acesso à música e é uma realização do Sesc em Minas, em parceria com a Orquestra Ouro Preto. Os concertos seguem todas as normas de saúde e segurança para levar ao público uma programação pautada na excelência e versatilidade, proporcionando novas oportunidade de interação com concertos presenciais e transmitidos pelo YouTube. Os ingressos estão à venda na bilheteria do Teatro e pelo site e aplicativo Sympla.

E quem tiver assistindo ao concerto de casa também pode ajudar as famílias mais necessitadas. Será disponibilizado durante a transmissão, o QR Code para doação para o projeto Mesa Brasil Sesc . Para participar é necessário abrir a câmera do celular ou tablet em direção ao código que aparecer no visor da televisão ou computador. Em sequência, o internauta será encaminhado para o portal do Mesa Brasil, no qual poderá realizar, de forma rápida e segura, a doação de qualquer valor em solidariedade às famílias assistidas pelo projeto e que passam fome.
 

SERVIÇO

Música para Cinema

Dia: 8 de novembro de 2020, domingo, às 11h.

Local: Grande Teatro do Sesc Palladium, Belo Horizonte-MG.

Ingressos: À venda na bilheteria do teatro e pelo Sympla

Transmissão: Canal da Orquestra Ouro Preto no Youtube e do Sesc Minas.

Classificação: Livre para todas as idades.

Informações: http://www.orquestraouropreto.com.br

Fonte: https://www.ouropreto.com.br/

Cultura

Festival online em São João del-Rei e região. Entenda como será!

São João del-Rei e região terá festival online do dia 20 ao dia 25 de julho com apresentações musicais, teatrais e oficinas. O edital foi publicado nas redes sociais do evento no dia 01/07 com inscrições abertas até o dia 08/07. Todo o valor arrecadado será dividido entre os artistas participantes.

O setor cultural e do entretenimento foi um dos mais atingidos pelo impacto da pandemia do novo coronavírus, sendo os primeiros a pararem e os últimos que poderão voltar à ativa. Pensando nisso, a turma de Organizadores de Eventos SENAC 2020 está organizando o Festival Online Dentrefora.

O intuito do festival é formar uma rede de apoio e incentivos entre moradores da região do campo das vertentes, artistas e outros profissionais do setor e estabelecimentos comerciais que foram impactados pelo isolamento social e que foram impedidos de trabalhar.

O Dentrefora fará transmissões de oficinas e cursos do dia 20 ao dia 24 de julho e, no dia 25, teremos 08 horas de apresentações artísticas voltadas para o público infantil e adulto. Além disso, contará com vendas de comidas e bebidas com entrega delivery para proporcionar uma melhor experiência do público com o evento. Para o encerramento, a Miscelânea fará uma edição comemorativa de seus 08 anos também online, com retirada de ingressos gratuitos e mediante contribuições.

As doações poderão ser feitas na página do evento nos valores de R$5, R$10 e R$15. Todo o valor arrecadado líquido será dividido entre os artistas participantes do evento. Para mais informações, acesse: https://bit.ly/festivaldentrefora

SERVIÇO
Evento: Festival Online Dentrefora
Local: Zoom.us
Data: 20 a 25 de julho de 2020
Ingressos e doações: https://bit.ly/festivaldentrefora


CONTATO:
Helthon Andrade 31 9 9218 0996 / contatohelthon@gmail.com
Carol Moreira 32 9 8464 7739 / bcarolmoreira@gmail.com
Márcia Celeste 32 9 9962 5446 / marcia.cmoliv@gmail.com
Liliana Santana 32 9 8502 8826 / lilianasantana298@gmail.com

Fonte: https://barrosoemdia.com.br/

Cultura

CLARA CASTRO ESTREIA COM ‘CAOSTROFOBIA’

“Artista mineira, de apenas 23 anos, lança álbum autoral com distribuição da Som Livre”

Trabalho de estreia da cantora e compositora mineira Clara Castro, de 23 anos, o álbum CAOSTROFOBIA está disponível em todos os aplicativos de música pelo selo NOMAD, com distribuição da Som Livre. Produzido por Rodrigo Campello, o disco tem 11 faixas, oito delas compostas pela artista. Já estão disponíveis, também, os clipes das músicas “Inverno Astral”, “Sobe o Sol” (gravado em Nova Iorque) e da própria “Caostrofobia”.

O álbum abre em clima de rock com a faixa-título, parceria de Nathan Itaborahy e Renato da Lapa. “Caostrofobia” fala sobre o processo criativo e a vida em expansão no espaço de um apartamento: “Sorriu à Guadalupe no altar / Vagou com vagalumes por aí / Ligou o toca disco às vinte e três / E fez um rebuliço de manhã”, diz um trecho da letra, lúdica e imaginativa. “É a cidade invadindo o apartamento e o apartamento invadindo a cidade. Um convite para o ouvinte se imaginar ali, naquela confusão que é a cabeça de quem vive sempre recriando o mundo dentro de si, solucionando as prisões inevitáveis que a vida urbana traz”, explica Clara Castro.

Única releitura do trabalho, “Um Trem Para as Estrelas” (Gilberto Gil / Cazuza) ganhou arranjo contemporâneo, que busca evidenciar a densidade da letra. “É uma poesia extremamente atual e pertinente para tudo que estamos vivendo”, justifica Clara. Na sequência, o desabrochar do primeiro single liberado, “Inverno Astral” (Nathan Itaborahy / Douglas Poerner): “Que pedra que engoli / Que caco que chutei / Que quarta-feira que me fez sair daqui / Que grito segurei / Que prato que cuspi / Que desacato ou desespero cometi”.

Pretinho da Serrinha foi escalado para comandar a percussão e o cavaquinho em “Modulação”, parceria de Clara com Nathan Itaborahy e Renato da Lapa. Com foco na força feminina, o samba mostra uma mulher que usa seu canto para se colocar no mundo, e já começa mandando o recado: “Menino, olha aqui, eu te avisei / Meu tipo não encaixa, não convém / Quando bebo e não gosto, eu falo / Se preciso piso calo / Não me calo por ninguém”. A música emenda com a composição própria “Volte”, na qual Clara versa sobre dores de amor: “Tantos dias e noites sem sono / Lembrando de frases pra te esquecer / Dez poemas e doses de whisky / Pra esse coração que só pensa em sofrer”.

Gravada em Nova Iorque, a dançante “Sobe o Sol” tem arranjo moderno de Alex Vaz e fala do amor sem tempo e sem cobrança. Clara conta que a canção nasceu rápido, “como quando a gente decide se declarar no susto. Quando cinco minutos longe de quem amamos nos fazem perceber que o amor está crescendo”. Escancarada na pureza e no sentimento, “Nossa Oração” foi composta no ukelele no começo de uma história de amor.

“Nada é tão certo que não possa simplesmente dissipar enquanto eu canto essa canção”, diz a letra de “Nada é Tão Certo”, que fala sobre o que poderia ter sido e não foi. “Essa transitoriedade presente em tudo é, paradoxalmente, a dor e o consolo da vida. Essa música é sobre o nosso eterno vir-a-ser, sobre o que dissipará, ainda que haja dor, para dar lugar a outro sentido, outra direção”, explica Clara.

Cantora e compositora formada pela Bituca – Universidade de Música Popular, em Barbacena, onde mora, Clara Castro compôs “Corpo Só” quando estudava lá. A música é uma parceria dela com a mãe, Glória Bittar, e foi inspirada em uma carta que um sobrevivente do holocausto escreveu para seu filho, ainda nos tempos de campos de concentração. Esse filho vem a ser o húngaro Ian Guest, mestre de musicalização de Clara. A faixa ganhou arranjo de Mario Adnet, piano de Pitágoras Silveira e teve as cordas gravadas em São Petersburgo, na Rússia.

“Nada é tão lento / Que te espere pra buscar o rumo certo / Mas toda pressa de chegar / Atropela o passo que o acaso dá”, diz parte do refrão do reggae “Espelho”, parceria da cantora com Ciro Belluci e Nathan Itaborahy. Fechando o trabalho, “Longe do Mundo” foi, também, a última a ser gravada, ao vivo, com violão, clarinete e percussão. Clara explica que compôs a canção para uma amiga que estava passando por uma fase difícil. “É um afago pros problemas sem solução, o que faz o amigo que nos conhece só no olhar”, diz.

ASSESSORIA DE IMPRENSA CLARA CASTRO

Cultura

Loucomotiva Blues & Jazz Festival em Barbacena

WhatsApp Image 2017-07-04 at 21.35.48 (1)O “Loucomotiva”, nome que deu origem ao projeto, vem da junção da conhecida expressão “Barbacena cidade dos loucos” com locomotiva (nome de veículo ferroviário), fazendo referência a nossa antiga estação ferroviária da cidade.

Neste cenário favorável e promissor do Jazz e Blues, Barbacena tem papel de grande destaque na execução de um Festival desse gênero por ser uma cidade extremamente ligada à música, clima favorável e artistas talentosos. Foi assim que nasceu em 2016, o Loucomotiva Blues & Jazz festival. Sua primeira edição contou com três dias de muito agito e música de qualidade, passaram pelo palco principal nomes como: Rodrigo Nézio, Léo Gandelman, Jefferson Gonçalves e banda com participação especial de Laudir de Oliveira lançando o CD de 25 anos de carreira, César Santos e Ducondé, Caffeine Trio, Refinaria, Vivían e os Valvulados, Willian de Magalhães, Zero Grau Celso, Marcos Paulo e Alcatéia Blues, Blues Will Never Die. Assim que cresceu o 1° Loucomotiva Blues & Jazz festival – como uma experiência musical, que embalou o meio do ano com a música de grandes intérpretes de jazz, blues e outros gêneros.

Loucomotiva Blues & Jazz Festival 2017

Quem chega a Barbacena nesses próximos meses já pode sentir o clima de preparativos de festa na cidade mineira. É o Loucomotiva Blues & Jazz Festival, que está em contagem regressiva para a 2ª edição que acontece nos dias 11, 12 e 13 de agosto.

Esse ano, para comemorar o aniversário de 226 anos de Barbacena (14 de agosto, feriado municipal) o Loucomotiva preparou uma surpresa para a cidade, uma grande homenagem à rainha do blues, Jamesetta, mais conhecida como Etta James. Etta James, nascida em Los Angeles, 25 de janeiro de 1938, cantora norte-americana de blues, R&B, jazz e música gospel. Ficou na 22ª posição entre os maiores cantores de todos os tempos, pela revista Rolling Stone, sendo a 3ª mulher mais bem colocada, uma verdadeira lenda do blues e jazz e uma das artistas mais importantes da música do século 20.

Enquanto isso, nos bastidores artísticos, instrumentistas e cantores de jazz, blues e da boa música brasileira mergulham nos ensaios para garantir grandes shows no palco do Campo do Grêmio na Colônia Rodrigo Silva, que anualmente acontece o Festival.

MÚSICA

O “Loucomotiva Jazz & Blues Festival” traz a proposta de estimular e valorizar a música e principalmente os gêneros ‘Jazz e blues’ na cidade de Barbacena e região. Desse modo buscamos trazer nomes conhecidos nacionalmente do gênero, para enriquecer e ganhar cada vez mais credibilidade.

Programação:

Sexta-feira, 11 de agosto:

· Jefferson Gonçalves e banda

· Rodrigo Nézio

· Gabriela Pepino

Sábado, 12 de agosto:

· Tânia Azze

· Lúdica Música

· Falcatrua

Domingo, 13 de agosto:

· João Bosco

· Refinaria

· Banda local que vencer o desafio

O LOCAL:

Descendo com a névoa da serra da Mantiqueira e o frio do mês de julho, clima favorável que torna o festival ainda mais charmoso, o “Loucomotiva Blues & Jazz Festival” escolheu como sede o campo de futebol do Grêmio, localizado na Colônia Rodrigo Silva, local onde já é conhecido por ser sede de várias festas importantes para a cidade.

SOLIDARIEDADE

Na primeira edição o Loucomotiva apoiou a Instituição APAE (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) da cidade. Na compra de ingressos para o festival o público fazia a doação de 1 litro de leite. E nesta segunda edição vamos continuar com a mesma parceria, o público que doar 1 litro de leite pode comprar os ingressos á preço promocional.

Produtor: Cleb Braz de Andrade

Informações: Juliana Loschi (32)9.8846-9799

Cultura

O barbacenense Difuzza lança CD com artistas renomados.

O cantor e compositor William Cândido, mais conhecido no meio musical independente como Difuzza, está lançando seu primeiro álbum solo, ‘Árvore no Céu’, já disponível nas principais mídias sociais em versões para audição gratuita ou download. São 12 canções autorais com pegada de nova MPB e pop contemporâneo e letras e arranjos que remetem ao ‘Clube da Esquina’ – icônico movimento musical surgido na década de 60 em Belo Horizonte que misturava elementos de Bossa Nova, jazz e rock melódico estilo Beatles sob o comando de Milton Nascimento e dos irmãos Borges (Marilton, Márcio e Lô) –, do qual Difuzza certamente bebeu da fonte. Não à toa, ele é mineiro de Barbacena, cidade com pouco mais de 100 mil habitantes, duas rádios, nenhuma emissora de TV e poucas casas de shows que o músico deixou para se aventurar por ruas, becos e palcos do eixo musical Rio/São Paulo/Belo Horizonte.

11182358_907922502604316_2536237807872332738_nComeçou na escola, fazendo rimas simples, dessas que se escutam muito por aí, continuou a evoluir e a tocar instrumentos, agora cerca de oito diferentes, do acordeon a bateria. Formou em outros cursos e teve outros empregos, em vão, aos 14 anos ele já tinha descoberto a vocação e ofício que desejava seguir, mas não pense que foi simples.

A trajetória profissional como cantor, compositor e multi-instrumentista foi marcada por altos, baixos e dificuldades. De amigos e parentes recebeu conselhos, incentivos, muita força para não desistir – e alguns “vái arranjar emprego de verdade”. Em 2015, uma participação no Rock in Rio trouxe novos ares à carreira do artista, que faturou o prêmio de Melhor Guitarrista por aclamação de um público formado por mais de 85 mil pessoas.

1655750_955696374500769_3768791689238809711_oDifuzza faz musicalização para qualquer idade, além de dar aulas em São Paulo e seus trabalhos sociais para crianças e jovens no interior de Minas Gerais. Feliz por ir em direção ao seu desejo, Difuzza relata “Conheci algumas cidades pela música, fiz amigos, e guardei muitas lembranças. Agora aos, 29, estou com esperanças, mesmo por estar à 500 km da minha família e amigos, a distância das coisas básicas, essências e a proximidade do meu sonho, de certa maneira me motivam. Eu tenho fé no meu trabalho e sei que as pessoas vão gostar muito do que preparei.”

Da convergência entre o turning point no Rio e os muitos crossroads e revezes que enfrentou em Minas e após a saída de Barbacena, nasce o sensível, honesto e maduro ‘Árvore no Céu’ – uma compilação das canções de Difuzza em mais de dez anos de estrada. A produção é de Patrick Laplan, primeiro baixista do Los Hermanos, com mixagem de Jorge Guerreiro, mago dos estúdios que costuma assinar trabalhos de Pitty, Titãs, Alceu Valença e João Donato.

10439369_807882882608279_2088422171370407576_n (1)No álbum, Difuzza canta e toca violão, acompanhado dos músicos Patrick e Alan Lopes e da backing vocal Led. Outra grande sacada é a delicada arte visual que representa cada uma das 12 faixas compostas por Difuzza, lindamente executada em preto e branco pela desenhista Samara Rodrigues.
Atualmente, Difuzza mora em São Paulo e divide seu tempo entre shows, participações em coletâneas, trabalhos de amigos e demonstrativos já distribuídos em mais de dez países, além de ministrar aulas de musicalização e participar de trabalhos sociais para crianças e jovens no interior de Minas Gerais.

CD ‘Árvore no Céu’ – Ficha técnica

Canções: 12 faixas, letras e músicas de Difuzza (Circo, Viva Vida, Sonhei Sonhar, Solúvel, Perfume, Décimo Andar, É Preciso, Sorrir Sorrir, Feira de Pessoas, Infinito Momento, Pôr do Sol, Até Já)

Produção: Patrick Laplan

Engenharia de áudio: Rennan Guerra

Mixagem: Jorge Guerreiro

Masterização: Lucas Macedo

Ilustrações: Samara Rodrigues

Comercialização: álbum full disponível para venda online, via downlad, em Google Play https://goo.gl/xKgr6P

Quanto: R$ 14,99

Tem mais Difuzza em…

Site: www.difuzza.com
Insta: www.instagram.com/difuzza/
Youtube www.youtube.com/c/difuzzatv
Face: Security Check Required

Cultura

BARBACENA PROMOVE 3º FESTIVAL DE MÚSICA POPULAR LIVRE

Uma grande movimentação artística promete agitar Barbacena no próximo final de semana, entre os dias 22 e 24 de abril, com o 3º Festival de Música Popular Livre promovido pelo Instituto Curupira. Estão programadas apresentações de mais de 50 músicos de várias cidades e até outros estados, além de cerca de 70 músicas.

Segundo Delton Mendes Francelino, diretor do Instituto Curupira e coordenador geral do festival, “este evento tem sido de grande importância para nossa região principalmente pela acessibilidade de artistas e público. Durante cerca de 2 meses as inscrições foram democratizadas, de forma que quaisquer músicos, de quaisquer formações, pudessem se inscrever e concorrer na seleção. Com grande satisfação, tivemos inscritos e selecionados até do Rio de Janeiro e São Paulo, demonstrando a importância do festival em nível nacional.”

Haverá premiações em dinheiro para as três melhores canções, R$300, R$200 e R$100, além de troféus. Serão premiados ainda, com troféus, o melhor intérprete, compositor e instrumentista.

De acordo com a organização do Festival, a entrada é franca e na escola será proibido o consumo de quaisquer bebidas alcoólicas.

Programe-se e prestigie:

Dia 22 (sexta-feira) – Abertura oficial – Das 17h30 às 22h – Jardim Municipal – Centro

Tainá Bergamaschi/ Barbacena – MG
Pablo Lessa / Barbacena – MG
Silvazé / Barbacena – MG
Jéss Cirino / Barbacena – MG
Mike Tavares / Barbacena – MG
Willian Difuzza / Barbacena – MG
Pré Pagos/ Barbacena – MG

Dia 23 (sábado) – Escola Mun. José Moreira dos Santos – Bairro Santo Antônio (em frente a praça): 14hh às 22h

Gabriel Gomes/ Juiz de Fora -MG
Roberto Cruz / Juiz de Fora -MG
Júnior Santos / Barbacena – MG
Os Andarilhos do Horizonte/ Três Rios – RJ
Jéssica Nunes / Belo Horizonte -MG
Vivian e os Valvulados / Barbacena – MG
Duo – Sil Andrade e Driano barboza / Juiz de Fora -MG
João Tostes / Barbacena – MG
Mangaia/ Barbacena – MG
Laura Januzzi / Juiz de Fora -MG
André Salomão / Araguari – MG
Renato da Lapa / Juiz de Fora -MG
Guido Del Duca / Juiz de Fora -MG

Dia 24 (domingo) Escola Mun. José Moreira dos Santos – Bairro Santo Antônio (em frente a praça) – 14h às 21h

Nivaldo Firmo e Daniela Alves/ Barbacena – MG
Leandro Alves / Barbacena – MG
Degusta Som / Barbacena – MG
NPN/ Barbacena – MG
Luis Alberto/ Senhora dos Remédios – MG
Iuri Andrade / Rio de Janeiro – RJ
André Yamano (Moonlich)/ São João Del Rei – MG
Carol Campos e Fabrício Robson / Barbacena – MG
Pluralizar / Barbacena – MG
Delilah/ Barbacena – MG

Informações Barbacena Online