Tag Archives: museu

Cidades

Conheça Minas Gerais – Rio Casca

Em 1826, Francisco Ferreira Maciel Laia, aventureiro em busca de terras, embrenha-se pela densa mata as margens do rio Casca. Dessa maneira, apossou-se de enorme área, onde hoje se localiza a fazenda de Fidelidade. Em 1836, a fazenda foi vendida a Ângelo Vieira de Souza e, naquele mesmo ano, o povoado se iniciou em seus terrenos.
Em 1858, o arraial de Conceição do Casca foi elevado à freguesia com o nome de Nossa Senhora da Conceição da Casca. O município foi criado em 1911 e instalado um ano depois.

A vila foi fundada pelo furriel Angelo Vieira de Souza. O município foi criado em 30 de agosto de 1911, através da lei 556. Os pioneiros habitantes chegaram à região no princípio do século XIX. Banhada pelo rio Casca, que nasce na serra das Aranhas e forma várias cachoeiras em seu percurso, tinha suas terras cobertas de floresta, onde havia em quantidade árvores como o jacarandá, peroba, braúna, cedro e jequitibás centenários. A extração de madeira se constituiu, no princípio, a principal atividade econômica, o que durou até a sua extinção.

Em 1929, a cidade tinha uma população de 3.000 pessoas, iluminada com luz elétrica, sendo a Estrada de Ferro Leopoldina seu único acesso aos grandes centros, até o aparecimento das rodovias por volta de meados 1950. Atualmente o município tem como fonte econômica, a suinocultura, produzindo também , feijão, milho e cana, além de avicultura e pequenas indústrias de transformação.

Os principais atrativos do destino são O Museu e Biblioteca Arca, a Cachoeira da Ponte Queimada, a Lagoa Grande e o Zoológico particular. O calendário de eventos de Rio Casca tem como destaque as Coroações Festivas realizadas no mês de maio e o carnaval, com blocos de rua, barracas, trios elétricos e palcos para shows.

Gulau Artesanato
Gulau Artesanato
Loja de artesanato em cobre e antiquário localizada às margens da Rodovia BR 262. Nos fundos, pode-se visitar a fabricação e tratamento do material comercializado.

ARCA

ARCA - Museu Rio Casca - Home | Facebook

A Estação Ferroviária de Rio Casca é tombada pelo Patrimônio Municipal como bem imóvel. Fica na Praça Dr. João Camilo, integrando o conjunto paisagístico também tombado. No local, funciona o Museu da ARCA – Associação dos Amigos de Rio Casca, onde também existe uma biblioteca, que faz empréstimos de livros à comunidade local. No museu, estão expostos, além de objetos que ajudam a contar a história de Rio Casca e do povoamento da região, objetos remanescentes da antiga Estrada de Ferro Leopoldina. Anexo ao museu está o Arquivo Histórico Professora Elva Marcondes, o maior acervo documental histórico da região, fonte de pesquisas sobre todos os Municípios da região e do Estado.

Cachoeira Sá Donana

Cachoeira Sá Donana

Pequena queda d’água do Rio Casca localizada no território da Fazenda Sá Donana, que se encontra em processo de tombamento pelo Patrimônio Municipal. Suas proximidades são muito procuradas por banhistas e por pescadores da região. A cachoeira se localiza às margens da estrada de acesso à Antiga Estação Lindoya e à Fazenda de mesmo nome, uma das vias mais procuradas para passeios ciclísticos.

Fonte: https://www.minasgerais.com.br/ ; https://www.riocasca.mg.gov.br

Cultura

“Museus: perdas e recomeços” é o tema da 15ª edição da Primavera de Museus

Museus da Secult-MG e Circuito Liberdade  participam com ações diversificadas em formato presencial e virtual

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) e o Circuito Liberdade participam da 15ª Primavera de Museus com uma série de atividades, que ocorrem de forma presencial e virtual em museus do Estado e equipamentos do complexo cultural e em suas respectivas redes sociais. Entre os destaques, está a apresentação de um quarteto de cordas formado por musicistas da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais no Museu Mineiro, no Circuito Liberdade, em Belo Horizonte. O evento acontece na próxima terça-feira (21/9), às 18h. No repertório, obras de Mozart e Piazzolla e os ingressos gratuitos podem ser retiraos no Museu Mineiro, distribuídos por ordem de chegada.

Em Cordisburgo, o Museu Casa Guimarães Rosa promove a oficina de miniaturas sobre o patrimônio material e imaterial de Cordisburgo “No só quase lugar, um patrimônio do tamanho do mundo”, nos dias 23 e 24/9. Já em Ouro Preto, nos dias 25 e 26/9, acontece a oficina “Passos de Guignard” – Passeio e oficina de fotografia digital no Circuito “Passos de Guignard”, promovida pelo Museu Casa Guignard.

O tema da 15ª Primavera de Museus deste ano é “Museus: Perdas e Recomeços”. A leitura feita é de que a primavera é símbolo de recomeço e, na nova estação, a natureza se recupera e se torna florida e verdejante novamente, mostrando que um novo ciclo tem início. Em 2021, a primavera vem com um significado ainda mais especial. Cerca de um ano e meio após a declaração de pandemia de Covid-19 ter sido feita pela Organização Mundial de Saúde (OMS), os países começam a apresentar avanço na contenção do coronavírus. O momento é também de reflexão e serve para avaliar as perdas e os recomeços. É sobre isso que trata a 15ª Primavera de Museus, promovida pelo Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM).

Ao lidar com tantas perdas e tantas dores, é impossível que o homem não reflita sobre o impacto que este momento tem, não somente no tempo presente, mas em suas memórias e em seu futuro. Com o tema “Museus: Perdas e Recomeços”, a 15ª Primavera de Museus é um convite para refletir sobre a função dos museus neste momento que, embora não tenha acabado, exige desde já a elaboração das perdas, tratando da guarda do que restou e assegurando que, como em tantas outras vezes, o que restou enseja recomeços.

Confira a programação completa da Secult e do Circuito Liberdade abaixo:

Programação Primavera de Museus 2021

Museus da Secult

Centro de Arte Popular (Belo Horizonte, Circuito Liberdade)

Palestra “Resgatando histórias e ressignificando o bordado”

Convidada: Maria do Carmo Guimarães

Data: 21 de setembro de 2021

Horário: 17h

Local: Canal do Youtube do Centro de Arte Popular


Vídeo-Oficina de Confecção de Flores de Argila

Convidado: Clara Assumpção

Data: 24 de setembro de 2021

Horário: 13h

Local: Redes Sociais do CAP


Museu Casa Alphonsus de Guimaraens (Mariana)

Palestra “Amanhã tudo isso será tinta: Alianças de sangue e escrita entre os Guimarães e Guimaraens”

Convidado: Domingos Guimaraens

Data: 20 de setembro de 2021

Horário: 19h

Local: Canal do Youtube do Museu Casa Alphonsus de Guimaraens


Oficina “Poemas na Janela” (Oficina de Kirigami)

Ministrante: Hermes Perdigão

Data: 22 e 24 de setembro de 2021

Horário: das 14h às 16h

Local: Google Meet

Link para Inscrições: https://forms.gle/oKkq6x8kXqBDzi9H6


Museu Casa Guignard (Ouro Preto)

Palestra “Peritagem em Obras de Arte”

Convidado Pedro Cavalheiro

Data: 23 de setembro de 2021

Horário: 19h

Local: Canal do Youtube do Museu Casa Guignard


Exposição Temporária “A Negritude na Poética Modernista de Guignard”

Data de abertura: 24 de setembro de 2021

Encerramento: 12 de junho de 2022

Horário: 12h às 18h

Local: Museu Casa Guignard


Oficina “Passos de Guignard” – Passeio e oficina de fotografia digital no Circuito “Passos de Guignard”

Data: 25 e 26 de setembro de 2021

Horário: 9h às 15h

Local: Museu Casa Guignard

Inscrições: a partir de 9 de setembro de 2021

Link para as inscrições: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdv3LwMdWxHdLbGu6DXqSZHkHg3X4MmiBNrJEq4KncjEFVuHg/viewform

Museu Casa Guimarães Rosa (Cordisburgo)


O
ficina “No só quase lugar, um patrimônio do tamanho do mundo” – Oficina de Miniaturas sobre o patrimônio material e imaterial de Cordisburgo

Convidado: Willi de Carvalho

Data: 23 e 24 de setembro de 2021

Horário: 14h às 16h30

Local: Museu Casa Guimarães Rosa

Inscrições de 9 a 20 de setembro de 2021

As inscrições serão realizadas diretamente no Museu Casa Guimarães Rosa.


Museu do Crédito Real (Juiz de Fora)

Esquete teatral “Brincando com dinheiro”

Convidado: Adelino Benedito (“Vovô Jerê”)

Data: 24 de setembro de 2021

Horário: 19h

Local: Redes Sociais do Museu do Crédito Real

Museu Mineiro (Belo Horizonte, Circuito Liberdade)

Minicurso “Museus: lugares de memória e resistência”

Convidado: Rangel Sales

Data 21 e 23 de setembro de 2021

Horário: das 19h às 21h

Local: Google Meet

Link para inscrições: https://www.sympla.com.br/minicurso-museus-lugares-de-memoria-e-resistencia__1345364


Concerto de Câmara

Grupo: Quarteto de cordas formado por musicistas da Filarmônica de Minas Gerais

Artistas: Rodrigo de Oliveira (violino); Laura von Atzingen (violino); João Carlos Ferreira (viola); Philip Hansen (violoncelo).

Data: 21 de setembro de 2021

Horário: 18h

Local: Museu Mineiro (Evento Presencial)

Ingressos gratuitos no Museu Mineiro, distribuídos por ordem de chegada.


Museu dos Militares Mineiros (Belo Horizonte, Circuito Liberdade)

Lançamento do Catálogo Virtual do Museu dos Militares Mineiros, elaborado por Bruna Ferreira com orientação de Ana Cecília Veiga

Data: 22 de setembro de 2021

Horário: 15h

Site: https://catalogovirtualmmm.wixsite.com/2021


Sistema Estadual de Museus

Abertura da 15ª Primavera dos Museus

Convidados: Pollyanna Lacerda (Coordenadora do SEMMG);

Alexandre Milagres (Diretor de Museus/ Secult)

Data: 20 de setembro de 2021

Horário: 18:30

Local: Canal do Youtube do Museu Casa Alphonsus de Guimaraens

Link das inscrições para recebimento de certificado: https://www.sympla.com.br/15-primavera-de-museus—abertura__1326296

Live “Perdas e recomeços – para refletir a função dos museus”

Convidados: André Leandro Silva (MHJNB UFMG);Felipe Eleutério Hoffman (UFMG);Felipe Eleutério Hoffman (UFMG);Alice Colluci (Comitê Gestor SEMMG).

Data: 22 de setembro de 2021

Horário: 17 h

Local Canal do Youtube do Sistema Estadual de Museus de Minas Gerais

Link das inscrições para recebimento de certificado: https://www.sympla.com.br/live—perdas-e-recomecos-reflexao-sobre-a-funcao-dos-museus__1326305

Seminário “Relatos de Experiência – painéis para apresentação de projetos inspiradores e bem sucedidos nos museus”

Data: 24 de setembro de 2021

Horário: 10h às 12h

Local: Canal do Youtube do Sistema Estadual de Museus de Minas Gerais

Link para as inscrições: https://www.sympla.com.br/ii-relatos-de-experiencias—semmg__1326310

CIRCUITO LIBERDADE (geral)

23/09/2021 a 25/09/2021 – 09h às 12h CURSO – Olhar a Cidade – cartografias afetivas, propõe uma investigação do espaço urbano como forma de estimular a percepção das dimensões estéticas, históricas e afetivas da cidade. Prof. Lucas Amorim. Local: Curso virtual com inscrição prévia pelas redes sociais do Circuito Liberdade. @circuitoliberdade

23/09/2021 VISITAÇÃO – O Circuito Liberdade celebra a chegada da primavera com o lançamento da rota de visitação “Praças, Parques e Jardins Internos”, convidando o público a experienciar os dias mais floridos que recomeçam Local: Redes sociais do Circuito Liberdade @circuitoliberdade

CASA FIAT DE CULTURA

21/09/2021 OUTROS – Projeto de Acessibilidade – Painel do Portinari. Lançamento de peça tátil com audiodescrição e conteúdo em braille sobre o painel Civilização Mineira, de Candido Portinari Local: http://www.casafiatdecultura.com.br/

21/09/2021 a 23/09/2021 – 19h às 20h30 PALESTRA – Webinário | Conversas sobre Perguntas. Falaremos sobre a interpretação de um presente contínuo e como fio condutor dos encontros a Palavra. Parceria com MM Gerdau e Memorial Vale. Local: https://bit.ly/CasaFiatYouTube

 22/09/2021 – 17h às 17h15 OUTROS – Arte em 15 | O Rapto de Perséfone. Duas obras que tratam do mesmo tema, a história do rapto de Perséfone ou Proserpina, serão analisadas e contrapostas. Uma celebração à chegada da Primavera. Local: https://bit.ly/CasaFiatYouTube

 23/09/2021 – 19h às 20h VISITA MEDIADA – Visita virtual mediada / Exposição Na boca da mata AhNa exposição a artista plástica Carolina Botura propõe uma atmosfera de encantamento, convidando o público a sentir essa conexão universal. Local: https://bit.ly/CasaFiatYouTube

CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL – CCBB BELO HORIZONTE

20/09/2021 a 26/09/2021 – 10h às 19h 163 OFICINA – Entre julho e outubro, o Lugar de Criação abre um diálogo com o Patrimônio Cultural e Natural em uma série de quatro propostas que, em pequenos experimentos, conectam esse tema a nossa vida cotidiana. Local: http://www.ccbbeducativo.com/lc-virtual

20/09/2021 a 26/09/2021 – 10h às 19h OFICINA – O Lugar de Criação “Patrimônio Material” convida famílias e públicos de todas as idades para uma investigação sobre a nossa relação com os objetos e o colecionismo. Você vai precisar de um celular. Local: Redes sociais do CCBB e site do Programa CCBB Educativo – Arte Educação

20/09/2021 a 26/09/2021 – 10h às 19h OUTROS – O site CCBB Educativo – Patrimônio Memória reúne audioguias, visitas virtuais e materiais educativos sobre os centros culturais localizados em Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo. Local: http://patrimonioememoria.ccbbeducativo.com/audioguia-ccbb-bh/

20/09/2021 a 26/09/2021 – 12h às 13h VISITA MEDIADA – Nas visitas mediadas os educadores se juntam ao público para dialogar, sobre as obras, produzindo novos significados a partir das narrativas presentes na exposição do argentino Leandro Erlich.

20/09/2021 a 26/09/2021 – 18h às 19h VISITA MEDIADA – Nas visitas mediadas os educadores se juntam ao público para dialogar, sobre as obras, produzindo novos significados a partir das narrativas presentes na exposição do argentino Leandro Erlich.

20/09/2021 a 26/09/2021 – 15h às 16h VISITA MEDIADA – Programa CCBB Educativo realizará visitas mediadas especiais com foco no patrimônio cultural do CCBB-BH em diálogo com a história de Belo Horizonte. Local: http://www.ccbbeducativo.com/visitas

22/09/2021 – 15h às 17h 164 ENCONTRO – Neste encontro, Mônica Hoff abordará as ideias de tramas de aprendizagem e pedagogias a partir de investigações e projetos desenvolvidos na mediação das práticas artísticas e educativas. (Libras) Local: www.ccbbeducativo.com

23/09/2021 – 14h às 17h ENCONTRO – Produzir arte é produzir encontros. A próxima edição do Processos Compartilhados, terá como convidadas Ania Rodriguez, sócio-diretora e a Karen Ituarte, Gerente de projetos da Arte A. Local: Link para inscrição no www.ccbbeducativo.com

24/09/2021 – 14h às 17h ENCONTRO – O laboratório de crítica irá discutir fragilidades e possibilidades da curadoria em museus no Brasil. A partir da problematização da relação entre continuidade e recomeço. Com Cauê Alves. Local: Link para inscrição no www.ccbbeducativo.com

CENTRO DE MEMÓRIA MINAS TÊNIS CLUBE

16/07/2021 a 31/12/2021 – 10h às 20h EXPOSIÇÃO – Trata-se da exposição de fotografias “Imagens Descobertas”, que reúne 20 fotos de 1943 a 1975, de Bruno R. M. da Costa, referentes à cena esportiva de BH. Serão oferecidas visitas mediadas.

ESPAÇO DO CONHECIMENTO UFMG

20/09/2021 a 26/09/2021 – 19h às 22h EXIBIÇÃO DE FILME – Exibição na Fachada Digital de conteúdos da nova exposição virtual do Espaço do Conhecimento UFMG, Sertão Mundo.

20/09/2021 – 12h 167 LANÇAMENTO – O catálogo Saberes Indígenas e Etnofármacos foi elaborado por bolsistas do Espaço do Conhecimento UFMG e traz informações sobre o uso de plantas medicinais pelos Maxakalí, Pataxó, Xakriabá e Yanomami.

23/09/2021 – 17h às 18h APRESENTAÇÃO – Descobrindo o Céu especial: construção da sessão on line semanal de astronomia como forma de suprir o fechamento do planetário devido a pandemia, e os desafios dessa nova atividade. Youtube: espacoufmg.

25/09/2021 – 10h OFICINA – A oficina apresentará termos do universo museal em Libras, contribuindo para a interação do público surdo com os espaços museais. Serão discutidas estratégias para melhor atender o público surdo.

MEMORIAL MINAS GERAIS VALE

01/09/2021 a 29/09/2021 – 14h às 14h AÇÃO EDUCATIVA – Sementes da Diáspora – o Educativo convida a reflexão sobre os diversos protagonismos negros, muitas das vezes apagados e embranquecidos. Postaremos minibio de algumas personalidades nas redes social. Local: Evento virtual, nas redes sociais do Memorial.

03/09/2021 a 24/09/2021 – 11h às 11h AÇÃO EDUCATIVA – Dicas Pretas – indicações de conteúdos culturais que visam refletir e conhecer mais sobre a identidade negra. Local: Evento virtual, nas redes sociais do Memorial.

20/09/2021 a 24/09/2021 – 18h às 18h AÇÃO EDUCATIVA – Casa e Memória – ação iniciada na 19ª Semana de Museus, traz registros em vídeo, Cápsulas para o Futuro, onde nossos convidados compartilharam suas coleções pessoais, objetos de valor, etc. Local: Evento virtual.

23/09/2021 – 19h às 20h30 PALESTRA – Webnário Conversas Sobre Perguntas – iremos debater a interpretação de um tempo presente contínuo e teremos como fio condutor do nosso encontro a Palavra: corpo, conhecimento, corpo, presente. Local: Evento virtual.

24/09/2021 – 17h às 18h MESA REDONDA – Live – Conversa de Galeria: Memória e Diálogos Museais em Tempos Pandêmicos – o Educativo do MMGV propõe um debate sobre desafios e precariedades acerca do trabalho museal no distanciamento social. Local: Evento virtual.  

27/09/2021 – 18h às 18h 169 OUTROS – Dia Mundial do Turismo – Em celebração ao Dia Mundial do Turismo serão postados 10 pequenos vídeos no estilo Reels onde é feita uma relação entre as salas expositivas do Memorial e tipos de Turismo. Local: Evento virtual, no Instagram do Memorial.

MM GERDAU – MUSEU DAS MINAS E DO METAL

21/09/2021 a 23/09/2021 – 19h às 20h30 MESA REDONDA – Conversa sobre Perguntas 2021 – Palavras. Encontro entre os espaços MM Vale, Casa Fiat de Cultura e MM Gerdau, para diálogos em torno da Palavra. Convidada: Lilia Schwarcz, historiadora e antropóloga Local: https://www.YouTube.com/user/MuseuMinasMetal

28/09/2021 – 19h às 20h30 LANÇAMENTO – Dia nacional do Surdo – Librário Digital MM Gerdau. Jogo didático pedagógico, com caráter científico, criativo, artístico e cultural, que busca promover a aprendizagem de Libras de maneira lúdica. Local: https://www.YouTube.com/user/MuseuMinasMetal

29/09/2021 a 30/09/2021 – 19h às 20h30 LANÇAMENTO – Plano Museológico MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal. Tendo como convidado Felipe Carvalho – Presidente do Conselho Regional de Museologia 2ª Região – COREM 2R. Local: https://www.YouTube.com/user/MuseuMinasMetal

Fonte: https://www.secult.mg.gov.br/

Cultura

Museu Municipal recebe exposição sobre imigração italiana em Varginha

Instituto Luso – Ítalo – Brasileiro e Museu Municipal promovem exposição sobre a imigração italiana em Varginha

Exposição imigração italiana em Varginha

Em uma iniciativa do Instituto Luso – Ítalo – Brasileiro de História, Ecologia e Cultura, o Museu Municipal de Varginha recebe a exposição “Varginha e Itália – Terra Nostra”, que retrata a chegada dos primeiros imigrantes italianos em Varginha, iniciada em 1888 com a Abolição da Escravatura. 

A história está sendo mostrada por meio dos jornais e fotos da época disponibilizados pelo Centro de Documentação Histórica (Cedoc) da Fundação Cultural de Varginha. A exposição foi iniciada no dia 08/09 e o público poderá ter acesso a esses documentos ricos em detalhes históricos até o dia 06/10. O horário de funcionamento do Museu é de segunda a sexta-feira, das 8h às 11h e das 13h às 17h. O endereço é Praça Governador Benedito Valadares, 141 – Centro.

De acordo com Marcelo Nascimento, historiador e presidente do instituto, “os italianos viveram uma grande luta. Foram exemplo de trabalho e união nas páginas destes mais de 130 anos de história não só de Varginha, como de todo Brasil. Era uma gente trabalhadora com uma grande visão de empreendedorismo. A exposição mostra em detalhes a bravura daqueles que atravessaram o oceano por uma vida melhor”. Esses documentos já estiveram expostos em fevereiro de 2019 e voltam agora atendendo a vários pedidos para quem não teve oportunidade na época de prestigiar a exposição.

Ainda segundo Marcelo Nascimento, “além da mostra documentária e fotográfica no Museu Municipal, marcamos para o dia 23 de setembro a inauguração da sede própria do Instituto Luso – Ítalo – Brasileiro que funcionará no Parque Urupês. A instituição anunciará diversos projetos em favor da memória, ecologia e cultura”.
A exposição conta com o apoio da Prefeitura de Varginha, por meio da Fundação Cultural e Museu Municipal.

Fonte: https://varginhadigital.com.br/

Cultura

Museu de congonhas conquista Selo Evento Seguro e se prepara para a retomada consciente das atividades presenciais

Com a pandemia, desde o ano passado, o Museu de Congonhas precisou redirecionar todas as suas atividades culturais e educativas para a o ambiente virtual, agora com melhora do quadro epidemiológico local e a entrada da cidade na Onda Amarela do plano Minas Consciente, a instituição está se preparando para a retomada gradual dos eventos.

Uma das principais iniciativas foi a conquista do Selo Evento Seguro, criado pelo Governo de Minas para reconhecer atividades culturais, turísticas e de eventos que estão atuando em concordância com os protocolos de saúde e segurança definidos pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo e a OMS. Em Congonhas, o Museu é a primeira instituição a conquistar o Selo.

Lana Duarte, diretora-presidente da FUMCULT, explica que a instituição vem estudando formas para retomada as atividades presenciais de maneira segura. “Criamos um protocolo próprio que tem nos auxiliado nas atividades internas e estamos trabalhando seguindo as orientações do Instituto Brasileiro dos Museus (IBRAM). A nossa intenção é continuar cumprindo o nosso papel de levar arte e cultura para a população, apoiar os artistas locais e impulsionar o turismo da nossa cidade, mas tudo de forma muito consciente. A conquista do Selo, neste momento, atesta o nosso esforço nesse sentido”.

Mesmo diante deste novo cenário o Museu de Congonhas continuará com o projeto #MCoEmCasa com a produção de conteúdos históricos, educativos e informativos nas suas plataformas virtuais, além da realização de eventos online, trabalhando assim de forma híbrida, adaptada aos novos tempos.

“Estamos muito empolgados com os novos desafios. Convidamos toda a população de Congonhas para ficarem atentos às novidades da nossa programação pelas nossas redes sociais e o site institucional. Já adianto que em breve o Museu de Congonhas também estará acessível pelo Google Arts, plataforma que reúne os principais equipamentos culturais do mundo. Vem muita coisa boa por aí!”, reforça Lourdes Maria, coordenadora dos museus de Congonhas.

Janice Miranda – Coordenação – Comunicação/Educativo
Museu de Congonhas

(31)3731 6747 – (31)9.9821-0976

Cultura

Nesta quarta tem visita mediada virtual do Inhotim

O tour, oferecido por meio do programa Inhotim para Todxs, será gratuito e elaborado pelos educadores do Instituto

Espaço conhecido pelas experiências multissensoriais, o Instituto Inhotim não é apenas um local para se visitar, mas principalmente para sentir. Mas quem ainda não pode ou prefere aguardar um pouco mais para passear pelos jardins e galerias do museu a céu aberto pode aproveitar as visitas mediadas virtuais oferecidas pelo Instituto. A próxima está marcada para quarta-feira (19), às 16h, no Google Meet (http://inhotim.info/InhotimParaTodxs).

Obra Magic Square_Hélio Oiticica
Foto Brendon Campos

Com o tema “Som e Sentido”, o encontro explora as possibilidades sonoras do acervo do Inhotim, seja nas obras onde o som exerce um papel fundamental para a composição dos trabalhos, ou nas paisagens naturais. “Vamos descobrir e nos encantar pelo som de uma caminhada sobre os seixos da obra Magic Square #5 (Hélio Oiticica), e sobre os cacos de vidro de Através (Cildo Meireles), além, é claro, do canto das aves e até os silêncios que os acervos artístico e botânico convocam”, detalha Laura Pimenta, supervisora de Educação do Inhotim.

Magic Square_Héio Oiticica
Foto Breno da Matta

Inhotim para Todxs: visitas livres
Não é necessário se inscrever para a visita do dia 19/5, mas salve o compromisso na agenda, pois as vagas são limitadas e a “sala” é bloqueada quando atinge um número máximo e confortável para o atendimento de todos os participantes.

Obra Através_Cildo_Meireles
Foto Daniel_Mansur

Inhotim para Todxs: visitas virtuais em grupos
Outra modalidade – também gratuita – de visitação virtual oferecida pelo Inhotim é para grupos, por meio de agendamento pelo formulário disponível no site do Inhotim. Você pode juntar uma turma da escola, faculdade, família ou amigos, entre outros, desde que tenha a partir de dez pessoas. Assim como nas ações educativas presenciais, a iniciativa parte dos acervos botânico, artístico e histórico-cultural do Inhotim, com quatro opções de roteiro.

O programa Inhotim para Todxs é patrocinado via lei Federal pela Localiza e pela Unimed.

Informações para imprensa
Iza Ventura – izabela.ventura@inhotim.org.br
(31)9.9764-6440

Cultura

MUSEU DAS NOSTALGIA, EM TIRADENTES, RELEMBRA OBJETOS DA DÉCADA DE 80

Criado a partir da paixão de um casal em compartilhar com o público a nostalgia pela cultura pop dos anos 80, o Museu da Nostalgia, em Tiradentes, expõe mais de 4 mil itens que marcaram a época. Inaugurado em julho deste ano, o museu possui um vasto acervo de filmes, miniaturas, videogames antigos e vários outros itens que relembram a infância e a adolescência de quem cresceu na década de 80.

O acervo do Museu reúne uma grande coleção de jogos pedagógicos – Foto: Museu da Nostalgia / Divulgação


O Museu da Nostalgia reúne coleções raras que pertenciam ao acervo pessoal do proprietário, Tiago Diniz Cury, que há mais de 15 anos coleciona diversos objetos que fizeram parte da sua história durante os anos 80. “Eu tinha um acervo guardado desde a infância e fui colecionando e adicionando ao que eu já tinha. Então juntou tanta coisa que eu pensei que deveria compartilhar com as pessoas”, relembra Tiago.


Entre os destaques do local estão quatro salas para visitação, um planetário, uma sala de lazer com jogos pedagógicos e um fliperama com jogos antigos. “O nosso espaço também está aberto para artistas locais que queiram apresentar os seus projetos ou trabalhos. Tudo o que for cultural, nós estamos abertos”, acrescenta Lílian Martins Araújo, também proprietária do museu. O objetivo é promover um ambiente onde haja a troca entre diferentes culturas, valores e ideias de uma época que marcou muitas vidas.


O casal, que antes morava em Uberlândia, decidiu abrir o Museu da Nostalgia em Tiradentes, devido ao interesse pelo barroco mineiro e o constante fluxo de turistas que visitam a cidade. O empreendedor Tiago alega que sempre teve vontade de estudar e pesquisar as cidades históricas mineiras e em Tiradentes é possível unir o útil ao agradável. “Eu já nutria um sonho de experimentar como seria morar em uma cidade barroca. Quando surgiu a ideia de criar o museu, não pensei em fazer em Uberlândia, mas em uma cidade turística que sempre vai ter um público novo para conhecer”.


Com planos de expandir o acervo das exposições, Tiago revela que ainda há muitos itens que ele pretende integrar ao museu. “Eu sou um colecionador e ainda estou à procura de muita coisa; sempre vai ter novidade e um novo elemento no acervo, mas, claro, o que mais ajuda o Museu são as doações das pessoas”. A expectativa dos proprietários é de que o museu se torne parte do roteiro turístico de Tiradentes, em razão de seu potencial para a realização de eventos culturais.


O Museu da Nostalgia está aberto de 11h às 19h, todos os dias (exceto às terças-feiras), na Rua João de Siqueira Afonso, n. 408, Parque dos Bandeirantes, em Tiradentes

Fonte: http://www.gazetadesaojoaodelrei.com.br

Cultura

Museu de Congonhas participa da 13ª Primavera de Museus

De 23 a 29 de setembro acontece a 13ª Primavera dos Museus, temporada cultural promovida pelo Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM). Nessa edição, museus de todo o país oferecem ao público atividades especiais com o tema “Museus por dentro, por dentro dos museus”. O Museu de Congonhas, desde a sua inauguração, apoia a iniciativa, e para este ano preparou uma série de ações como mediações lúdicas, oficinas, bate-papos e palestras.

Um dos destaques da programação é a entrega de duas esculturas desenhadas por alunos da Rede Municipal de Ensino de Congonhas e moldadas pelo escultor Giovanni Fantauzzi. O artista está encerrando uma exposição homônima, que esteve em cartaz no Museu de Congonhas desde abril. Como ação educativa, as turmas que visitaram o Museu durante esses meses foram instigadas a participarem de uma atividade que propôs que as crianças e adolescentes se transformassem em auxiliares do artista, criando uma escultura. Das centenas de desenhos, dois foram selecionados por Giovanni Fantauzzi, que presenteará os alunos com as peças na terça-feira, 24. 

Entre os dias 24 e 29, estudantes de 7 a 14 anos irão participar das oficinas: Práticas de Fé, Ex-Votos Corporais, Todos pela Reconquista de Congonhas e Minha Camisa do Museu. No dia 25, o Museu de Congonhas recebe o poeta Ni Brisant para um bate-papo sobre poesia e literatura. O evento é uma realização do Projeto Garoto Cidadão em uma das comemorações pelos 20 anos da iniciativa.

Nesta mesma semana, o Museu de Congonhas também recebe o cantor, compositor e músico multi-instrumentista Erasmo Carlos, na quinta-feira, 26, às 20h, em mais uma edição do Projeto “Poesia e Música no Museu”. A iniciativa conta com o patrocínio da empresa CSN, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais.

Já no dia 27, sexta-feira, às 14h, a turismóloga Vitória Abucater ministrará uma palestra sobre o trabalho que vem desenvolvendo para compreender a relação que os congonhenses têm com o Museu de Congonhas.

A 13ª Primavera dos Museus propõe fortalecer a relação públicos/museu a partir da ótica da preservação enquanto ato compartilhado entre o cidadão e o seu bem cultural, o que se conecta muito bem com a proposta do programa “Museu Para Todos”, desenvolvido há dois anos pela instituição.

Fonte: foconanoticia.com.br

Cultura

Museu de Congonhas recebe a exposição “Patrimônio da Humanidade no Brasil”

Mostra destaca o Santuário de Bom Jesus de Matosinhos de Congonhas e apresenta os demais sítios brasileiros também considerados Patrimônio da Humanidade.

O Museu de Congonhas inaugura a exposição “Patrimônio da Humanidade no Brasil” que traz documentos, fotos, informações sobre os 26 sítios Patrimônios Mundiais Brasileiros – os culturais (14), os naturais (sete) e os imateriais (cinco). A exposição foi idealizada pelo IPHAN em parceria com UNESCO e viabilizada com recursos da Fundação Municipal de Cultura, Lazer e Turismo de Congonhas (FUMCULT), e tem a curadoria do Museu de Congonhas. A mostra será aberta no dia 30 de janeiro e poderá ser vista até o dia 31 de março. Após Congonhas, a exposição segue em itinerância, inicialmente por Ouro Preto, primeiro município do País a conquistar o título da UNESCO.

A exposição é importante para Congonhas por estabelecer um processo educativo na comunidade, de reconhecimento da relevância do Santuário de Bom Jesus de Matosinhos, destacando seu mérito e os motivos que o fizeram reconhecido como Patrimônio Cultural Mundial, em 1985. De acordo com Sérgio Rodrigo Reis, presidente da FUMCULT e diretor do Museu de Congonhas, essa reflexão atua para formação e sensibilização na comunidade de agentes engajados na proteção do patrimônio material e imaterial local. Esta versão da exposição destaca Congonhas. Na sequência, a mostra será acrescida de informações explicitando as peculiaridades de Ouro Preto, município vizinho, do qual Congonhas estabelece uma parceria em trocas técnico-artísticas. A itinerância será mais uma ação neste sentido.

“A exposição “Patrimônio da Humanidade no Brasil” foi pensada para refletir sobre a relevância do Santuário de Bom Jesus de Matosinhos de Congonhas para história da arte universal. Mais do que uma mostra de artes visuais, a iniciativa busca consolidar uma importante política pública de valorização e educação patrimonial dos acervos materiais e imateriais de relevância internacional desta cidade mineira, em diálogo com os demais sítios brasileiros também considerados Patrimônio da Humanidade”, explica Sérgio Rodrigo Reis.

Sítios Patrimônios Mundiais Brasileiros – culturais, naturais e imateriais

As Convenções da Unesco para a Proteção do Patrimônio Mundial Cultural e Natural (1972) e para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial (2003) favorecem a cooperação internacional para a proteção do patrimônio, material e imaterial, selecionado pela sua importância para preservação da riqueza e da diversidade cultural de todo o mundo. O Brasil possui 21 inscrições na Lista do Patrimônio Cultural Mundial e Natural. São Sítios Patrimônio Cultural: 1980 – A Cidade Histórica de Ouro Preto, Minas Gerais; 1982 – O Centro Histórico de Olinda, Pernambuco ; 1983 – As Missões Jesuíticas Guarani, Ruínas de São Miguel das Missões, Rio Grande de Sul e Argentina; 1985 – O Centro Histórico de Salvador, Bahia ; 1985 – O Santuário do Senhor Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas do Campo, Minas Gerais ; 1987 – O Plano Piloto de Brasília, Distrito Federal ; 1991 – O Parque Nacional Serra da Capivara, em São Raimundo Nonato, Piauí; 1997 – O Centro Histórico de São Luís do Maranhão; 1999 – Centro Histórico da Cidade de Diamantina, Minas Gerais; 2001 – Centro Histórico da Cidade de Goiás; 2010 – Praça de São Francisco, na cidade de São Cristóvão, Sergipe; 2012 – Rio de Janeiro, paisagens cariocas entre a montanha e o mar; 2016 – Conjunto Moderno da Pampulha; e 2017 – Sítio Arqueológico Cais do Valongo. São Sítios do Patrimônio Natural: 1986 – Parque Nacional de Iguaçu, em Foz do Iguaçu, Paraná e Argentina; 1999 – Mata Atlântica – Reservas do Sudeste, São Paulo e Paraná; 1999 – Costa do Descobrimento – Reservas da Mata Atlântica, Bahia e Espírito Santo; 2000 – Complexo de Áreas Protegidas da Amazônia Central; 2000 – Complexo de Áreas Protegidas do Pantanal, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul; 2001 – Áreas protegidas do Cerrado: Chapada dos Veadeiros e Parque Nacional das Emas, Goiás; e 2001 – Ilhas Atlânticas Brasileiras: Reservas de Fernando de Noronha e Atol das Rocas. São cinco as manifestações de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade no Brasil: Roda de capoeira, Frevo, Samba de Roda, Círio de Nazaré (PA) e Arte Kusiwa, do Amapá.

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio, são responsáveis pela preservação desse patrimônio, em cooperação com estados, municípios e a comunidade. Essas instituições se empenham por uma abordagem integrada entre patrimônio material e imaterial, buscando a apropriação social dos benefícios da preservação e uma agenda orientada para a promoção do desenvolvimento sustentável.

De Congonhas para o Mundo

O Santuário do Bom Jesus de Matosinhos de Congonhas conquistou o título “Patrimônio Cultural Mundial” graças ao esforço coletivo de especialistas, autoridades e comunidade. Em 1985, em Paris, durante a sessão anual na sede da UNESCO, a “Cidade dos Profetas” ganhau o reconhecimento universal após demonstrar a relevância do seu patrimônio como representante de uma realização artística única, verdadeira obra-prima do espírito criador do homem; e por estar associado a crenças e eventos de considerável significado. A defesa da relevância do Santuário de Congonhas no dossiê de candidatura salientava as singularidades do patrimônio informando se tratar de um dos últimos exemplares da série dos “Sacro Monte” da arte cristã ocidental, apresentando, algumas características específicas que o colocam como uma espécie de ”ponto culminante“ da tradição. Do ponto de vista iconográfico, é o único que apresenta a justaposição das profecias bíblicas e do drama da Redenção, segundo a linha tradicional de interpretação teológica em busca de harmonias e concordâncias entre o Antigo e o Novo Testamento, abundantemente ilustrado nas catedrais medievais.

Em relação à organização espacial, é também o único no qual os conjuntos arquitetônico e escultural equilibram-se mutuamente por terem valor equivalente; o que nada tem de surpreendente, pois seu principal autor, o Aleijadinho, foi ao mesmo tempo, gravador, escultor e arquiteto notável. Finalmente, considerando a qualidade artística das estátuas analisadas individualmente, os profetas de Congonhas foram julgados por especialistas como estando entre as melhores representações esculturais de personagens do Antigo Testamento da história da arte ocidental, comparáveis aos profetas de Klaus Sluter na Cartuxa de Champmol, em Dijon, quiçá ao Moisés de Miguelangelo na igreja de San Pietro em Vincoli.

Serviço:

Exposição “Patrimônio da Humanidade no Brasil”

Data: de 30 de janeiro a 31 de março de 2019

Local: Museu de Congonhas – Alameda Cidade Matozinhos de Portugal, 77 – Basílica, Congonhas/MG

Informações: (31) 3732-2526

Funcionamento: de terça-feira a domingo, das 9h às 17h, com a entrada no valor de

R$10,00, estudantes e pessoas acima de 60 anos pagam meia entrada. Crianças até 11 anos não pagam. Às quarta-feiras, o Museu funciona das 13h às 21h, com entrada gratuita.

Fonte: foconanoticia.com.br

Cultura

Exemplo de boa gestão cultural, direção do Museu de Congonhas é convidada para seminário nacional sobre a área

Em pouco mais de dois anos de funcionamento o Museu de Congonhas conquistou destaque e relevância na área de gestão museal e cultural no Brasil, sendo reconhecido nacional e internacionalmente como um dos projetos culturais mais bem sucedidos. Desta vez, a direção do Museu foi convidada para participar do seminário “200 anos de Museu no Brasil: Desafios e Perspectivas”, realizado pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), no Rio de Janeiro, de 30 de julho a 3 de agosto. O evento propõe uma reflexão sobre dois séculos de presença contínua dos museus em território brasileiro, celebrados em 2018 por ocasião do bicentenário de criação do Museu Nacional.

O seminário vai debater o percurso histórico de constituição e consolidação dos museus no Brasil em toda sua diversidade e abrangência, analisando as contribuições trazidas para a cultura brasileira e os desafios e perspectivas neste campo. Entre os temas que serão abordados estão a memória do pensamento museológico brasileiro; a educação museal no Brasil; reflexões sobre museus de Arte, História, Antropologia, Arqueologia e Ciência; a presença das memórias afro-brasileiras nos museus brasileiros; e os desafios e perspectivas para os museus no Brasil contemporâneo.

_Museu de Congonhas julho 2018 30(2)

O Museu de Congonhas faz parte de um seleto grupo de instituições convidadas que vão levar suas experiências de sucesso para as rodas de debates realizadas no seminário. De portas abertas para o mundo, o Museu recebe turistas e estudiosos de diversos países, o que fez do espaço um grande aliado na divulgação do potencial turístico do município e valorizou todo o complexo histórico. Mais do que um simples museu, o Museu de Congonhas se configura hoje como o Centro Cultural de maior relevância da cidade e abriga, além da exposição permanente, exposições temporárias e itinerantes de renome e eventos variados.

O Programa Educativo também tem papel fundamental. Professores de diversas instituições de ensino veem no Museu de Congonhas um espaço de visitação essencial para o desenvolvimento das disciplinas de educação patrimonial, arte, história e arquitetura. Em 2018, com o tema “Museu Para Todos, a instituição vem realizando atividades com diversos públicos e se tornando cada vez mais um espaço de educação não formal e entretenimento que abraça todos os segmentos sociais.

Fonte: foconanoticia.com.br