Tag Archives: mostra cinema

Cultura

Mostra Cinema e (Re)Invenções reúne os vencedores do 7º Prêmio BDMG Cultural/FCS de curta-metragem de baixo orçamento

Exibições em formato presencial e on-line contam com os curtas premiados, sessão especial Menção Honrosa, debates e curso gratuito

13 1 2021 minifcs

O BDMG Cultural e a Fundação Clóvis Salgado anunciam a mostra híbrida Cinema e (Re)invenções, que exibirá presencialmente no Cine Humberto Mauro e on-line, de 14 a 20 de janeiro de 2022, os filmes vencedores do 7º Prêmio BDMG Cultural / FCS de curta-metragem de baixo orçamento. A mostra conta com 48 curtas, sendo 20 contemplados com o 7º Prêmio e oito suplentes que receberam Menção Honrosa nesta edição, 20 contemplados com o 6º Prêmio (edição de 2020), além de debates e um curso on-line gratuito. Os filmes permanecem disponíveis durante todo o período da mostra em sessões especiais na plataforma CineHumbertoMauroMAIS. As exibições possuem versões em Libras, Legendas para Surdos e Ensurdecidos (LSE) e Audiodescrição, garantindo acessibilidade para todos os públicos.

Nesta seleção, o Prêmio trouxe como princípio norteador o pensamento de um “Cinema de Invenção”, como proposto pelo cineasta e crítico Jairo Ferreira. Assim, as possibilidades criativas são amplificadas, agregando estéticas e conceitos às condições tecnológicas de produção de imagens. Segundo Bruno Hilário, gerente de cinema da FCS, “é muito gratificante iniciar a programação 2022 do Cine Humberto Mauro com a exibição dos filmes inéditos contemplados pelo edital, que é realizado desde 2013 em parceria com o BDMG Cultural. As obras representam o vigor da produção mineira, tradicional no cenário nacional por valorizar processos de investigação da linguagem cinematográfica”.

A programação, dividida em cinco eixos temáticos cunhados pela estudante convidada Marina Lamas, busca fortalecer o desenvolvimento criativo da linguagem cinematográfica no espectro da produção mineira, dando visibilidade para novos talentos. A mostra também contará com a exibição no Cine Humberto Mauro dos filmes vencedores da 6ª edição do Prêmio, exibidos anteriormente apenas em formato on-line diante da situação de enfrentamento ao COVID-19. Dessa forma, o público também poderá conferir nas telas os 20 curtas-metragens que compuseram a mostra Instante Suspenso, realizada em fevereiro de 2021.

Cinema e (Re)invenções tem a coordenação geral de Bruno Hilário, gerente de cinema da Fundação Clóvis Salgado, produção de Mariah Soares e Vitor Miranda, autoração de Julio Cruz e assistência de programação de Marina Lamas.

A programação completa está disponível AQUI.

Olhares múltiplos
A Comissão de Seleção do Prêmio foi composta pela cineasta e roteirista Ana Carolina Soares (Belo Horizonte), a diretora criativa, curadora e consultora de projetos Grazi Medrado (Belo Horizonte) e o diretor e produtor Marco Antônio Pereira (Cordisburgo). Em trecho da ata da Comissão, os avaliadores destacam que se depararam, dentre os 92 filmes inscritos, com produções riquíssimas e distintas, vindas de muitas cidades de Minas Gerais – dentre os vinte curtas premiados, nove são do interior de MG. “Um repertório de filmes engenhosos, profundos, divertidos e urgentes. Documentários, ficções clássicas, videoarte, experimental, animação, filmes produzidos em um assombroso e cruel momento de isolamento social que abordam diferentes temas tão essenciais para o País. Buscamos fazer um recorte que contemplasse as questões mais discutidas da nossa sociedade e que revelasse esse tempo-agora a partir das narrativas apresentadas”, relatam os integrantes da Comissão de Seleção.

Ainda segundo a ata da Comissão de Seleção, os curtas premiados passaram por uma seleção mais plural. “Confirmamos o talento e beleza contidos em produções muitas vezes simples, e nos admiramos com tamanha capacidade criativa desses realizadores. Nos emocionamos com a força e coragem dos discursos e nos aproximamos das suas angústias e dores. Abraçamos em silêncio os minutos e seguimos os trajetos das formas” (LEIA AQUI a ata da Comissão de Seleção na íntegra).

O Prêmio BDMG Cultural / FCS de curta-metragem de baixo orçamento tem sido uma importante ferramenta de acesso ao fomento público por novos agentes. Ao longo de suas edições, a partir de uma série de atividades de formação, ampliou seu alcance no interior de Minas Gerais. Entre os premiados da 7ª Edição estão obras realizadas em cidades como Juiz de Fora, Viçosa, Sabará, São João Del Rey, Uberlândia, Sete Lagoas e Januária, além de Belo Horizonte. “São narrativas que ampliam os olhares sobre nosso Estado, o povo mineiro e quão diversa, potente e genuína é nossa manifestação cultural, neste caso retratada pela sétima arte” explica Hilário.

Primeira vez ao cinema
Karla Vaniely Rodrigues (24), contemplada na 7ª Edição do Prêmio com o curta Fi di quem? (2021), irá ao cinema pela primeira vez na vida – para tornar esse momento ainda mais especial, assistirá a um filme que ela mesma roteirizou e produziu. Natural da cidade de Januária, no sertão do norte mineiro, Karla não teve condições de sair de sua cidade para fazer faculdade de cinema. Então, pensou no que poderia fazer estando lá. “Após assistir Psicose, de Alfred Hithcock, em 2015, me apaixonei pelo cinema. Comecei a estudar roteiros, e por conta própria fui aprendendo, um pouquinho aqui e alí, me dedicando à sétima arte”, conta a jovem diretora.

“Nunca fui ao cinema. Essa emoção de comprar o ingresso, a pipoca, aguardar a sessão começar, nunca tive. Em Januária temos um cinema, mas ele está fechado há mais de trinta anos”, relata a realizadora. “Será uma emoção muito grande, pois a primeira vez que estarei sentada em frente a uma tela, vou assistir um filme que fiz. Vai ser uma experiência inesquecível”.

Em 2020, Karla foi convidada a fazer parte do coletivo de cinema Cine Barranco, da cidade de Januária. Com a chegada da pandemia, as atividades do coletivo como cineclube foram interrompidas, dando espaço para a criatividade e a reinvenção. Começaram a partir daí, a produzir filmes. “O estímulo para o filme foi o próprio Edital BDMG/FCS. Ele que motivou não só a mim, mas todos nós do coletivo, a fazermos filmes e enviá-los”, conta a diretora.

Segundo Karla, a ideia para o roteiro do curta-metragem Fi de quem? partiu de uma curiosidade: saber porque as pessoas do interior mineiro sempre perguntam “Você é filho de quem?”, ou em bom mineirês, “Cê é fi de quem?”. “As minhas inspirações foram minha avó e minha tia, que sempre ficavam na porta de casa, na rua, sentadas, conversando. Como minha avó mesmo diz, em uma “conversa de comadres”, relata. O texto do curta surgiu a partir da observação de como essas pessoas conversam, sempre ligando a pessoa à profissão, ao lugar de pertencimento, e à família. “O roteiro e a produção foram feitos em um mês. Quando saiu o resultado, fiquei tremendo de emoção. O momento foi grandioso não só para mim, mas para todos do Cine Barranco. Foi como uma confirmação de que tudo isso que estamos sonhando e trilhando está indo para o caminho certo. Foi fantástico”, celebra Karla.

Curso gratuito on-line
O Prêmio conta com atividades complementares que visam desmitificar processos de realização em baixo custo. Uma dessas ações é o curso exclusivo Cinema de Invenção, práticas comunitárias de realização. Em formato digital, o curso terá duração de 3 horas, e será ministrado por Leandro Wenceslau, mestre em Artes com experiência em direção, produção, edição e roteirização de filmes e vídeos publicitários, corporativos e culturais. A transmissão será feita ao vivo pelo Canal da FCS no Youtube e pela plataforma CineHumbertoMauroMAIS, simultaneamente, no dia 15/01, às 14h. Os participantes poderão interagir com o ministrante durante a aula, enviando suas perguntas através do chat. A participação é gratuita e não é necessária inscrição prévia.

O curso é destinado a alunos e professores de ensino de qualquer nível, profissionais do setor audiovisual do interior do estado de Minas Gerais, e interessados em geral. A ementa pretende explicitar processos e estratégias de produção audiovisual em contextos comunitários e periféricos, com o objetivo de percorrer os desafios da produção independente e de baixo custo em condições adversas. Estarão em debate estruturas que vão da criação à realização, do projeto ao fazer artístico, inter-relacionando indivíduos e territórios, experimentações, dilemas e compartilhamento de processos. 

A Mostra Cinema e (Re)invenções, da Fundação Clóvis Salgado, BDMG e BDMG Cultural, é realizada por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura pelo Ministério do Turismo / Secretaria Especial da Cultura / Governo Federal, pelo Governo de Minas Gerais / Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerias, Fundação Clóvis Salgado, BDMG e BDMG Cultural, e tem a APPA – Arte e Cultura como correalizadora. A FCS tem patrocínio master da Cemig, AngloGold Ashanti, ArcellorMittal e Unimed-BH / Instituto Unimed-BH, por meio das Leis Estadual e Federal de Incentivo à Cultura.

A Fundação Clóvis Salgado é integrante do Circuito Liberdade, complexo cultural sob gestão da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) que reúne diversos espaços com as mais variadas formas de manifestação de arte e de cultura em transversalidade com o turismo. Trabalhando em rede, as atividades dos equipamentos parceiros ao Circuito buscam desenvolvimento humano, cultural, turístico, social e econômico, com foco na economia criativa como mecanismo de geração de emprego e renda, além da democratização e ampliação do acesso da população às atividades propostas.

História do Prêmio
Criado em 2013, o Prêmio é uma parceria entre a FCS e o BDMG Cultural, que visa incentivar a produção audiovisual em Minas Gerais ao oferecer aos realizadores a possibilidade de desenvolver novas propostas estéticas e conceituais que utilizem ferramentas tecnológicas de baixo custo e fácil acesso para sua produção. O Prêmio nasceu com o objetivo de complementar o estímulo à cadeia produtiva do audiovisual pela FCS, com apoio à produção, que se juntou à difusão, promoção e formação já incorporados na atuação do Cine Humberto Mauro e das atividades formativas do BDMG Cultural. Ao longo das edições, o Prêmio reconheceu realizadores mineiros e viabilizou curtas-metragens que foram premiados em festivais nacionais e internacionais e tiveram diálogo com o FestCurtas BH. 

Leandro Wenceslau
Mestre em Artes pela PPGArtes-UEMG, sócio da produtora audiovisual Estalo Criativo, possui experiência em direção, produção, edição e roteirização de filmes e vídeos publicitários, corporativos e culturais. Seu primeiro curta-metragem “Enquanto Ainda é Tempo” foi exibido em mais de 30 festivais e mostras no Brasil, Peru, Colômbia, Argentina, Chile, Estados Unidos, Servia, Austrália e Itália, dentre outros. Também foi exibido em canais de TV como Canal Brasil, além de plataformas de Streaming e acumulou mais de 10 milhões de visualização no Youtube. É também produtor e roteirista do curta-metragem “Dourado” com exibição em mostras importantes como CineOP, CineBH, Mostra de Cinema de Florianópolis, Mostra Sesc, dentre outras. Ainda é idealizador e coordenador do projeto de Cine Vida que oferece oficinas de formação audiovisual desde 2015 em centros culturais na cidade de Belo Horizonte. Atualmente, realiza seu primeiro longa-metragem, o documentário “Lar”, premiado com prêmio DOCSP no 9º Brasil CineMundi – 9th International Coproduction Meeting e selecionado no edital BH nas Telas/FSA 2019. Além de estar em fase de produção e finalização dos curtas-metragens “Bolha”, premiado pelo Edital Curta MINC 2018, e “O mundo dos Sonhos” selecionado no edital BH nas Telas 2020.

Fonte: https://www.secult.mg.gov.br/