Tag Archives: matas de minas

Esporte

Ricardo Rezende – transformando talentos

Atleta, pai, lutador e competidor de Jiu-Jitsu, Ricardo Rezende, natural do Sul de Minas, atualmente reside em Santa Margarida, cidade interiorana localizada nas Matas de Minas. Campeão das maiores competições de Jiu-Jitsu do mundo, conta com aproveitamento de 95% de vitórias mantendo uma invencibilidade em 142 lutas seguidas.

Como consequência dessa crescente vitoriosa, surgiu a ideia de transformar talentos dentro da cidade, dando continuidade ao legado vitorioso e construindo novas possibilidades aos cidadãos margaridenses. Apesar de estar inserido em um contexto positivo e estável, a falta de infraestrutura e apoio dentro do município, torna lenta a disseminação de um novo estilo de vida.

“Acredito que a determinação, foco e força de vontade sejam os principais pilares de um campeão”, conclui Ricardo. Logo, mesmo com as adversidades, ele segue em frente com um propósito a ser realizado.

Dotado de força de vontade e desejo latente de transferir seu legado, nasceu em 2019 a Academia RR, com finalidade de proporcionar treinamentos avançados, difundindo uma disciplina de campeão nos alunos. Com vasta experiência em competições pelo Brasil e mundo, ele se comprometeu a montar um espaço amplo, com aparelhos modernos e montagem de uma equipe especializada, para os alunos terem uma experiência semelhante à de grandes centros.

“A meta do nosso aluno é a meta da nossa equipe.”

A Academia RR oferece:

  • Musculação
  • Funcional
  • Cross Fight
  • Funcional Kids
  • Jiu-Jitsu
  • Zumba

Também conta com aulas personalizadas, com profissionais de excelência, visando resultado e segurança para todos os alunos.

Títulos conquistados pelo lutador:

  • Tetracampeão Panamericano SJJSAF
  • Bicampeão Mundial CBJJO
  • Bicampeão do Internacional de Master IBJJF
  • Bicampeão da Seletiva de ABU DHABI
  • Campeão de vários opens e desafios de lutas casadas

Economia

Certificação internacional em tempo recorde

Em apenas três meses, um grupo de três produtores e quatro técnicos do Programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) Café+Forte, do Sistema FAEMG/SENAR/INAES, conseguiu o selo Rainforest Alliance. A certificação internacional identifica cafés cultivados em propriedades que seguem rigorosamente as leis do país e os padrões socioambientais estabelecidos pela certificadora. Os sete pequenos produtores da agricultura familiar têm, em média, uma área de 15 hectares de café plantado e são os primeiros desse porte a conseguir esse selo entre os 36 mil cafeicultores da Região das Matas de Minas.

Tadeu Vieira Otoni, técnico do ATeG, e Mauro Júnior, CEO da CertifiCafé

Feito no modelo convencional, o processo de certificação leva cerca de um ano até a sua conclusão. O tempo recorde do grupo foi resultado do comprometimento dos envolvidos, uma vez que a certificação em grupo só é validada se todos forem bem avaliados na auditoria, da assistência técnica e gerencial e da tecnologia da startup CertifiCafé. Ela é uma das startups da Rede Azys de Inovação e está avançada no processo de seleção para fazer parte do portfólio da NovoAgro Ventures.

Fundamental para a agilidade do processo, a startup elabora o diagnóstico da propriedade e disponibiliza um aplicativo que mostra aos cafeicultores as adequações a serem feitas. A cada etapa concluída, os produtores lançam na plataforma as comprovações em texto, áudio ou imagens e recebem relatórios sobre os progressos alcançados.

Ao final, toda a documentação necessária para a certificação fica disponível, de forma digital, para os produtores e os auditores, simplificando e diminuindo o custo do processo e otimizando o tempo de auditoria na propriedade. 

A superintendente do INAES, Silvana Novais, conheceu a ideia ainda no início, no evento Avança Café, promovido pela Embrapa em 2019. Reconhecendo o potencial e aplicabilidade da tecnologia para os produtores rurais, Silvana se prontificou a auxiliá-los no desenvolvimento da startup. E foi ela quem fez a ponte entre o grupo das Matas de Minas e os empresários Mauro Júnior, Luciano Oliveira e Leonardo Diniz.

“Esse projeto piloto contou com o olhar essencial dos agrônomos técnicos do ATeG Café+Forte. O programa prepara os produtores para organizar a propriedade, e a plataforma os faz enxergar as melhorias que precisam fazer para obter a certificação. Nesse sentido, um completa o outro, e fiquei muito feliz com o resultado”, explicou Silvana.

Produtor Rogério Dutra

Avaliação Positiva

“Ficamos felizes ao constatar mais uma vantagem do Programa ATeG, que é a economia durante o processo de certificação. A aprovação do grupo demonstrou que obter esse selo é possível e viável para os pequenos produtores. A solução da CertifiCafé democratiza a certificação e esperamos levá-la a mais atendidos pelo ATeG. A certificação gera oportunidade de crescimento e abertura para o mercado internacional.” – Marcos Reis, gerente do Sistema FAEMG/SENAR/INAES em Viçosa

“A metodologia do ATeG já atende a muitas exigências das certificações, tendo como pontos fortes a sustentabilidade, o manejo integrado de pragas e doenças, o manejo da água e do solo e a gestão. O SENAR também oferece aos produtores treinamentos que são exigidos pela legislação brasileira e, com isso, temos produtores mais preparados.” – Daniel Prado, supervisor do programa na regional Viçosa, que participou do grupo junto  com a esposa Dulcinéia Prado

“O Sistema FAEMG está preocupado em levar tecnologia e inovação para os produtos, e a parceria da CertifiCafé com o ATeG comprova a efetividade e a importância dessa conexão. Com as orientações técnicas e a nossa metodologia, conseguimos o resultado a um custo 60% menor do que a certificação no método convencional.” – Mauro Júnior, CEO da CertifiCafé

“Essa conquista é histórica e, sem o ATeG, seria impossível. Rodamos 4.000 quilômetros para acompanhar o grupo de perto. Conseguimos mudar a mentalidade do produtor, que achava a certificação difícil e demorada e, agora, estão a vendo como aliada. Queremos treinar os técnicos do ATeG para usarem a tecnologia e multiplicarem esse feito.” – Luciano Oliveira, consultor e CMO da CertifiCafé

“Certificações em grupo diminuem os custos para todos os envolvidos. Para nós, foi importante participar desse projeto piloto para conhecer o perfil dos produtores da região e entender as demandas para mais trabalhos. O selo Rainforest Alliance é uma chancela de qualidade e sustentabilidade importante. Existe uma procura crescente por produtos com esse certificado no mercado internacional.” – Alexandre Schuch, gerente do Group Ecocert no Brasil

“Sempre nos preocupamos com a sustentabilidade na nossa propriedade, e a conquista do selo é uma vitória para nós. Somos gratos pela oportunidade de fazer parte desse grupo.” – Selma Garcia Gonçalves ,esposa de Arnaldo Gonçalves, atendidos pelo ATeG,em Divino

“Participei do processo como produtor e como técnico do ATeG. A conquista foi uma satisfação dupla. Nesse período, trabalhei com os produtores Rogério Dutra e Gilson Clemente uma visão mais criteriosa da organização das propriedades e, principalmente, da qualidade de vida e segurança do trabalho.” – Tadeu Vieira Otoni, técnico do ATeG em Santa Margarida

“Trabalhamos em família no Sítio Jasminum e a certificação só foi possível porque contei com o auxílio dos meus pais e irmãs. Vencemos juntos. Fiz o plano ambiental e o licenciamento, e o meu pai melhorou a organização e a eficiência na execução das atividades em campo. Trabalhamos com café especial, e o selo é um grande passo para a produção de cafés sustentáveis. A experiência foi um aprendizado que levarei aos produtores que acompanho no ATeG.” – Jéssica do Carmo, técnica de campo do ATeG e produtora

Lista dos certificados

Dulcinéia Carvalho de Abreu Prado
Jéssica do Carmo
Sebastião Brinate
Tadeu Vieira Otoni
Rogério Dutra 
Arnaldo Gonçalves de Jesus
Gilson Gomes Clemente

Fonte: http://www.sistemafaemg.org.br/

Economia

Sérgio Cotrim eleito presidente do Conselho das Matas de Minas

O cafeicultor e engenheiro agrônomo Sérgio Cotrim D’Alessandro foi eleito diretor presidente do Conselho das Entidades do Café das Matas de Minas. A diretoria é composta ainda pelo Diretor Administrativo Fernando Romeiro Cerqueira e o Diretor Financeiro Sebastião de Lourdes Lopes.

O Conselho das Entidades da Região das Matas de Minas reúne representantes de produtores, cooperativas de crédito e produção, sindicatos, associações, organizações  de pesquisa e extensão, poder público e demais envolvidos na cadeia produtiva do café. Trata-se de uma governança  voltada ao desenvolvimento dos cafeicultores dos 64 municípios que compõem a área reconhecida como Região das Matas de Minas, comunicando uma cafeicultura “Naturalmente Artesanal“.

“Quero agradecer a confiança dos membros do conselho e contando com o apoio de sempre para exercemos uma boa governança. Muitas ações aconteceram desde o início do projeto com apoio fundamental do Sebrae-MG, tendo hoje a Região das Matas de Minas conquistado o reconhecimento da Indicação de Procedência pelo INPI. Será desenvolvida uma gestão estratégica  para proteção e comunicação ao mercado da IP de nossa região, dentre elas o trabalho com  novas lideranças e parcerias para o desenvolvimento da Região das Matas de Minas” – destaca o novo presidente, Sérgio Cotrim D´Alessandro.

Entre as propostas do novo presidente, estão fortalecer o sentimento de pertencimento dos produtores da Região das Matas de Minas e buscar incessantemente trabalhar pela percepção dos consumidores quanto a Indicação de Procedência (IP) das Matas de Minas, posicionando a região como uma Origem Controlada reconhecida pelos  consumidores, dentro dos pilares da Qualidade artesanal, Sustentabilidade natural e desenvolvimento coletivo.

Participaram da eleição, os representantes da SCAMG (Associação de Cafés Especiais de Minas Gerais), Sicoob Credisudeste, Sicoob Credilivre, Sindicatos dos Produtores Rurais de Manhuaçu, Lajinha e de Manhumirim, Sicoob União dos Vales, Coocafé, Sicoob Credcooper e Sicoob Credicaf.

MATAS DE MINAS

O projeto Café das Matas de Minas começou em 2011 com o objetivo de desenvolver a cafeicultura na região. É baseado em quatro pilares: qualidade, identidade, governança e mercado. Busca valorizar o café dessas localidades, organizar as ações dos produtores e estimular o acesso a mercados.  A iniciativa inclui ainda ações de capacitação e orientação ao produtor sobre o processo de melhoria da qualidade, governança e identidade.

A Região das Matas de Minas está situada em uma área de Mata Atlântica, no leste de Minas Gerais, e compreende cerca de 36 mil produtores de café, responsáveis pela produção de 7 milhões de sacas anuais, 24% do total no estado. Em 64 municípios, com 275 mil hectares plantados na área demarcada, os produtores geram cerca de 75 mil empregos diretos e 156 mil empregos indiretos na colheita do café.  

A produção é naturalmente sustentável, marcada pela predominância da agricultura familiar, gerando impacto econômico e social direto e indireto, além de estimular fatores culturais presentes na cafeicultura da região. 

Em 2017, foi criado o Selo de Origem Região das Matas de Minas, iniciativa que garante a origem do produto, permitindo a rastreabilidade, definindo o processo de produção e contribuindo para a qualidade do produto.  Em dezembro de 2020, a região produtora de café Matas de Minas recebeu a chancela de Indicação de Procedência (IP) pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).

Ao longo dos anos, o café Matas de Minas recebeu diversas premiações de relevância nacional e internacional, como, por exemplo, os prêmios Ernesto Illy de Qualidade do Café para Espresso, Concurso de Qualidade dos Cafés de Minas,  Coffee of The Year, Concurso de Qualidade ABIC e Cup of Excellence, dentre outros. 

Fonte: https://www.portalcaparao.com.br/

Cidades

Projeto Saúde no Meu Quintal valoriza uso de plantas medicinais

Identificar e valorizar a cultura popular de cultivo e utilização de hortaliças tradicionais e plantas medicinais nos cuidados com a saúde e na agropecuária. Esses são os objetivos do projeto Saúde no Meu Quintal, desenvolvido em quatro municípios da Zona da Mata mineira: São Pedro dos Ferros, Raul Soares, Jequeri e Santo Antônio do Grama. Por meio do projeto foram realizadas diversas oficinas sobre temas variados, como tratamentos homeopáticos.

A iniciativa é da Emater-MG, empresa vinculada à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais, e conta com a parceria da Universidade Federal de Viçosa (UFV), Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), Parque Estadual do Rio Doce, prefeituras, Igreja Católica, Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) e o Centro de Referência de Assistência Social (Cras).

Por meio do projeto, 110 participantes puderam compartilhar experiências, identificar as plantas medicinais mais comuns, realizar a troca de mudas e sementes, e o preparo de receitas. “Ainda podemos ressaltar a prática dos agricultores em relação ao uso de plantas medicinais para a conservação e saúde do solo, plantas e animais, possibilitando produzir de forma sustentável”, diz a coordenadora da área de Bem-estar social da Emater-MG, Sheilla Lourdes de Oliveira Forza.

De acordo com ela, os participantes têm bastante interesse pelos temas trabalhados. “E uma imensa vontade de utilizar os conhecimentos ancestrais sobre as ervas medicinais para os cuidados com a propriedade, animais e família”, conta a extensionista da Emater-MG.

Sheilla Forza ressalta que a iniciativa tem ajudado na redução do uso de agrotóxicos nas hortas e pomares, contribuindo no bem-estar das famílias e preservação ambiental. “O trabalho proporcionou aos agricultores, que sempre recorriam a produtos veterinários ou insumos sintéticos, terem uma segunda opção, produzindo a preços baixos seus próprios preparados para os males mais simples e corriqueiros na propriedade”, relata a extensionista.

O projeto tem realizado diversas oficinas, como: produção de caldas naturais, homeopatias, pomadas, xaropes, óleos, tinturas e plantio de mudas.

MelhorAção

O Projeto Saúde no meu Quintal foi um dos vencedores regionais do prêmio MelhorAção 2020. Os autores do projeto são da unidade regional da Emater-MG de Ponte Novas: Andréia Cristina Moreira Lopes, Luivia Maria Pereira Martins, Lucemar Coura, Sheily da Silva Milagres e Renato Santos Silva,

A iniciativa da Emater-MG tem como objetivo reconhecer e disseminar, interna e externamente, ações e projetos inovadores que tenham obtido resultados relevantes para a empresa ou para os clientes da Emater-MG, tendo ainda como perspectiva a ampliação dos conhecimentos dos colaboradores nas ações de assistência técnica e extensão rural.

Assessoria de Comunicação – Emater-MG

Fonte: www.portalcaparao.com.br