Tag Archives: cultura

Cultura

“Museus: perdas e recomeços” é o tema da 15ª edição da Primavera de Museus

Museus da Secult-MG e Circuito Liberdade  participam com ações diversificadas em formato presencial e virtual

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) e o Circuito Liberdade participam da 15ª Primavera de Museus com uma série de atividades, que ocorrem de forma presencial e virtual em museus do Estado e equipamentos do complexo cultural e em suas respectivas redes sociais. Entre os destaques, está a apresentação de um quarteto de cordas formado por musicistas da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais no Museu Mineiro, no Circuito Liberdade, em Belo Horizonte. O evento acontece na próxima terça-feira (21/9), às 18h. No repertório, obras de Mozart e Piazzolla e os ingressos gratuitos podem ser retiraos no Museu Mineiro, distribuídos por ordem de chegada.

Em Cordisburgo, o Museu Casa Guimarães Rosa promove a oficina de miniaturas sobre o patrimônio material e imaterial de Cordisburgo “No só quase lugar, um patrimônio do tamanho do mundo”, nos dias 23 e 24/9. Já em Ouro Preto, nos dias 25 e 26/9, acontece a oficina “Passos de Guignard” – Passeio e oficina de fotografia digital no Circuito “Passos de Guignard”, promovida pelo Museu Casa Guignard.

O tema da 15ª Primavera de Museus deste ano é “Museus: Perdas e Recomeços”. A leitura feita é de que a primavera é símbolo de recomeço e, na nova estação, a natureza se recupera e se torna florida e verdejante novamente, mostrando que um novo ciclo tem início. Em 2021, a primavera vem com um significado ainda mais especial. Cerca de um ano e meio após a declaração de pandemia de Covid-19 ter sido feita pela Organização Mundial de Saúde (OMS), os países começam a apresentar avanço na contenção do coronavírus. O momento é também de reflexão e serve para avaliar as perdas e os recomeços. É sobre isso que trata a 15ª Primavera de Museus, promovida pelo Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM).

Ao lidar com tantas perdas e tantas dores, é impossível que o homem não reflita sobre o impacto que este momento tem, não somente no tempo presente, mas em suas memórias e em seu futuro. Com o tema “Museus: Perdas e Recomeços”, a 15ª Primavera de Museus é um convite para refletir sobre a função dos museus neste momento que, embora não tenha acabado, exige desde já a elaboração das perdas, tratando da guarda do que restou e assegurando que, como em tantas outras vezes, o que restou enseja recomeços.

Confira a programação completa da Secult e do Circuito Liberdade abaixo:

Programação Primavera de Museus 2021

Museus da Secult

Centro de Arte Popular (Belo Horizonte, Circuito Liberdade)

Palestra “Resgatando histórias e ressignificando o bordado”

Convidada: Maria do Carmo Guimarães

Data: 21 de setembro de 2021

Horário: 17h

Local: Canal do Youtube do Centro de Arte Popular


Vídeo-Oficina de Confecção de Flores de Argila

Convidado: Clara Assumpção

Data: 24 de setembro de 2021

Horário: 13h

Local: Redes Sociais do CAP


Museu Casa Alphonsus de Guimaraens (Mariana)

Palestra “Amanhã tudo isso será tinta: Alianças de sangue e escrita entre os Guimarães e Guimaraens”

Convidado: Domingos Guimaraens

Data: 20 de setembro de 2021

Horário: 19h

Local: Canal do Youtube do Museu Casa Alphonsus de Guimaraens


Oficina “Poemas na Janela” (Oficina de Kirigami)

Ministrante: Hermes Perdigão

Data: 22 e 24 de setembro de 2021

Horário: das 14h às 16h

Local: Google Meet

Link para Inscrições: https://forms.gle/oKkq6x8kXqBDzi9H6


Museu Casa Guignard (Ouro Preto)

Palestra “Peritagem em Obras de Arte”

Convidado Pedro Cavalheiro

Data: 23 de setembro de 2021

Horário: 19h

Local: Canal do Youtube do Museu Casa Guignard


Exposição Temporária “A Negritude na Poética Modernista de Guignard”

Data de abertura: 24 de setembro de 2021

Encerramento: 12 de junho de 2022

Horário: 12h às 18h

Local: Museu Casa Guignard


Oficina “Passos de Guignard” – Passeio e oficina de fotografia digital no Circuito “Passos de Guignard”

Data: 25 e 26 de setembro de 2021

Horário: 9h às 15h

Local: Museu Casa Guignard

Inscrições: a partir de 9 de setembro de 2021

Link para as inscrições: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdv3LwMdWxHdLbGu6DXqSZHkHg3X4MmiBNrJEq4KncjEFVuHg/viewform

Museu Casa Guimarães Rosa (Cordisburgo)


O
ficina “No só quase lugar, um patrimônio do tamanho do mundo” – Oficina de Miniaturas sobre o patrimônio material e imaterial de Cordisburgo

Convidado: Willi de Carvalho

Data: 23 e 24 de setembro de 2021

Horário: 14h às 16h30

Local: Museu Casa Guimarães Rosa

Inscrições de 9 a 20 de setembro de 2021

As inscrições serão realizadas diretamente no Museu Casa Guimarães Rosa.


Museu do Crédito Real (Juiz de Fora)

Esquete teatral “Brincando com dinheiro”

Convidado: Adelino Benedito (“Vovô Jerê”)

Data: 24 de setembro de 2021

Horário: 19h

Local: Redes Sociais do Museu do Crédito Real

Museu Mineiro (Belo Horizonte, Circuito Liberdade)

Minicurso “Museus: lugares de memória e resistência”

Convidado: Rangel Sales

Data 21 e 23 de setembro de 2021

Horário: das 19h às 21h

Local: Google Meet

Link para inscrições: https://www.sympla.com.br/minicurso-museus-lugares-de-memoria-e-resistencia__1345364


Concerto de Câmara

Grupo: Quarteto de cordas formado por musicistas da Filarmônica de Minas Gerais

Artistas: Rodrigo de Oliveira (violino); Laura von Atzingen (violino); João Carlos Ferreira (viola); Philip Hansen (violoncelo).

Data: 21 de setembro de 2021

Horário: 18h

Local: Museu Mineiro (Evento Presencial)

Ingressos gratuitos no Museu Mineiro, distribuídos por ordem de chegada.


Museu dos Militares Mineiros (Belo Horizonte, Circuito Liberdade)

Lançamento do Catálogo Virtual do Museu dos Militares Mineiros, elaborado por Bruna Ferreira com orientação de Ana Cecília Veiga

Data: 22 de setembro de 2021

Horário: 15h

Site: https://catalogovirtualmmm.wixsite.com/2021


Sistema Estadual de Museus

Abertura da 15ª Primavera dos Museus

Convidados: Pollyanna Lacerda (Coordenadora do SEMMG);

Alexandre Milagres (Diretor de Museus/ Secult)

Data: 20 de setembro de 2021

Horário: 18:30

Local: Canal do Youtube do Museu Casa Alphonsus de Guimaraens

Link das inscrições para recebimento de certificado: https://www.sympla.com.br/15-primavera-de-museus—abertura__1326296

Live “Perdas e recomeços – para refletir a função dos museus”

Convidados: André Leandro Silva (MHJNB UFMG);Felipe Eleutério Hoffman (UFMG);Felipe Eleutério Hoffman (UFMG);Alice Colluci (Comitê Gestor SEMMG).

Data: 22 de setembro de 2021

Horário: 17 h

Local Canal do Youtube do Sistema Estadual de Museus de Minas Gerais

Link das inscrições para recebimento de certificado: https://www.sympla.com.br/live—perdas-e-recomecos-reflexao-sobre-a-funcao-dos-museus__1326305

Seminário “Relatos de Experiência – painéis para apresentação de projetos inspiradores e bem sucedidos nos museus”

Data: 24 de setembro de 2021

Horário: 10h às 12h

Local: Canal do Youtube do Sistema Estadual de Museus de Minas Gerais

Link para as inscrições: https://www.sympla.com.br/ii-relatos-de-experiencias—semmg__1326310

CIRCUITO LIBERDADE (geral)

23/09/2021 a 25/09/2021 – 09h às 12h CURSO – Olhar a Cidade – cartografias afetivas, propõe uma investigação do espaço urbano como forma de estimular a percepção das dimensões estéticas, históricas e afetivas da cidade. Prof. Lucas Amorim. Local: Curso virtual com inscrição prévia pelas redes sociais do Circuito Liberdade. @circuitoliberdade

23/09/2021 VISITAÇÃO – O Circuito Liberdade celebra a chegada da primavera com o lançamento da rota de visitação “Praças, Parques e Jardins Internos”, convidando o público a experienciar os dias mais floridos que recomeçam Local: Redes sociais do Circuito Liberdade @circuitoliberdade

CASA FIAT DE CULTURA

21/09/2021 OUTROS – Projeto de Acessibilidade – Painel do Portinari. Lançamento de peça tátil com audiodescrição e conteúdo em braille sobre o painel Civilização Mineira, de Candido Portinari Local: http://www.casafiatdecultura.com.br/

21/09/2021 a 23/09/2021 – 19h às 20h30 PALESTRA – Webinário | Conversas sobre Perguntas. Falaremos sobre a interpretação de um presente contínuo e como fio condutor dos encontros a Palavra. Parceria com MM Gerdau e Memorial Vale. Local: https://bit.ly/CasaFiatYouTube

 22/09/2021 – 17h às 17h15 OUTROS – Arte em 15 | O Rapto de Perséfone. Duas obras que tratam do mesmo tema, a história do rapto de Perséfone ou Proserpina, serão analisadas e contrapostas. Uma celebração à chegada da Primavera. Local: https://bit.ly/CasaFiatYouTube

 23/09/2021 – 19h às 20h VISITA MEDIADA – Visita virtual mediada / Exposição Na boca da mata AhNa exposição a artista plástica Carolina Botura propõe uma atmosfera de encantamento, convidando o público a sentir essa conexão universal. Local: https://bit.ly/CasaFiatYouTube

CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL – CCBB BELO HORIZONTE

20/09/2021 a 26/09/2021 – 10h às 19h 163 OFICINA – Entre julho e outubro, o Lugar de Criação abre um diálogo com o Patrimônio Cultural e Natural em uma série de quatro propostas que, em pequenos experimentos, conectam esse tema a nossa vida cotidiana. Local: http://www.ccbbeducativo.com/lc-virtual

20/09/2021 a 26/09/2021 – 10h às 19h OFICINA – O Lugar de Criação “Patrimônio Material” convida famílias e públicos de todas as idades para uma investigação sobre a nossa relação com os objetos e o colecionismo. Você vai precisar de um celular. Local: Redes sociais do CCBB e site do Programa CCBB Educativo – Arte Educação

20/09/2021 a 26/09/2021 – 10h às 19h OUTROS – O site CCBB Educativo – Patrimônio Memória reúne audioguias, visitas virtuais e materiais educativos sobre os centros culturais localizados em Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo. Local: http://patrimonioememoria.ccbbeducativo.com/audioguia-ccbb-bh/

20/09/2021 a 26/09/2021 – 12h às 13h VISITA MEDIADA – Nas visitas mediadas os educadores se juntam ao público para dialogar, sobre as obras, produzindo novos significados a partir das narrativas presentes na exposição do argentino Leandro Erlich.

20/09/2021 a 26/09/2021 – 18h às 19h VISITA MEDIADA – Nas visitas mediadas os educadores se juntam ao público para dialogar, sobre as obras, produzindo novos significados a partir das narrativas presentes na exposição do argentino Leandro Erlich.

20/09/2021 a 26/09/2021 – 15h às 16h VISITA MEDIADA – Programa CCBB Educativo realizará visitas mediadas especiais com foco no patrimônio cultural do CCBB-BH em diálogo com a história de Belo Horizonte. Local: http://www.ccbbeducativo.com/visitas

22/09/2021 – 15h às 17h 164 ENCONTRO – Neste encontro, Mônica Hoff abordará as ideias de tramas de aprendizagem e pedagogias a partir de investigações e projetos desenvolvidos na mediação das práticas artísticas e educativas. (Libras) Local: www.ccbbeducativo.com

23/09/2021 – 14h às 17h ENCONTRO – Produzir arte é produzir encontros. A próxima edição do Processos Compartilhados, terá como convidadas Ania Rodriguez, sócio-diretora e a Karen Ituarte, Gerente de projetos da Arte A. Local: Link para inscrição no www.ccbbeducativo.com

24/09/2021 – 14h às 17h ENCONTRO – O laboratório de crítica irá discutir fragilidades e possibilidades da curadoria em museus no Brasil. A partir da problematização da relação entre continuidade e recomeço. Com Cauê Alves. Local: Link para inscrição no www.ccbbeducativo.com

CENTRO DE MEMÓRIA MINAS TÊNIS CLUBE

16/07/2021 a 31/12/2021 – 10h às 20h EXPOSIÇÃO – Trata-se da exposição de fotografias “Imagens Descobertas”, que reúne 20 fotos de 1943 a 1975, de Bruno R. M. da Costa, referentes à cena esportiva de BH. Serão oferecidas visitas mediadas.

ESPAÇO DO CONHECIMENTO UFMG

20/09/2021 a 26/09/2021 – 19h às 22h EXIBIÇÃO DE FILME – Exibição na Fachada Digital de conteúdos da nova exposição virtual do Espaço do Conhecimento UFMG, Sertão Mundo.

20/09/2021 – 12h 167 LANÇAMENTO – O catálogo Saberes Indígenas e Etnofármacos foi elaborado por bolsistas do Espaço do Conhecimento UFMG e traz informações sobre o uso de plantas medicinais pelos Maxakalí, Pataxó, Xakriabá e Yanomami.

23/09/2021 – 17h às 18h APRESENTAÇÃO – Descobrindo o Céu especial: construção da sessão on line semanal de astronomia como forma de suprir o fechamento do planetário devido a pandemia, e os desafios dessa nova atividade. Youtube: espacoufmg.

25/09/2021 – 10h OFICINA – A oficina apresentará termos do universo museal em Libras, contribuindo para a interação do público surdo com os espaços museais. Serão discutidas estratégias para melhor atender o público surdo.

MEMORIAL MINAS GERAIS VALE

01/09/2021 a 29/09/2021 – 14h às 14h AÇÃO EDUCATIVA – Sementes da Diáspora – o Educativo convida a reflexão sobre os diversos protagonismos negros, muitas das vezes apagados e embranquecidos. Postaremos minibio de algumas personalidades nas redes social. Local: Evento virtual, nas redes sociais do Memorial.

03/09/2021 a 24/09/2021 – 11h às 11h AÇÃO EDUCATIVA – Dicas Pretas – indicações de conteúdos culturais que visam refletir e conhecer mais sobre a identidade negra. Local: Evento virtual, nas redes sociais do Memorial.

20/09/2021 a 24/09/2021 – 18h às 18h AÇÃO EDUCATIVA – Casa e Memória – ação iniciada na 19ª Semana de Museus, traz registros em vídeo, Cápsulas para o Futuro, onde nossos convidados compartilharam suas coleções pessoais, objetos de valor, etc. Local: Evento virtual.

23/09/2021 – 19h às 20h30 PALESTRA – Webnário Conversas Sobre Perguntas – iremos debater a interpretação de um tempo presente contínuo e teremos como fio condutor do nosso encontro a Palavra: corpo, conhecimento, corpo, presente. Local: Evento virtual.

24/09/2021 – 17h às 18h MESA REDONDA – Live – Conversa de Galeria: Memória e Diálogos Museais em Tempos Pandêmicos – o Educativo do MMGV propõe um debate sobre desafios e precariedades acerca do trabalho museal no distanciamento social. Local: Evento virtual.  

27/09/2021 – 18h às 18h 169 OUTROS – Dia Mundial do Turismo – Em celebração ao Dia Mundial do Turismo serão postados 10 pequenos vídeos no estilo Reels onde é feita uma relação entre as salas expositivas do Memorial e tipos de Turismo. Local: Evento virtual, no Instagram do Memorial.

MM GERDAU – MUSEU DAS MINAS E DO METAL

21/09/2021 a 23/09/2021 – 19h às 20h30 MESA REDONDA – Conversa sobre Perguntas 2021 – Palavras. Encontro entre os espaços MM Vale, Casa Fiat de Cultura e MM Gerdau, para diálogos em torno da Palavra. Convidada: Lilia Schwarcz, historiadora e antropóloga Local: https://www.YouTube.com/user/MuseuMinasMetal

28/09/2021 – 19h às 20h30 LANÇAMENTO – Dia nacional do Surdo – Librário Digital MM Gerdau. Jogo didático pedagógico, com caráter científico, criativo, artístico e cultural, que busca promover a aprendizagem de Libras de maneira lúdica. Local: https://www.YouTube.com/user/MuseuMinasMetal

29/09/2021 a 30/09/2021 – 19h às 20h30 LANÇAMENTO – Plano Museológico MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal. Tendo como convidado Felipe Carvalho – Presidente do Conselho Regional de Museologia 2ª Região – COREM 2R. Local: https://www.YouTube.com/user/MuseuMinasMetal

Fonte: https://www.secult.mg.gov.br/

Cultura

Biblioteca Estadual recebe primeira edição da Mostrô

“Mostra de Arte e Cultura Urbana de Gente que Ama o que Faz” vai promover diferentes segmentos da cultura e impulsionar a economia criativa do estado

23 8 2021 minimostro

As tradicionais feiras de livros estão de volta. Dessa vez, em formato reduzido e cumprindo os protocolos de distanciamento social, a Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais recebe a “Mostrô – Mostra de Arte e Cultura Urbana de Gente que Ama o que Faz”. No sábado (28/8), das 9h às 18h, acontece a primeira edição gratuita e ao ar livre do evento, no Teatro de Arena da Biblioteca Estadual. O acesso ao espaço se dará pela Rua da Bahia.

Nessa primeira edição, que é realizada pela Da Terra Gestão Cultural e tem o apoio institucional da Biblioteca Estadual de Minas Gerais, do Circuito Liberdade e da Câmara Mineira do Livro, serão mais de 20 expositores, fazedores de arte, cultura e gastronomia. Durante o evento, também serão lançados títulos publicados pelo Grupo Editorial Caravana, como “Angie”, de Leonardo Costaneto, e “O rei dos imóveis”, de France Gripp. Outras publicações da editora também estarão disponíveis para comercialização. Acesse AQUI a relação completa dos livros.

A programação da mostra conta, ainda, com um café literário organizado pelo empório Arreda pra Cá, trazendo um pouco do que há de melhor na Cozinha Mineira. E haverá, também, atrações musicais com presença da DJ Fê Linz, que vai ambientar o espaço com ritmos característicos das décadas de 1960 a 1990.

A “Mostrô – Mostra de Arte e Cultura Urbana de Gente que Ama o que Faz” foi idealizada para promover a diversidade cultural de nosso estado e, nos próximos meses, vai evidenciar diferentes linguagens artísticas, como artesanato, gastronomia, design e literatura. As edições ocorrerão sempre aos sábados, até o mês de dezembro. A proposta é valorizar a economia criativa de Minas Gerais ao dar visibilidade ao trabalho de artistas, produtores e trabalhadores e trabalhadoras da cultura no estado.

A Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais é um equipamento da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) e integra o Circuito Liberdade, em Belo Horizonte.

Serviço
Mostrô – Mostra de Arte e Cultura Urbana de Gente que Ama o que Faz
Data:
 28/8 (sábado)
Horário: das 9h às 18h
Local: Teatro de Arena da Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais (Praça da Liberdade, 21 – Savassi, Belo Horizonte – MG)
Endereço: Entrada pela Rua da Bahia, sem nº.
Entrada gratuita

Fonte: https://www.secult.mg.gov.br/

Turismo & Lazer

Conheça um pouco da História de Mariana: A primeira cidade de Minas

Ouro, fé, arte e pioneirismo marcam os três séculos da histórica Mariana

Primeira capital, primeira vila, sede do primeiro bispado e primeira cidade a ser projetada em Minas Gerais. A história de Mariana, que tem como cenário um período de descobertas, religiosidade, projeção artística e busca pelo ouro, é marcada também pelo pioneirismo de uma região que há três séculos guarda riquezas que nos remetem ao tempo do Brasil Colônia. 

Em 16 de julho de 1696, bandeirantes paulistas liderados por Salvador Fernandes Furtado de Mendonça encontraram ouro em um rio batizado de Ribeirão Nossa Senhora do Carmo. Às suas margens nasceu o arraial de Nossa Senhora do Carmo, que logo assumiria uma função estratégica no jogo de poder determinado pelo ouro. O local se transformou em um dos principais fornecedores deste minério para Portugal e, pouco tempo depois, tornou-se a primeira vila criada na então Capitania de São Paulo e Minas de Ouro. Lá foi estabelecida também a primeira capital. 

Em 1711 o arraial de Nossa Senhora do Carmo foi elevado à Vila de Nossa Senhora do Ribeirão do Carmo. Em 1745 o rei de Portugual, Dom João V, elevou a vila a categoria de cidade, nomeada como Mariana, uma homenagem à rainha Maria Ana D’Austria, sua esposa. Transformando-se no centro religioso do Estado, nesta mesma época a cidade passou a ser sede do primeiro bispado mineiro. Para isso, foi enviado, do Maranhão, o bispo D. Frei Manoel da Cruz. Sua trajetória realizada por terra durou um ano e dois meses e foi considerada um feito bastante representativo no Brasil Colônia. Um projeto urbanístico se fez necessário, sendo elaborado pelo engenheiro portugues militar José Fernandes Pinto de Alpoim. Ruas em linha reta e praças retangulares são características da primeira cidade planejada de Minas e uma das primeiras do Brasil.  

Além de guardar relíquias e casarios coloniais que contam parte da história do país, em Mariana nasceram personagens representativos da cultura brasileira. Entre eles estão o poeta e inconfidente Cláudio Manuel da Costa, o pintor sacro Manuel da Costa Ataíde e Frei Santa Rita Durão, autor do poema “Caramuru”. 

Pioneira em comunicação, nas suas terras foi instalada a primeira agência dos Correios no Estado, em 1730. Na época conhecida como “Correio Ambulante”, ela estabelecia a comunicação entre Rio de Janeiro, São Paulo e a capital mineira.

Em 1945, Mariana recebe do presidente Getúlio Vargas o título de Monumento Nacional por seu “significativo patrimônio histórico, religioso e cultural” e ativa participação na vida cívica e política do país, contribuindo na Independência, no Império e na República, para a formação da nacionalidade brasileira. 

Todo ano, em 16 de julho, Dia de Minas, o Governo do Estado de Minas Gerais instala-se na cidade, realizando cerimônia alusiva na Praça Minas Gerais que, pela harmonia e beleza plástica de seus monumentos, é um expressivo conjunto urbano da Minas colonial. 

A extração do minério de ferro é a principal atividade industrial do município, forte geradora de empregos e receita pública. Seus distritos desenvolvem atividades agropecuárias e apresentam artesanato variado, expressando a diversidade cultural de Minas Gerais. 

Tudo isso faz da “primeira de Minas” um dos municípios mais importantes do Circuito do Ouro e parte integrante da Trilha dos Inconfidentes e do Circuito Estrada Real. Uma cidade tombada em 1945 como Monumento Nacional e repleta de riquezas do período em que começou a ser traçada a história de Minas Gerais.

Os atrativos da charmosa cidade são vários, mas merecem destaque a Igreja São Francisco de Assis e a Igreja Nossa Senhora do Carmo, localizadas na Praça Minas Gerais e conhecidas como igrejas gêmeas. Já a Igreja São Pedro dos Clérigos é admirada pelo seu visual diferenciado, que confere uma beleza especial a mesma e a destaca em meio a paisagem.

Igreja Nossa Senhora do Carmo

Igreja Nossa Senhora do Carmo

Com sua forma retangular, a charmosa igreja apresenta inovações trazidas pela terceira fase do Barroco Mineiro, o estilo Rococó como uma belíssima portada ornamentada com o brasão da irmandade esculpida em pedra-sabão. O templo foi restaurado após um incêndio e hoje exibe grande parte das obras que lhe conferiram fama. Curiosamente, o altar-mor não foi consumido pelas chamas, o que reforça a crença na santidade do templo.

Igreja São Francisco de Assis

Igreja São Francisco de Assis

Um dos mais interessantes templos de Mariana. Uma igreja que causa arrepios, tanto por sua fantástica arquitetura quanto pelas 95 sepulturas presentes em seu interior. Uma delas, inclusive, é do renomado escultor Mestre Ataíde, que produziu os painéis nos forros da nave, representando o dilúvio, e da sacristia, adornado com uma caveira que simboliza a morte e parece mover-se, por ilusão de ótica. Imperdível para quem gosta de história e curiosidades.

Igreja São Pedro dos Clérigos

Igreja São Pedro dos Clérigos

Exuberante pela sua localização, nela o visitante pode desfrutar de uma bela vista da cidade. O risco da igreja é de Antônio Pereira de Souza. É uma das três únicas igrejas barrocas de Minas com plano em redondo, característica revolucionária para a época. Seu principal construtor foi José Pereira Arouca. A construção é de 1752, mas a obra encontra-se inacabada. O altar-mor, talhado em cedro, e do teto do presbitério, provam que o templo seria majestoso se estivesse concluído. A torre da esquerda é original e de pedra e a da direita de tijolos, pois já caiu duas vezes. O telhado lembra um casco de tartaruga, enquanto o fundo um navio.

Praça Minas Gerais

Praça Minas Gerais
Foto: Acervo Setur MG | Sérgio Mourão O Centro Histórico de Mariana.

Toda cidade do interior conta com uma bela praça central, mas em Mariana, sua Praça Minas Gerais é o ponto onde se concentra o maior Patrimônio Histórico da cidade. Em torno dela estão as igrejas de São Francisco, de Nossa Senhora do Carmo, a antiga cadeia da cidade, onde hoje funciona a Câmara Municipal, e o Pelourinho, antigo local de castigos dos negros escravos na época colonial e imperial. Um lugar onde a vida do arraial se movimentava e que hoje conta essa história para você.

Catedral Nossa Senhora da Assunção (Sé)

Catedral Nossa Senhora da Assunção (Sé)

Foi trabalhada por dois grandes vultos da arte barroca: José Pereira Arouca e Manoel Francisco Lisboa, pai de Aleijadinho. No batistério há uma tela do pintor Atayde, com retábulos da primeira fase do barroco. Na pia batismal e no tapa vento, que é o mais belo da região, nota-se a presença surpreendente de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho. No altar-mor, a imagem de Nossa Senhora do Carmo, com o manto bordado a ouro, autenticamente português. A catedral da Sé de Mariana guarda um precioso tesouro musical: um órgão construído na primeira década do século XVIII em Hamburgo, Alemanha, por Arp Schnitger (1648-1719), um dos maiores construtores de órgãos de todos os tempos. Enviado inicialmente a uma Igreja Franciscana em Portugal, o instrumento chegou ao Brasil em 1753, como presente da Coroa Portuguesa ao primeiro Bispo de Mariana. Faz parte do acervo da Arquidiocese de Mariana, tombado pelo Patrimônio Histórico, e é o único exemplar da manufatura Schnitger que se encontra fora da Europa.

Mina de Ouro da Passagem

Mina de Ouro da Passagem
Foto: Acervo Setur MG | Sérgio Mourão Onde os sonhos eram contabilizados em forma de pepitas.

Por meio de um trolley, que chega a 315m de extensão e 120m de profundidade, o visitante desce até os subterrâneos da terra. Dentro da mina, o cenário é impressionante, com direito até a um maravilhoso lago natural. Desde a fundação da Mina da Passagem, no início do século XVIII, foram retiradas dali aproximadamente 35 toneladas de ouro. É a maior mina de ouro aberta à visitação do mundo. Visitá-la é como viajar na história, vivenciando a saga perigosa dos homens que procuravam seus sonhos nos veios das montanhas mineiras. Imperdível.

Fonte: https://www.mariana.mg.gov.br/ e https://www.minasgerais.com.br/

Turismo & Lazer

Da pista para a estrada – Projeto Pedal 031

“Como uma pessoa que, em meio a tanto caos, e sem saber quando vai poder voltar a trabalhar consegue se reinventar e cuidar da sua saúde mental e física?”

Lucas tem 29 anos e até março de 2020 ele era DJ, mas devido a pandemia se afastou dos palcos e deu início ao projeto Pedal 031.

Em 7 de março de 2020 foi seu último show e, depois de ver tantas pessoas tristes com a Pandemia, pensou em incentivá-las a ter uma vida mais saudável e positiva. Trocou seus patins em uma bicicleta e foi tomando gosto pelo pedal.

A princípio, sua intensão era apenas mostrar as belezas de Minas pelo caminho velho da Estrada Real, que vai de Diamantina a Parati. Mas o projeto deu certo, conseguiu patrocínios e houve a intereçao das pessoas que o segue nas redes sociais.

O ‘Pedal 031’ foi a resposta que encontrou para fugir das armadilhas que o cenário atual instalou na sociedade, stress, preocupações financeiras e, principalmente, o desgaste psicológico. Além de uma ótima desculpa para mostrar uma das grandes riquezas históricas de Minas e do Brasil, a Estrada Real. Pontos históricos e naturais, hotelaria, gastronomia, cultura e quando possível, pessoas.

“A gente precisa se reinventar, não precisa ser atleta nem ter a melhor bicicleta, basta se preparar, ter boa alimentação. O Pedal 031 nasce como uma fuga, mas cresce e ganha forma na descoberta cultural e nas belezas deste trajeto único, acrescenta Lucas. Não precisa sair de Minas pra se divertir, temos cachoeiras, boas pousadas, comida de qualidade, pontos turísticos legais. A pandemia me deu mais 10 anos de vida, me reinventei e vou conciliar meu trabalho de dj com o projeto.

Hoje ele conta com cerca de 90 mil seguidores em seu perfil do Instagram, e por lá mantém uma comunicação ativa com todos eles.

O projeto vai muito além da aventura e tem como objetivo não só a exposição cultural, mas mostrar algumas de nossas belezas, alertando as pessoas para a prática esportiva, os comércios que fomentam a economia local e turística. O que é muito interessante e os torna ainda mais conhecidos e com ótima visibilidade, principalmente na atual realidade do Brasil em que o turismo está começando a se reerguer.

Após o grande sucesso da primeira etapa, Lucas já iniciou a segunda, passando pelo caminho novo da Estrada Real; a aventura começou no dia 01/06/2021.

Empresas e empreendedores podem patrocinar o projeto, visto que é uma oportunidade incrível de grande visibilidade, uma vez que ele passará por diversas cidades de Minas, e finalizará no Rio de Janeiro. Lucas estará utilizando uma camisa com a logos das empresas que patrocinaram o projeto.

A viagem iniciou dia 01/06 em Diamantina e a ideia será finalizar dia 05/08 em Porto Estrela no Rio; como é de bicicleta, ela pode se estender um pouco, mas o plano é de 2 meses de viagem na Estrada Real – caminho novo.

Para saber mais sobre o projeto e também os apoiadores e patrocinadores atuais, basta entrar em contato com Érica da Agência Natusold (@agencianatusold) de Belo Horizonte.

Durante o trajeto, Lucas irá compartilhar conosco da Revista Viva Minas, dicas de pontos turísticos, comida local e muitas curiosidades. Acompanhe toda semana em nosso site e redes sociais!

Texto: Clarisse Alves
Informações/Fotos: Érica e Lucas Contato: (31)9.9492-3766

Cultura

Projeto online leva arte e cultura a estudantes de Itaúna

Alunos da Escola Municipal Profa. Celuta das Neves, de Itaúna (MG), terão a oportunidade de aprender e se divertir com o projeto “Brincando com Arte”. A iniciativa, que já circulou por diversas cidades de Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Goiás, retorna à vida escolar, desta vez no formato online.

Em oito aulas, transmitidas ao vivo, os participantes receberão informações teóricas e vivenciarão práticas de capacitação em artes cênicas, como a construção de bonecos, desenvolvimento de cenários, elaboração de objetos artísticos, ilustrações e outras técnicas.

As atividades tiveram início no dia 18 de maio e vão até 15 de junho. O resultado das aulas estará disponível, após o final do projeto, em uma exposição digital disponível ao público em geral, respeitando as devidas medidas de acessibilidade de conteúdo a pessoas com deficiência.

O “Brincando com Arte” tem o objetivo de incentivar o desenvolvimentode habilidades individuais e coletivas relacionadas à criação artística, sociabilidade e psicomotricidade. “É especial ver como os alunos se apropriam das técnicas compartilhadas e as desenvolvem com criatividade e estilo próprio, trazendo o conhecimento para a vida e para a comunidade”, explica Guilherme Aragão, coordenador do projeto.

O projeto “Brincando com Arte”, Pronac 182478, é uma realização da Bushido Produções, com patrocínio da Ferro+Mineração, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, e apoio da JMN Mineração.

Informações para a imprensa:

Hiper Teia Comunicação e Eventos – Janice Miranda (31)9.9821-0976

Cultura

Mostra Transversalidades na dança: corpo, política e educação ​

Estúdio ID Investiga Dança completa 35 anos de história e atuação na área da dança, com uma trajetória intensa de representatividade no cenário nacional

Em 2021 O Estúdio ID Investiga Dança, espaço de formação, criação e produção em dança, sediado na cidade de Ouro Preto/MG, completa 35 anos de história e atuação na área da dança, com uma trajetória intensa de representatividade no cenário nacional, a partir de uma perspectiva da valorização da diversidade e singularidades, buscando em sua matriz pedagógica e metodológica a hibridização de linguagens para se pensar a formação do corpo que dança.

Para iniciarmos esse ano de comemoração:

​Mostra Transversalidades na dança: corpo, política e educação

​A 1ª Mostra Transversalidades na dança: corpo, política e educação de Ouro Preto/MG tem como focos principais a valorização da dança enquanto área de conhecimento, a formação continuada em dança, o fomento e democratização da arte para o público em geral, bem como para o corpo docente e discente das escolas municipais e estaduais do município, com vistas a proporcionar e subsidiar a capacitação e aprimoramento dos potenciais artísticos locais, bem como contribuir para a preservação e a ampliação da pluralidade e diversidade culturais, educacionais e sociais em dança.

​Projeto contemplado pela Secretaria de Cultura e Turismo do Estado de Minas Gerais e do Governo Federal

Certificado de participação para mesas e oficinas

Mesa de abertura

“Dança e a educação nos limites da tela”, Isabel Marques/SP 

Dia 07/05/2021 às 20H 

Mesa 2 

“Formação em dança numa perspectiva antirracista”, Aline SerzeVilaça/Rio Claro/SP, Ivana Delfino Motta/Brasília, Maria Emília Gomes/SP

Dia 09/05/2021 às 20h 

Mesa 3  

“Dança, anatomia e singularidades”, Carol Lima/RJ

Dia 12/05/2021 às 20h

Mesa 4

“A escuta do corpo: Técnica Klauss Vianna” Jussara Muller/ Campinas/SP

Dia 15/05/2021 às 20h

Mesa 5

“Formação em dança: desafios, conflitos e contradições” Ana Regina Pinheiro/OP, Bárbara Mól/OP, Carla Gontijo/OP, Eduardo Batista/Mariana, Irielle Louise/OP, Irene Melillo/Itabirito, Ingrid Ribeiro/Mariana, Jussara Braga/Mariana, Laura Gomes/Mariana, Nina Albergaria/Mariana

Dia 16/05/2021

Mesa 6

“Poéticas do Movimento e do Brincar – a presença porosa das interações”

Katiane Negrão/ Brasília

Dia 18/05/2021 às 20h 

Oficinas formativas

Oficina 1

Dança, Corpo e Movimento para o desenvolvimento infantil 

Público alvo: artistas, terapeutas, arte-educadores, professores da rede municipal e estadual da educação infantil (UMEIS), mães, pais e outros profissionais interessados no desenvolvimento infantil.

Ministrante: Rossana Alves/ Brasília

Dias: 8 e 9/ 05/2021 (9h às 12h30min)

Oficina 2

Improvisação, uma linguagem que dança

Publico alvo: bailarinos, artistas da cena, estudantes da área da cena viva, diletantes com interesse neste modo de mover.

Ministrante: Dudude Hermmam/ BH

Dias: 10, 11 e 12/05/2021 (10h às 12h)

Oficina 3

Dançovivências negrojazzístas: metodologias teórico-práticas do JazzcomJazz

Público Alvo: artistas, bailarinos, pessoas interessadas em aprofundar na matriz originária da dança jazz (a partir dos 13 anos).

Ministrante: Aline SerziVilaça/ Rio Claro/SP.

Dias: 8, 9 e 10/05/2021 (15h às 17h)

Oficina 4

Coração Valente Solos em (de)composição

Público Alvo: artistas profissionais e estudantes da área cênica, teatro ou dança, maiores de 18 anos.

Ministrante: Katiane Negrão/ Brasília

Dias: 11, 12 e 13/05/2021 (15h às 18h)

Oficina 5

O que pode a dança em tempos pandêmicos?

Público alvo: estudantes, bailarinos, interessados em geral, a partir dos 14 anos.

Ministrante: Maria Emília Gomes/ SP

Dias: 17, 18 e 19/05/2021 (9h às 12h)

Oficina 6

O Estudo da Anatomia para melhor compreensão das individualidades no ensino da dança.

Público alvo: bailarinos, professores, diretores de escolas, artistas, pessoas interessadas no trabalho da anatomia para dança.

Ministrante: Carol Lima/ RJ

Dias: 15 e 16/05/2021 (9h às 12h)

Oficina 7

Dança Sankofa: trajetórias afro-orientadas para experiências em dança

Público alvo: bailarinos, educadores, artistas, atores, pessoas interessadas no trabalho corporal com essa vertente

Ministrante: Ivana Delfino Motta/ Brasília

Dias: 15 e 16/05/2021 (14h às 17h)

Oficina 8

 Oficina para professores de dança para crianças

Público alvo: professores da Educação Infantil e Fundamental, professores do ensino não formal, profissionais, pesquisadores e estudantes das artes do corpo que queiram se instrumentalizar para a docência para crianças.


Ministrante: Jussara Miller/ Campinas/ SP

Dias: 17, 18 e 19/05/2021 (14h às 17h)

Apresentações

Pelo nosso canal do Youtube: https://www.youtube.com/channel/UC4NNGNnO4ho6voM29susUHA

T.F. Style Cia de Dança/SP

Espetáculo ELO

Dia: 8/05/2021 às 20h

Mostra Solos

Lorena Fernandes/ OP

Solo: Tati-cor

Dia: 9/05/2021 às 19h:30min

Mostra Solos

Nacha Samadi/ OP

Solo: Entre o estar e o Ser

Dia: 10/05/2021 às 19h:30min

Mostra Solos

Tayane Lacerda/ OP

Solo: Emmim

Dia: 11/05/2021 às 19h:30min

Mostra Solos

Jussara Braga/ Mariana

Solo: Permane-ser

Dia: 12/05/2021 às 19h:30min

Mostra Solos

Ricardo Gontijo/ OP

Solo: Suor do som

Dia: 13/05/2021 às 19h:30min

Mostra Solos

Maria Emília Gomes/SP

Solo: Dança p/Oscar

Dia: 14/05/2021 às 19h:30min

Mostra Solos

Iara Araújo Ferreira/ OP

Solo: Mover-se é ser

Dia: 15/05/2021 às 19h:30min

Mostra Solos

Elina Penna/ OP

Solo: Incíclica

Dia: 16/05/2021 às 19h:30min

Mostra Solos

Carla Gontijo/ OP

Solo: Antes do chão

Dia: 17/05/2021 às 19h:30min

Mostra Solos

Katiane Negão/ Brasília

Solo: Coração Valente em (de)composição

Dia: 18/05/2021 às 19h:30min

Cia DI Ninguém Núcleo de Investigação em Dança/ OP

Por sob a pele (seis mergulhos sensíveis)

Dia: 19/05/2021 às 20h

INSCREVA-SE AQUI

Fonte: https://www.ouropreto.com.br/

Cultura

Museu de Congonhas recebe novas exposições contemporâneas

O Museu de Congonhas inaugura dia 13/04 (sábado), às 10h, o calendário anual de atividades com duas novas exposições, que ocuparão, com manifestações de arte contemporânea, vários espaços da instituição. Ao longo de 2019, além das novas mostras, a instituição trará aos visitantes uma ampla agenda shows, debates, oficinas, lançamentos de publicações e uma intensa ação educativa.

Duas exposições dialogando, de maneira contemporânea, com as questões presentes no acervo barroco do entorno do Museu, irão ocupar a sede da instituição. O escultor Giovani Fantauzzi, para comemorar seus 30 anos de produção artística, criou um percurso visual que parte da na área externa do Museu – onde instalou uma das suas maiores obras – e segue até a sala multiuso -, onde apresenta a maior panorâmica de sua produção. O conjunto, até então, nunca havia sido mostrado em sua integralidade, integra a exposição “Giovani Fantauzzi: esculturas”.

Em paralelo, na sala de exposição temporária, será mostrado o inédito trabalho da arquiteta Sônia M.S. Mendes na exposição “Luz e Sombra”. Inspirada pelos movimentos e efeitos da incidência da luz no espaço, a artista criou um conjunto de esculturas capazes de se expandir e se relacionar no entorno com uma característica peculiar: elas também são capazes de emitir luz. As exposições seguem em cartaz até o dia 04 de agosto de 2019.

O diretor do Museu de Congonhas e curador das mostras, Sergio Rodrigo Reis, explica que as exposições têm como referência o Barroco, estilo de arte caracterizado pelo drama, teatro, luz e sombra. “Os trabalhos de ambos fazem, poeticamente, uma ligação e alusão à temática que está em nosso Santuário, onde estão ao ar livre as obras do Aleijadinho. São trabalhos diferentes, mas que se encontram na preocupação de ocupar o espaço usando formas e a relação delas com a incidência da luz”, explica.

 

 

 

Giovani Fantauzzi: Esculturas

O trabalho do premiado escultor Giovani Fantauzzi foi organizado num percurso que conduzirá os visitantes pelas suas três décadas de produção. Já na entrada do Museu está sua maior escultura. Brotando do chão de minério de ferro, enormes tubos de aço enferrujados desenham o espaço conduzindo o visitante para o inusitado que ainda está por vir. Dentro da instituição, uma grande galeria foi reservada para um jardim de esculturas onde sua produção poderá ser vivenciada pelo público.

São peças feitas em dobras de vergalhões de aço, com medidas que variam de cinco metros a maior, passando por obras de três, dois e um metro, chegando a menor que terá cerca de 70 centímetros. São obras únicas criadas ao longo da carreira do artista, iniciada em 1972, quando entrou na Escola Guignard, tendo como mestres o próprio Alberto da Veiga Guignard, Franz Weissmann, José Amâncio de Carvalho e Amilcar de Castro, com quem trabalhou e se tornou grande amigo.

Fantauzzi acredita que a arte da escultura é um dom inerente ao nascimento. “Meu trabalho é simples. Desde criança, na escola eu já desenhava. A gente nasce assim, com a arte. O talento é de cada um, já nascemos com ele. Talento é a sua pele. Já o artista a gente faz, qualquer pessoa pode ser, basta aprender a técnica”, avalia.

Sempre trabalhando com esculturas de médio e grande porte, Fantauzzi desenvolve todo o processo de produção e, raras vezes, contrata um ajudante para a montagem, salvo a de peças maiores. Ele conta que cada objeto é único e muitas vezes o projeto fica adormecido. “Uma das esculturas que estará na exposição, levei 16 anos para finalizar. De repente, veio o estalo e em dois dias fiz a montagem da peça, que será a única que estará suspensa”, revela.

Um detalhe importante para a exposição de Giovani Fantauzzi é o fato das pessoas poderem tocar as obras, o que não é permitido, na maioria das vezes por questão de conservação e segurança. “Para mim, escultura você tem que participar, tem gente que precisa ver com as mãos. Sentir o trabalho. Principalmente, as crianças que são mais curiosas. Para elas é importante o toque, conhecer o material usado, sentir a obra. Sem vandalismo, obviamente. Minha expectativa é que as pessoas participem, olhem, toquem nas esculturas e se sintam parte delas e do ambiente”.

“Luz e Sombra”

Por vários anos, a arquiteta Sônia MS Mendes se tornou conhecida pelos trabalhos como lighting designer de importantes trabalhos na área, como os projetos de iluminação do Mineirão, da Filârmônica (Sala Minas Gerais) e Mercado da Boca, ambos na capital mineira, além da revitalização da Estação Ferroviária de Congonhas. Ao lado da profissão, nascia outro desejo: usar a luz como meio para dar forma à criação artística. O projeto acaba de se tornar realidade com a exposição “Luz e Sombra”.

A ideia inicial era elaborar desenhos que se transformariam em painéis singulares, e de grande porte, com iluminação própria, para utilização em projetos de arquitetura, juntamente com o luminotécnico. Mas havia algo além nas criações. “Quando o Sérgio Rodrigo viu os trabalhos, sugeriu que tentasse explorar a tridimensionalidade dos desenhos. O resultado superou as expectativas.”

E foi assim que aconteceu. Os desenhos se transformaram em esculturas com uma sutil iluminação, com a intenção de proporcionar, como resultado, efeitos de luz e sombra. Ao todo, estarão na mostra temporária uma coleção inédita de peças de aço, em formatos variados, na maioria quadradas ou retangulares, em tamanhos medindo de 1mx1m até 1,50mx0,75m. As esculturas foram feitas em aço com acabamento enferrujado, em fios metálicos e luz em Led (luz pontual), instalada internamente.

“O importante é que possam gerar efeitos de luz e sombra no ambiente. Reconheço as peças como um todo, como uma unidade. É um conjunto de desenhos que foi elaborado conversando entre si. Me sinto privilegiada de poder expor meu trabalho neste espaço do Museu de Congonhas, sem dúvida um local imponente e significativo. Venho trabalhando em projetos de iluminação em Congonhas na intenção de valorizar espaços significativos historicamente para a cidade. Agora, com a exposição, gostaria de sensibilizar um pouco as pessoas da importância da luz e da arte nas nossas vidas, seja na cidade revitalizando espaços significativos, seja em uma escultura trabalhando efeitos de luz, possibilitando que cada pessoa perceba e interprete de forma singular”, conclui Sônia Mendes.

Fotos: Eliane Gouveia

Serviço: Museu de Congonhas recebe as exposições “Giovani Fantauzzi: Esculturas” e “Luz e Sombra”, de Sônia MS Mendes.

Abertura: dia 13/04 (Sábado). Horário: 10h. Até 04 de agosto de 2019.

Museu de Congonhas – (Alameda Cidade de Matosinhos de Portugal, 77, Basílica – Congonhas/MG)

Funcionamento: De quinta a domingo e terça-feira das 9h às 17h. Quarta-feira das 13h às 21h. Fecha segunda-feira.

Entrada: R$10,00 inteira. R$5,00, meia entrada, para estudantes e visitantes acima de 60anos. Gratuidade para visitantes até 12 anos.

Às quartas-feiras a entrada é gratuita.

Informações: (31) 3731-6747

Fonte: foconanoticia.com.br

Cultura

Cultura & Cidadania tem atividades programadas para Barroso e região em abril

Em abril, o projeto Cultura & Cidadania Circula terá uma semana de muitas atividades em Barroso, Prados e São João del Rei. A programação inicia com a Oficina de Confecção de Máscaras – oficina prática de criação e confecção de máscaras cênicas, decorativas e carnavalescas. Tem como objetivo instrumentalizar em métodos de desenho, criação, modelagem, confecção, acabamento e pintura de máscaras, sobre técnicas de Cartapesta. Os ministrantes serão Leo Ortiz e Luciana Antunes, da Cia Valentina de Teatro. A oficina é gratuita e destinada a artistas, estudantes, arte-educadores, agentes culturais e interessados em geral. Das 16 vagas, pelo menos 50% serão destinadas a estudantes e professores de instituições públicas de ensino. Em função da limitação das vagas, haverá seleção caso o número de interessados ultrapasse o número de vagas.

Retomando as ações da Escola no Cinema, a cidade de Barroso receberá duas sessões nos dias 01 e 02 de abril, no Teatro Municipal Professora Iracema Rocha e Prados receberá as ações pela primeira vez, dias 03, 04 e 05 no Teatro Municipal Prefeito José Café.

Confira todas as informações:

Oficina de Confecção de Máscaras

Instrutores: Leo Ortiz e Luciana Antunes | Cia Valentina de Teatro

Público alvo: Artistas, estudantes, arte-educadores, agentes culturais e interessados, em geral.

Inscrições: Gratuitas, realizadas de 20 a 27 de março de 2019. Os interessados devem solicitar a ficha de inscrição através do e-mail culturaecidadaniabso@gmail.com . Haverá seleção.

Divulgação dos selecionados: Dia 29 de março nas redes sociais do projeto (blog, facebook, instagram).

Aulas: 01 a 05 de abril de 2019 (segunda a sexta-feira), das 9:00 às 12:00

Local de realização: CRAS Matosinhos (Rua Amaral Gurgel, 62 – Matosinhos, São João del-Rei/MG)

Material do aluno: Avental ou roupa que possa sujar; 01 maço de jornal; material para anotações; desenho e/ou foto de referência da máscara que deseja trabalhar.

Companhia Valentina de Teatro

A Companhia Valentina de Teatro nasceu em 2010, a partir da sociedade entre Leo Ortiz e Luciana Antunes. A Companhia tem, em sua pesquisa e trajetória, diversos estudos e práticas sobre métodos de atuação cênica e teatro de animação. Experimentou trabalhos com outros profissionais da área, por meio de projetos e parcerias, e mantém um repertório de espetáculos profissionais, em que se destacam “Camarim”, “Lepatoputz”, “Giles – o Barba Azul” e “Pequenas Grandes Memórias”. Em 2015, a Companhia fez seu primeiro trabalho internacional em Santiago, Chile, onde participou do Laboratório Plan B, dirigido pela russa Natacha Belova e pela chilena TitaIacobelli.

Sobre os Fundadores

Leo Ortiz é ator e diretor teatral, tendo sua formação pelo Curso de Formação de Atores do Teatro Universitário da UFMG e Arte Educador Licenciado pelo Curso de Graduação em Teatro da UFMG.

Luciana Antunes é atriz e produtora teatral, formada pelo Centro de Cursos Teatrais de Araxá, tendo em seu currículo diversas produções e realizações de espetáculos e festivais de teatro nacionais e internacionais.

Escola no Cinema

Barroso

Teatro Municipal Professora Iracema Rocha (Rua Joaquim Meireles, 20 – Centro)

01/04/2019 – E. M. Artur Napoleão – 14:30

02/04/2019 – E. M. Beija Flor – 15:00

Prados

Teatro Municipal Prefeito José Café (Rua Gabriel Passos, 99 – Centro)

03/04/2019 – E. M. Prof. Antônio Américo e E. M. Maestro Adhemar Campos Filho – 9:00

04/04/2019 – E. M. Maestro Adhemar Campos Filho – 14:30

05/04/2019 – E. M. Prof. Antônio Américo e APAE – 14:30

Sessões abertas a toda a comunidade. Entrada gratuita, sujeita à lotação dos espaços.

Cultura & Cidadania Circula

O projeto Cultura & Cidadania Circula é uma realização da Vitral Bureau Cultural, com patrocínio da Marluvas Calçados Profissionais, Produtos Alimentícios Croques e Supermercado Esquinão, através da Lei Federal de Incentivo à Cultura. Parceria Cultural do Sesc em Minas e da Secretaria Municipal de Turismo e Cultura de São João del-Rei. Produção de Lais Vitral.

Fonte: barrosoemdia.com.br
Foto:  Angélica Pertile

Cultura

Museu de Congonhas recebe a exposição “Patrimônio da Humanidade no Brasil”

Mostra destaca o Santuário de Bom Jesus de Matosinhos de Congonhas e apresenta os demais sítios brasileiros também considerados Patrimônio da Humanidade.

O Museu de Congonhas inaugura a exposição “Patrimônio da Humanidade no Brasil” que traz documentos, fotos, informações sobre os 26 sítios Patrimônios Mundiais Brasileiros – os culturais (14), os naturais (sete) e os imateriais (cinco). A exposição foi idealizada pelo IPHAN em parceria com UNESCO e viabilizada com recursos da Fundação Municipal de Cultura, Lazer e Turismo de Congonhas (FUMCULT), e tem a curadoria do Museu de Congonhas. A mostra será aberta no dia 30 de janeiro e poderá ser vista até o dia 31 de março. Após Congonhas, a exposição segue em itinerância, inicialmente por Ouro Preto, primeiro município do País a conquistar o título da UNESCO.

A exposição é importante para Congonhas por estabelecer um processo educativo na comunidade, de reconhecimento da relevância do Santuário de Bom Jesus de Matosinhos, destacando seu mérito e os motivos que o fizeram reconhecido como Patrimônio Cultural Mundial, em 1985. De acordo com Sérgio Rodrigo Reis, presidente da FUMCULT e diretor do Museu de Congonhas, essa reflexão atua para formação e sensibilização na comunidade de agentes engajados na proteção do patrimônio material e imaterial local. Esta versão da exposição destaca Congonhas. Na sequência, a mostra será acrescida de informações explicitando as peculiaridades de Ouro Preto, município vizinho, do qual Congonhas estabelece uma parceria em trocas técnico-artísticas. A itinerância será mais uma ação neste sentido.

“A exposição “Patrimônio da Humanidade no Brasil” foi pensada para refletir sobre a relevância do Santuário de Bom Jesus de Matosinhos de Congonhas para história da arte universal. Mais do que uma mostra de artes visuais, a iniciativa busca consolidar uma importante política pública de valorização e educação patrimonial dos acervos materiais e imateriais de relevância internacional desta cidade mineira, em diálogo com os demais sítios brasileiros também considerados Patrimônio da Humanidade”, explica Sérgio Rodrigo Reis.

Sítios Patrimônios Mundiais Brasileiros – culturais, naturais e imateriais

As Convenções da Unesco para a Proteção do Patrimônio Mundial Cultural e Natural (1972) e para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial (2003) favorecem a cooperação internacional para a proteção do patrimônio, material e imaterial, selecionado pela sua importância para preservação da riqueza e da diversidade cultural de todo o mundo. O Brasil possui 21 inscrições na Lista do Patrimônio Cultural Mundial e Natural. São Sítios Patrimônio Cultural: 1980 – A Cidade Histórica de Ouro Preto, Minas Gerais; 1982 – O Centro Histórico de Olinda, Pernambuco ; 1983 – As Missões Jesuíticas Guarani, Ruínas de São Miguel das Missões, Rio Grande de Sul e Argentina; 1985 – O Centro Histórico de Salvador, Bahia ; 1985 – O Santuário do Senhor Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas do Campo, Minas Gerais ; 1987 – O Plano Piloto de Brasília, Distrito Federal ; 1991 – O Parque Nacional Serra da Capivara, em São Raimundo Nonato, Piauí; 1997 – O Centro Histórico de São Luís do Maranhão; 1999 – Centro Histórico da Cidade de Diamantina, Minas Gerais; 2001 – Centro Histórico da Cidade de Goiás; 2010 – Praça de São Francisco, na cidade de São Cristóvão, Sergipe; 2012 – Rio de Janeiro, paisagens cariocas entre a montanha e o mar; 2016 – Conjunto Moderno da Pampulha; e 2017 – Sítio Arqueológico Cais do Valongo. São Sítios do Patrimônio Natural: 1986 – Parque Nacional de Iguaçu, em Foz do Iguaçu, Paraná e Argentina; 1999 – Mata Atlântica – Reservas do Sudeste, São Paulo e Paraná; 1999 – Costa do Descobrimento – Reservas da Mata Atlântica, Bahia e Espírito Santo; 2000 – Complexo de Áreas Protegidas da Amazônia Central; 2000 – Complexo de Áreas Protegidas do Pantanal, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul; 2001 – Áreas protegidas do Cerrado: Chapada dos Veadeiros e Parque Nacional das Emas, Goiás; e 2001 – Ilhas Atlânticas Brasileiras: Reservas de Fernando de Noronha e Atol das Rocas. São cinco as manifestações de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade no Brasil: Roda de capoeira, Frevo, Samba de Roda, Círio de Nazaré (PA) e Arte Kusiwa, do Amapá.

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio, são responsáveis pela preservação desse patrimônio, em cooperação com estados, municípios e a comunidade. Essas instituições se empenham por uma abordagem integrada entre patrimônio material e imaterial, buscando a apropriação social dos benefícios da preservação e uma agenda orientada para a promoção do desenvolvimento sustentável.

De Congonhas para o Mundo

O Santuário do Bom Jesus de Matosinhos de Congonhas conquistou o título “Patrimônio Cultural Mundial” graças ao esforço coletivo de especialistas, autoridades e comunidade. Em 1985, em Paris, durante a sessão anual na sede da UNESCO, a “Cidade dos Profetas” ganhau o reconhecimento universal após demonstrar a relevância do seu patrimônio como representante de uma realização artística única, verdadeira obra-prima do espírito criador do homem; e por estar associado a crenças e eventos de considerável significado. A defesa da relevância do Santuário de Congonhas no dossiê de candidatura salientava as singularidades do patrimônio informando se tratar de um dos últimos exemplares da série dos “Sacro Monte” da arte cristã ocidental, apresentando, algumas características específicas que o colocam como uma espécie de ”ponto culminante“ da tradição. Do ponto de vista iconográfico, é o único que apresenta a justaposição das profecias bíblicas e do drama da Redenção, segundo a linha tradicional de interpretação teológica em busca de harmonias e concordâncias entre o Antigo e o Novo Testamento, abundantemente ilustrado nas catedrais medievais.

Em relação à organização espacial, é também o único no qual os conjuntos arquitetônico e escultural equilibram-se mutuamente por terem valor equivalente; o que nada tem de surpreendente, pois seu principal autor, o Aleijadinho, foi ao mesmo tempo, gravador, escultor e arquiteto notável. Finalmente, considerando a qualidade artística das estátuas analisadas individualmente, os profetas de Congonhas foram julgados por especialistas como estando entre as melhores representações esculturais de personagens do Antigo Testamento da história da arte ocidental, comparáveis aos profetas de Klaus Sluter na Cartuxa de Champmol, em Dijon, quiçá ao Moisés de Miguelangelo na igreja de San Pietro em Vincoli.

Serviço:

Exposição “Patrimônio da Humanidade no Brasil”

Data: de 30 de janeiro a 31 de março de 2019

Local: Museu de Congonhas – Alameda Cidade Matozinhos de Portugal, 77 – Basílica, Congonhas/MG

Informações: (31) 3732-2526

Funcionamento: de terça-feira a domingo, das 9h às 17h, com a entrada no valor de

R$10,00, estudantes e pessoas acima de 60 anos pagam meia entrada. Crianças até 11 anos não pagam. Às quarta-feiras, o Museu funciona das 13h às 21h, com entrada gratuita.

Fonte: foconanoticia.com.br

Cultura

Conheça o trabalho dos Cavaleiros da Cultura. Eles estão passando pela região!

01

 

Um milhão de livros doados ao longo de dez mil quilômetros percorridos. Os números, estratosféricos, que serão atingidos até o final deste ano, fazem parte da filosofia de vida de um grupo de homens e mulheres, que, a cavalo, já percorreram 150 cidades mineiras. Na bagagem, o sonho de transformar as vidas de crianças encontradas pelo caminho por meio da leitura. Conhecidos como Cavaleiros da Cultura, há dez anos, cumprem essa nobre missão, cuja edição 2018 teve início nesta sexta-feira (29/06). Desta vez, a tropa irá percorrer os 260 quilômetros, que separam o município de Santa Cruz de Minas, na região do Campo das Vertentes, até Rio Novo, na Zona da Mata, berço da iniciativa.

Tiradentes, Dores de Campos, Alfredo Vasconcelos, Senhora das Dores, Desterro do Melo, Mercês e Rio Pomba são alguns dos lugares por onde a caravana, composta por cinco cavaleiros, irá passar, visitando escolas da rede municipal para a distribuição de mais 15 mil livros. “O objetivo principal do nosso trabalho é levar uma perspectiva de um futuro melhor às crianças. Conhecimento ninguém tira. E nós atuamos para proporcionar isso”, destaca Carlos Oscar Niemeyer, presidente da Associação Cavaleiros da Cultura e idealizador do projeto.

Segundo Carlos Oscar, esse sonho nasceu do contato que ele tinha com o avô, o arquiteto Oscar Niemeyer, tido como uma das figuras-chave no desenvolvimento da arquitetura moderna brasileira. Ele pontua que, além das cavalgadas culturais, o grupo tem uma casa de leitura, em Rio Novo, que desenvolve trabalhos, como oficinas de leitura, para crianças e adultos durante o ano inteiro. “Vamos lançar para o segundo semestre deste ano uma oficina de escritores para trabalhar com crianças e lançar, no final do ano, uma publicação com seus escritos”, adianta o idealizador.

Dores de Campos

Os Cavaleiros da Cultura chegaram no Parque de Exposição de Dores de Campos nesse domingo (01/07) e na segunda-feira (02/07) terão um encontro com os alunos da Escola Municipal Randolfo Teixeira onde os livros serão distribuídos gratuitamente. “É um trabalho muito bonito e importante que os Cavaleiros da Cultura fazem. Além de apoiar esta iniciativa, a nossa administração abriu as portas de Dores de Campos para que eles possam entregar os livros para os nossos estudantes”, destacou o prefeito Marcílio Cotta (MDB).

 

 
Fonte: barrosoemdia.com.br