Tag Archives: congonhas

Esporte

Abertas as inscrições para o torneio de férias de futebol de Congonhas

Estão abertas as inscrições para o torneio de férias de futebol de Congonhas. Esse ano, excepcionalmente, a competição será disputada nos meses de novembro e dezembro.

Os interessados em inscrever suas agremiações devem baixar a ficha de inscrição no site da Prefeitura Municipal ou no Instagram da Secretaria de Esporte e Lazer. A ficha deverá conter as informações da equipe, responsável e atletas, devidamente digitadas, além das assinaturas dos atletas e deverá ser entregue até o dia 3 de novembro na própria SEL. O torneio terá início no dia 8 de novembro.

Categoria Masculina:

– O que levar: Ficha de inscrição digitada e preenchida com no mínimo 8 e no máximo 14 atletas (as equipes poderão acrescentar os demais atletas até a segunda partida da equipe na competição).

– Valor da inscrição: R$200,00 (duzentos reais) em dinheiro, além do cheque caução no valor de R$ 500,00 (quinhentos reais) – todos os valores são convertidos em premiação para as equipes, conforme consta no regulamento.

– Não há limite para participação de equipes e atletas de outras cidades. 

 Categoria Feminina:
– O que levar: Ficha de inscrição digitada e preenchida com no mínimo 8 e no máximo 14 atletas (as equipes poderão acrescentar os demais atletas até a segunda partida da equipe na competição). 

– A inscrição na Categoria feminina é gratuita. Não há limite para participação de equipes e atletas de outras cidades. 

– A competição não ocorrerá caso não tenha o número mínimo de 4 equipes inscritas.

Outras informações podem ser obtidas na Secretaria de Esporte e Lazer, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h ou pelo telefone 3731-4374.

Fonte: https://fatoreal.com.br/

Entrevistas

Está no ar o Resenha Podcast!

Novo podcast de Congonhas garante um bate-papo leve e descontraído com as grandes personalidades da região

Daniel Silva e Jean Carlo, a dupla de profissionais referência em fotografia e videoarte da Cidade dos Profetas não fica parada quando o assunto é inovação. Agora, em novo projeto, levam ao ar o Resenha PodCast, com o formato de entrevista consagrado no Brasil e no mundo, mas com um diferencial: a irreverência dos anfitriões e a experiência de ambos em mais de 10 anos trabalhando nos tradicionais eventos e com os grandes nomes locais.

Lançado a pouco mais de um mês, o projeto já recebeu grandes nomes como o cantor Rick Mendes, o ex-prefeito de Congonhas Zelinho de Freitas, o humorista Dalmar e o pesquisador André Candreva.

Daniel Silva, um dos anfitriões, é fotógrafo e proprietário do Estúdio Daniel Silva, que completa, em 2022, uma década em funcionamento. Já atuou como fotógrafo oficial da Prefeitura de Congonhas, realizou centenas de ensaios infantis, gestantes, casamentos, e dos mais diversos temas. Possui também o projeto Resenha Fotográfica, no qual compartilha todo conhecimento adquirido durante a carreira.

“Descobri nos últimos anos uma nova paixão, a comunicação. Isso que fez o Resenha Podcast ganhar vida. Fui influenciado pela minha curiosidade em me inteirar de diversos assuntos, gostar de aprender e principalmente por acompanhar sempre dois podcasts de sucesso nacional, o Flow Podcast e Podpah. Nosso objetivo com o Resenha é proporcionar um momento leve e descontraído, como uma conversa de amigos, seja naquele bate-papo de bar ou num cafezinho com um “dedin” de prosa, como bons mineiros que somos! (rs)”, explica Daniel.

Já Jean Carlo é o responsável pelo processo criativo, também anfitrião ao lado de Daniel Silva, atua na produção do podcast e foi quem criou a logomarca e as vinhetas do programa. Profissional na área de vídeos há mais de 8 anos, sua empresa, a DNA Films, possui experiência em diversos trabalhos institucionais, videoclipes, casamentos e eventos em geral.  Foi pioneiro na realização de lives em Congonhas e um dos primeiros de toda a região.

O Resenha Podcast vai ao ar toda a semana, sendo transmitido pelos canais no Facebook (facebook.com/podcastresenha) e Twitch (twitch.tv/podcastresenha). Possui também uma página no Instagram (instagram.com/resenhapodcastoficial), com cortes dos melhores momentos das entrevistas e a divulgação dos convidados. Com exibição ao vivo, durante os episódios o público pode participar com perguntas, comentários ou mensagens pelos canais oficiais. “Sem dúvidas estamos em uma das cidades com maior potencial cultural de Minas, com dezenas de talentos ligados a diversas áreas como a música, teatro, artes visuais, além de grandes personalidades políticas e empreendedores dos mais diversos ramos. Prova disso é que temos vários congonhenses de grande destaque regional, no estado e até nacionalmente. Por aqui, vamos trazer pessoas assim, que são referências naquilo que fazem ou no que conquistaram, seja contando a sua história ou deixando uma mensagem de inspiração para as pessoas também fazerem algo extraordinário das suas vidas. Resenha Podcast, mais um plano que sai do papel!”, conclui Daniel Silva.

Fonte: Janice Silva

Cultura

Lá vem a Cocada – Regina Bahia lança série de vídeos com curiosidades históricas de Congonhas

Que a Cocada adora uma boa prosa cheia de conhecimento, isso todo mundo já sabe e comprovou com o lançamento do curta “Cocada visita o Patrimônio Imaterial de Congonhas”, em junho deste ano. Agora ela está de volta trazendo deliciosas curiosidades sobre a Cidade dos Profetas. Todo congonhense certamente já ouviu falar da história da Noiva da Fafic, do leitão da Santa Ceia e das famosas Madames de Rè. Esses são os temas dos vídeos que serão lançados neste mês pela Regina Bahia e sua irreverente personagem Maria das Cocadas Preta e Branca com Gosto de Quero Mais Silva. Toda esta produção, do Instituto Profarte, foi viabilizada com recursos do Fundo Estadual de Cultura por meio do Edital Arte Salva.

Os vídeos serão lançados no Canal Instituto Profarte, no Youtube. Dia 09 de setembro, às 19h, vai ao ar o “Leitão da Santa Ceia”. No dia 16, é a vez da “Noiva da Fafic” e no dia 23, será exibido o “Madames de Rè”, todos no mesmo horário. Ainda, encerrando a programação do mês, Cocada convida o contador de histórias Pedro Cordeiro para um bate-papo divertido sobre os temas dos vídeos, que será transmitido ao vivo pelo Instagram do @InstitutoProfarte, às 19h, no dia 30 de setembro.

Regina Bahia é uma das principais atrizes de Congonhas, grande incentivadora da cultura local e fundadora do Instituto Cultural Profetas em Arte – Instituto Profarte. Com a sua personagem Cocada tem levado bom humor e conhecimento aos moradores de Congonhas desde 1999, seja com a sua participação no Programa “Bom dia com Alegria”, que vai ao ar pela Fundação Radiodifusora de Congonhas, sob o comando de Miriam Fernandes, ou marcando presença em seminários, conferências e demais eventos da cidade.

A série de vídeos protagonizada pela Cocada conta com tradução para a Língua Brasileira de Sinais e poderá também ser utilizada, gratuitamente, como um importante material de educação patrimonial pelas escolas do município.

Ficha técnica: Atriz: Regina Bahia; Direção e Roteiro: Luísa Bahia; Fotografia e Montagem: ciber_org; Figurino: Luiz Dias; Produção Executiva: Instituto Cultural Profetas em Arte; Produção: Renan Merces / Micheline Gama; Intérprete de Libras: Dinalva Andrade; Assessoria de Imprensa: Hiper Teia Comunicação e Eventos / Janice Miranda; Designer gráfico: Hugo Gherard

Fonte: Janice Miranda

Cultura

Casa do Teatro de Lafaiete participa do Festival de Inverno de Congonhas

O Centro Cultural Casa do Teatro de Conselheiro Lafaiete irá se apresentar no 26° Festival de Inverno de Congonhas, Através do grupo CLIC será levado ao evento a peça “O menino e a árvore”.

Grupo de Lafaiete estará no festival
Grupo de Lafaiete estará no festival

Este é um texto adaptado para o teatro a partir do conto de Fernando Sabino e fala da história de um menino que nutre uma amizade sincera com uma árvore em seu quintal, porém o tempo gera mudanças nesta amizade entre os dois.

Peça mostra lições de vida diversas
Peça mostra lições de vida diversas

O espetáculo que será exibido pelo canal do Festival na internet no dia 29 às 18h, emociona crianças e adultos, para cada um, ensinando o valor de uma amizade, de maneira diferente.

Roteiro é adaptado de conto de Fernando Sabino
Roteiro é adaptado de conto de Fernando Sabino

“O Menino e a árvore” tem direção de Geraldo Lafayette e traz no elenco: Daisyluz Vieira, Lidiane Almeida no papel da árvore e Gustavo Andrade, Didi Moura e Pedro Costa no papel do menino.

Fonte: https://fatoreal.com.br/

Educação

Em novo formato, projeto “É agora!” retorna à Cidade dos Profetas

Ação neste sábado, dia 28, apoia alunos da E.E. Lamartine de Freitas na escolha profissional

Estou terminando o ensino médio. E Agora? Qual profissão eu vou seguir? Médico, engenheiro, professor? A hora de pensar sobre isso “é agora!”. O projeto que foi sucesso nas escolas de Congonhas antes da pandemia está de volta, desta vez em formato virtual.

Os alunos da Escola Estadual Lamartine de Freitas participarão da iniciativa no sábado, dia 28, a partir das 10h. Com um espetáculo teatral e a distribuição de uma cartilha informativa, o projeto acolhe e orienta os jovens na escolha profissional.

O enredo conta a história de três amigos no último ano do ensino médio que, instigados por uma misteriosa funcionária da escola, refletem sobre o futuro e suas carreiras. O espetáculo trata das pressões da sociedade e da família, e também dos desafios e descobertas desta fase.

Ao final da apresentação, os estudantes ganham o material “É agora! Cartilha das Profissões”, com informações sobre o acesso ao ensino superior, cursos e carreiras, além de opções de empreendedorismo e outros dados. A iniciativa já beneficiou mais de 2 mil alunos de escolas públicas de Minas Gerais, São Paulo e Paraná.

O projeto “É Agora!” é uma realização da Bushido Produções com patrocínio da Ferro+ e da JMN Mineração, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. As apresentações contam com recursos de acessibilidade, como intérprete de Libras, e são transmitidas pelo canal da Bushido Produções no Youtube.

Fonte: Janice Miranda

Cultura

Banda Meridian se apresenta pelo segundo ano no Festival de Inverno de Congonhas

Pop, Eletro, Acústico, uma mistura que dá liga e coloca todo mundo pra viajar no universo da boa música! Essa é a promessa da Banda Meridian para a apresentação deste ano na 26ª edição do Festival de Inverno de Congonhas, que acontece neste sábado, dia 21, às 19h, e será transmitida ao vivo pelo Facebook da Prefeitura de Congonhas e pelo Canal Congonhas no Youtube.

O projeto, que nasceu em 2018, faz uma mistura fina de diferentes instrumentos e estilos: violão, teclado, violino, banjo, baixo, bateria, guitarra para agradar pessoas de todas as idades, com um repertório que mescla canções nacionais e internacionais. Recentemente o grupo ganhou novos integrantes e agora, mais completo, é formado pelos músicos Filipe Miranda (vocalista/guitarrista/violonista), Vinicius Rezende (baterista/percussão), Renato Soares (pianista/violino/voz) e Gabriel Maciel (baixista/banjo).

Inspirados pelo nome Meridian, que vem de meridianos, os músicos buscaram num som diferenciado proporcionar uma verdadeira viagem para o público, sejam nos encontros de gerações, de estilos ou ritmos. “Para este ano preparamos um repertório que contempla as músicas mais aclamadas nas nossas apresentações. Vamos fazer o show com o objetivo de provocar diferentes sensações no público e nos internautas. Ano passado nossa apresentação foi especial porque marcou a nossa primeira vez nesse Festival tão tradicional. A deste ano, marca nossa estreia nesta formação que considero completar nosso propósito enquanto banda. Estamos muito animados!”, explica o vocalista Filipe Miranda.

Mais informações e a agenda da Banda Meridian estão disponível no  instagram.com/meridian_oficial. A 26ª edição do Festival de Inverno de Congonhas acontece até dia 29 de Agosto. O tradicional evento do calendário de Congonhas é realizado pela Secretaria Municipal de Cultura com patrocínio do Instituto Cultural Vale e conta com mais de 60 atrações artístico-culturais. 

Fonte: Janice Miranda

Cultura

Visite o Museu de Congonhas: história, arte e cultura nas suas férias

Adaptada aos protocolos de segurança em saúde, a instituição recebe turistas e população local nas férias de julho

O Museu de Congonhas é o primeiro museu de sítio histórico do Brasil. O espaço faz uso de recursos de alta tecnologia para oferecer informações relevantes para que o público entenda e reflita sobre a grandiosidade e importância do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos. A exposição permanente trata das manifestações da fé no passado e no presente. Um dos principais acervos é a coleção Márcia de Moura Castro. Composta por 342 ex-votos e Santos de Casa que pertenceram à colecionadora e foram adquiridas pelo Iphan em 2011. Outro acervo importante é a Coleção Fábio França, uma biblioteca de referência no Brasil sobre o barroco, a arte e a fé. Em cartaz no Museu de Congonhas também está a exposição temporária “Minas reaGis”, que foi gestada e nasceu em meio a pandemia pelas mãos talentosas do multiartista e mediador do Museu de Congonhas, Marcelo Heidenreich.

A recepção aos visitantes agora conta com aferição de temperatura, área reservada a espera com distanciamento dos atendentes, totem com álcool em gel e controle de entrada do número de pessoas. A limpeza da expografia também foi reforçada e o fluxo de visitação repensado para não haver aglomerações, tudo para garantir segurança tanto para funcionários quanto para os turistas. A instituição, que elaborou protocolo próprio para se proteger contra o Covid-19, conquistou o Selo Evento Seguro e em breve realizará também eventos culturais presenciais.

Congonhas também conta com o Museu de Imagem e Memória que, assim como o Museu de Congonhas, também está funcionando observando tais protocolos. Esta instituição, localizada em um casarão na tradicional “Ladeira” de Congonhas, tem como proposta guardar e divulgar a história da cidade. A atual montagem expográfica tem como eixo central o processo de “urbanização” local, percorrendo desde o século XVIII até a efetivação da emancipação política, e apresenta ainda a vida e obra de importantes personalidades congonhenses.

Os centros culturais estão funcionando de 9h às 17h, de terça-feira a domingo. O ingresso para entrada no Museu de Congonhas pode ser adquirido a R$10,00, sendo que estudantes e pessoas acima de 60 anos pagam meia entrada e crianças até 11 anos não pagam. Às quartas-feiras, o Museu de Congonhas oferece gratuidade para todos os públicos, já o Museu de Imagem e Memória tem entrada gratuita todos os dias.

Além da visitação presencial, o projeto #MCoEmCasa, que já alcançou centenas de milhares de pessoas virtualmente, segue no ar com ampla agenda cultural podendo ser acessada nas páginas do Facebook (@museudecongonhas), Instagram (@museusdecongonhas) e site da instituição (www.museudecongonhas.com.br). Para todas essas ações, o Museu de Congonhas conta com o patrocínio da Vale, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Focado na missão de ser um dos principais Centros Culturais na região da histórica Cidade dos Profetas, o Museu de Congonhas está de portas abertas para receber turistas e os congonhenses, atento a todos os protocolos de saúde necessários nesses novos tempos. Com a entrada do município na Onda Amarela do Programa Minas Consciente, e a recente conquista do Selo Evento Seguro, a instituição está retomando integralmente as suas atividades.

O Museu de Congonhas é o primeiro museu de sítio histórico do Brasil. O espaço faz uso de recursos de alta tecnologia para oferecer informações relevantes para que o público entenda e reflita sobre a grandiosidade e importância do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos. A exposição permanente trata das manifestações da fé no passado e no presente. Um dos principais acervos é a coleção Márcia de Moura Castro. Composta por 342 ex-votos e Santos de Casa que pertenceram à colecionadora e foram adquiridas pelo Iphan em 2011. Outro acervo importante é a Coleção Fábio França, uma biblioteca de referência no Brasil sobre o barroco, a arte e a fé. Em cartaz no Museu de Congonhas também está a exposição temporária “Minas reaGis”, que foi gestada e nasceu em meio a pandemia pelas mãos talentosas do multiartista e mediador do Museu de Congonhas, Marcelo Heidenreich.

A recepção aos visitantes agora conta com aferição de temperatura, área reservada a espera com distanciamento dos atendentes, totem com álcool em gel e controle de entrada do número de pessoas. A limpeza da expografia também foi reforçada e o fluxo de visitação repensado para não haver aglomerações, tudo para garantir segurança tanto para funcionários quanto para os turistas. A instituição, que elaborou protocolo próprio para se proteger contra o Covid-19, conquistou o Selo Evento Seguro e em breve realizará também eventos culturais presenciais.

Congonhas também conta com o Museu de Imagem e Memória que, assim como o Museu de Congonhas, também está funcionando observando tais protocolos. Esta instituição, localizada em um casarão na tradicional “Ladeira” de Congonhas, tem como proposta guardar e divulgar a história da cidade. A atual montagem expográfica tem como eixo central o processo de “urbanização” local, percorrendo desde o século XVIII até a efetivação da emancipação política, e apresenta ainda a vida e obra de importantes personalidades congonhenses.

Os centros culturais estão funcionando de 9h às 17h, de terça-feira a domingo. O ingresso para entrada no Museu de Congonhas pode ser adquirido a R$10,00, sendo que estudantes e pessoas acima de 60 anos pagam meia entrada e crianças até 11 anos não pagam. Às quartas-feiras, o Museu de Congonhas oferece gratuidade para todos os públicos, já o Museu de Imagem e Memória tem entrada gratuita todos os dias.

Além da visitação presencial, o projeto #MCoEmCasa, que já alcançou centenas de milhares de pessoas virtualmente, segue no ar com ampla agenda cultural podendo ser acessada nas páginas do Facebook (@museudecongonhas), Instagram (@museusdecongonhas) e site da instituição (www.museudecongonhas.com.br). Para todas essas ações, o Museu de Congonhas conta com o patrocínio da Vale, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Fonte: Janice Miranda
@museudecongonhas

Cultura

Museu de congonhas conquista Selo Evento Seguro e se prepara para a retomada consciente das atividades presenciais

Com a pandemia, desde o ano passado, o Museu de Congonhas precisou redirecionar todas as suas atividades culturais e educativas para a o ambiente virtual, agora com melhora do quadro epidemiológico local e a entrada da cidade na Onda Amarela do plano Minas Consciente, a instituição está se preparando para a retomada gradual dos eventos.

Uma das principais iniciativas foi a conquista do Selo Evento Seguro, criado pelo Governo de Minas para reconhecer atividades culturais, turísticas e de eventos que estão atuando em concordância com os protocolos de saúde e segurança definidos pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo e a OMS. Em Congonhas, o Museu é a primeira instituição a conquistar o Selo.

Lana Duarte, diretora-presidente da FUMCULT, explica que a instituição vem estudando formas para retomada as atividades presenciais de maneira segura. “Criamos um protocolo próprio que tem nos auxiliado nas atividades internas e estamos trabalhando seguindo as orientações do Instituto Brasileiro dos Museus (IBRAM). A nossa intenção é continuar cumprindo o nosso papel de levar arte e cultura para a população, apoiar os artistas locais e impulsionar o turismo da nossa cidade, mas tudo de forma muito consciente. A conquista do Selo, neste momento, atesta o nosso esforço nesse sentido”.

Mesmo diante deste novo cenário o Museu de Congonhas continuará com o projeto #MCoEmCasa com a produção de conteúdos históricos, educativos e informativos nas suas plataformas virtuais, além da realização de eventos online, trabalhando assim de forma híbrida, adaptada aos novos tempos.

“Estamos muito empolgados com os novos desafios. Convidamos toda a população de Congonhas para ficarem atentos às novidades da nossa programação pelas nossas redes sociais e o site institucional. Já adianto que em breve o Museu de Congonhas também estará acessível pelo Google Arts, plataforma que reúne os principais equipamentos culturais do mundo. Vem muita coisa boa por aí!”, reforça Lourdes Maria, coordenadora dos museus de Congonhas.

Janice Miranda – Coordenação – Comunicação/Educativo
Museu de Congonhas

(31)3731 6747 – (31)9.9821-0976

Cidades

Congonhas promove exposição artística sobre ipês amarelos

Congonhas ganha um colorido especial no mês de agosto por conta da florada dos ipês-amarelos. A floração dura, em média, 15 dias e chama a atenção dos moradores e dos visitantes da cidade. 

Ipês chamam a atenção em Congonhas. Foto: Reprodução/Hugo Cordeiro
Ipês chamam a atenção em Congonhas. Foto: Reprodução/Hugo Cordeiro

No ano passado foi criada uma lei com a finalidade de realizar ações de conscientização para a preservação dos ipês e ressaltar a importância deles como Patrimônio Histórico e Ambiental da cidade. 

Este ano, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente promove uma exposição em praça pública sobre os ipês-amarelos e convida toda a população de Congonhas para inscrever seus trabalhos para esta exposição. 

Artesanatos, pinturas, poemas, fotografias, bordados, músicas e quaisquer outras formas de artes que enaltecem a beleza das floradas dos ipês de Congonhas podem ser inscritas neste projeto. 

Os artistas interessados devem se inscrever por este link e seus trabalhos devem ser entregues na Secretaria do Meio Ambiente, no Edifício JK até as 17h do dia 25 de agosto. 

Fonte: https://fatoreal.com.br/

Cultura

Museu de Congonhas recebe a exposição “Minas reaGis” do artista Marcelo Heidenreich

Os tempos não têm sido fáceis, mas são justamente nesses momentos que o poder e a importância da arte devem ser reforçados. Assim, o Museu de Congonhas recebe, a partir do dia 30 de junho, a instalação arte-poético-participativa “Minas reaGis”, que foi gestada e nasceu em meio a pandemia pelas mãos talentosas do multiartista e mediador do Museu de Congonhas, Marcelo Heidenreich.

Nesta instalação, o visitante é parte da exposição, numa concepção para além da obra, possibilitando os mais diversos tipos de leitura frente aos desafios trazidos pelos acontecimentos que assolaram recentemente as Minas Gerais.

O artista explica que este é um experimento que teve como eixo formador a poesia concreta de Décio Pignatari, Augusto de Campos, Haroldo de Campos e a arte ambiental de Hélio Oiticica. “Uma idéia de poesia em movimento. Cada pessoa vai sentir a exposição de uma forma, nada é estático. A este meu trabalho, e aos próximos que pretendo executar nesta linha, eu chamo o processo de descobrindo a quarta dimensão da poesia concreta”.

“Minas reaGis” traz a reflexão do que é ser mineiro para além do fato de que, assim como o brasileiro vem do ofício de carregar o Pau Brasil, o mineiro vem do ofício de mineirar, deixando o questionamento sobre a humanização do ser e a reação do mineiro frente a esta reflexão, surge assim o “reagis”.

Marcelo Heidenreich também tem uma carreira musical consolidada, e neste ano também lançou o seu primeiro disco “Welcome to Brazil – Carta do Redescobrimento”, composta por 12 faixas autorais com a participação de diversos artistas nacionais e internacionais. “Minas reaGis” conversa intimamente com esta produção musical. “A exposição nasceu dentro das pesquisas para a criação do meu álbum autoral. Inclusive a música “O Mundo é uma Balança”, uma das faixas do disco, faz referência a obra. Do estudo da arte vanguarda brasileira surgiu a ideia de fazer esta instalação”, explica Marcelo.

Para o Museu de Congonhas, esta exposição é ainda mais especial já que foi concebida por um dos seus funcionários mais antigos. Marcelo Heidenreich é mediador na instituição há 5 anos e meio. “Estar em contato com a obra e com tantos artistas nestes anos me inspirou no desenvolvimento da minha arte. Desde

Aleijadinho, o grande mestre escultor brasileiro, até contemporâneos como o Giovanni Fantauzzi e Ricardo Carvão, todos me trouxeram novas percepções”, disse.

Segundo o artista, este é o primeiro de uma série de outros trabalhos que pretende realizar como desdobramentos das suas pesquisas, principalmente no conceito de que “o museu é o mundo” e qualquer lugar, público ou não, pode ser tela e palco para a arte.

A exposição “Minas reaGis”, viabilizada pela Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, estará em cartaz no Museu de Congonhas de terça a domingo, das 9h às 17h. Posteriormente, seguirá em itinerância por outras cidades mineiras. Nesta iniciativa e em toda a programação deste ano, o Museu de Congonhas conta com o patrocínio da Vale que, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, patrocina a instituição.

Fonte: Janice MirandaCoordenação – Comunicação/Educativo
Museu de Congonhas

(31)3731 6747 – (31)9.9821-0976