Tag Archives: belo horizonte

Sociedade

Gerdau oferece 25 novas oportunidades para pessoas com deficiência em Minas Gerais

Selecionados irão compor a terceira turma do Programa Pertencer, iniciativa de qualificação de mão de obra em Ouro Branco; inscrições prorrogadas até 24/10

A Gerdau abre mais 25 vagas para a terceira turma do Programa Pertencer, projeto de formação industrial para pessoas com deficiência (PCDs). Realizado em parceria com o Senai, a iniciativa prevê a geração de 100 vagas, ao longo de 2021, para atuar na usina de Ouro Branco (MG). As inscrições para cursos de eletromecânica e processo siderúrgico vão até o dia 24 de outubro por meio do site: tinyurl.com/gerdaupertencer.

Podem se inscrever pessoas com deficiência a partir de 18 anos de idade, ensino médio completo e residentes em Ouro Branco, Congonhas, Conselheiro Lafaiete e Belo Horizonte. É preciso ainda apresentar laudo médico e ter disponibilidade para treinamento em formato híbrido (presencial e online) no período de oito horas por dia.

O processo de formação industrial tem duração de dez meses, incluindo aulas teóricas ministradas a distância, em ambiente virtual, e também práticas presenciais, na unidade de Ouro Branco. Os selecionados terão direito a bolsa remunerada, além de auxílio transporte, alimentação, plano de saúde e odontológico, plano farmácia, seguro de vida, dentre outros benefícios oferecidos pela Gerdau a seus funcionários. Após a conclusão do curso, há possibilidade de efetivação de todos os alunos, a depender do desempenho alcançado durante a etapa de formação. Já são 36 pessoas com deficiência, somando as duas primeiras turmas, que foram selecionadas para integrar o time da Gerdau na usina Ouro Branco.

OPORTUNIDADE

Mateus Coelho, de 33 anos, que possui déficit de atenção e também de aprendizagem, foi um dos selecionados na segunda turma do Programa Pertencer e já está na fase de integração do treinamento em Ouro Branco. Estudante de engenharia mecatrônica na Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), descobriu que possuía deficiência já na faculdade.

Ele lembra que, “durante a maior parte da vida, não sabia que era PCD, mas sempre convivi com uma condição de ‘não adequação’ e frequentes fracassos que me levaram a desenvolver ansiedade e depressão”. Coelho diz que, agora, tem uma expectativa melhor para o futuro. Tímido, ele aceitou compartilhar sua experiência para agradecer e retribuir à Gerdau pela oportunidade, além de motivar outras pessoas com deficiência a se inscreverem e seguirem os seus sonhos.

O futuro engenheiro conta que não sabia se suas condições seriam válidas, mas se inscreveu consciente de que o Pertencer é uma relevante oportunidade de aprimoramento profissional. “Tive receio, no início. No entanto, além da excelente didática dos instrutores, o trabalho de integração e de acolhimento que recebemos, tanto do Senai quanto da Gerdau, ajuda muito na adaptação e, principalmente, a reconhecer o valor que temos e podemos oferecer”, destaca.

Mateus Coelho finaliza dizendo que, no programa Pertencer, ele viu o que muitos consideram como barreiras serem transformadas em pontes que auxiliam as pessoas a ultrapassar obstáculos. “Não é um privilégio: valorize-se! Vem que a Gerdau vai ajudar a encontrar o valor que está em você!”

DIVERSIDADE

De acordo com a gerente da área de Pessoas, Graziella Maso, empoderar pessoas que irão moldar o futuro é uma das missões da Gerdau e a diversidade é tida como um dos seus principais pilares na gestão de pessoas. Ela afirma que o programa Pertencer vem se consolidando como relevante uma porta de entrada para pessoas com deficiência no mercado de trabalho profissional.

A gerente completa que, na empresa, há ainda programas voltados para a formação e contratação de mulheres, além de outras iniciativas que contemplam as temáticas LGBTQIA+ e de raça. “O objetivo é acelerar a inclusão e diversificar cada vez mais o quadro de colaboradores na área operacional, por meio da capacitação interna.”

SERVIÇO – Programa Pertencer Gerdau Pessoa com Deficiência – Ouro Branco/MG

Data de inscrição: até 24/10/2021

Link para inscrição: https://tinyurl.com/gerdaupertencer

Abrangência: Residentes em Ouro Branco, Congonhas, Conselheiro Lafaiete e Belo Horizonte.

Sobre a Gerdau, uma empresa de 120 anos  

A Gerdau é a maior empresa brasileira produtora de aço e uma das principais fornecedoras de aços longos nas Américas e de aços especiais no mundo. No Brasil, também produz aços planos, além de minério de ferro para consumo próprio. Em janeiro deste ano, completou 120 anos de uma história de solidez, contribuição para o desenvolvimento e legado para uma sociedade em evolução constante. Com o propósito de empoderar pessoas que constroem o futuro, a companhia está presente em 10 países e conta com mais de 30 mil colaboradores diretos e indiretos em todas as suas operações. Maior recicladora da América Latina, a Gerdau tem na sucata uma importante matéria-prima: 73% do aço que produz é feito a partir desse material. Todo ano, são 11 milhões de toneladas de sucata que são transformadas em diversos produtos de aço. As ações da Gerdau estão listadas nas bolsas de valores de São Paulo (B3), Nova Iorque (NYSE) e Madri (Latibex). 

Nossa história

Da fábrica familiar de pregos em Porto Alegre (RS) a uma gigante da cadeia do aço internacional, a trajetória da Gerdau começa a partir da compra da Cia Fábrica de Pregos Pontas de Paris por João Gerdau, em 1901. O imigrante alemão marcou seu pioneirismo empreendedor, que se tornou a chama que se mantém acesa até hoje, 120 anos após sua fundação. Na última década, a Gerdau segue fazendo história por meio de uma transformação cultural e digital baseada no compromisso de moldar um futuro cada vez mais sustentável.

Fonte: https://www.foconanoticia.com.br/

Turismo & Lazer

CIRCUITO LIBERDADE GANHA ATRAÇÃO NA REDE MINAS

“Viva Liberdade” estreia na programação semanal no Agenda e Jornal Minas, nos dias 14/10 e 15/10. Atração faz parte do plano “Descentra Cultura”, da Secult.

Circuito Liberdade – Foto: Lúcia Sebe

Visitar atrativos mineiros e conhecer lugares pela tela da TV aberta. Essa é a proposta do “Viva Liberdade”, quadro que estreia na Rede Minas e mostra locais e rotas temáticas do “Circuito Liberdade”. Localizado em Belo Horizonte, é considerado um dos maiores complexos culturais e turísticos do Brasil. Sob o comando da jornalista Flávia Moreira, o público vai conhecer esses espaços que atraem milhares de visitantes. A cada edição, curiosidades, informações históricas, dicas e a diversificada programação cultural.

Para a estreia, o destaque é o Palácio da Liberdade, que foi reaberto há pouco para visitação. Construído em 1895, o edifício abrigava a sede do governo de Minas Gerais. Dos seus salões foram tomadas importantes decisões políticas. Destaque, também, para a arquitetura. Escadaria belga, jardins que abrigam esculturas francesas, coreto e orquidário são alguns dos pontos que fazem desse cenário um cartão postal.

Palácio da Liberdade – Foto: Lúcia Sebe

Sob o comando da jornalista Flávia Moreira, o “Viva Liberdade” é exibido todas as quintas, no programa Agenda, às 19h10, e às sextas, no Jornal Minas 1ª Edição, às 12h30. A atração passou a integrar, desde o dia 01/10, a grade de programação da Rádio Inconfidência às terças, quintas, sábados e domingos, às 13h30 e às 20h30. A produção é da Empresa Mineira de Comunicação (EMC), vinculada à Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult), da qual fazem parte a Rede Minas e Rádio Inconfidência.  A atração faz parte do “Descentra Cultura”, plano da Secult de regionalização e democratização ao acesso aos bens e serviços da Cultura visando à descentralização de recursos, formação e atividades culturais pelos municípios mineiros.

O “Viva Liberdade” sobre o Palácio da Liberdade estreia nesta quinta (14), às 19h10, no Agenda, da Rede Minas, e na sexta (15), no Jornal Minas 1ª Edição, às 12h30. O público pode acompanhar a atração pela Rede Minas ou, nesse mesmo horário, no site da emissora: redeminas.tv.

SERVIÇO:
Viva Liberdade – estreia Rede Minas – dias 14 e 15/10
-Quinta, 14/10 , às 19h10 – Agenda
-Sexta, 15/10, às 12h30  – Jornal Minas 1ª Edição

COMO SINTONIZAR:
redeminas.tv/comosintonizar
A Rede Minas está no ar no canal 9 (VHF) ou 17 (UHF); Net 20 e Net HD 520; Vivo 9; One Seg (para celulares e portáteis) 9.3; e através do satélite Brasilsat C2 para a América Latina.

ACESSE AS REDES SOCIAIS:
www.redeminas.tv
facebook.com/redeminastv
instagram.com/redeminastv
twitter.com/redeminas
youtube.com/redeminas

ATENDIMENTO AO PÚBLICO:
Tel: (31) 3254-3000
Whatsapp: (31) 98272-6543

Tatiana Coutinho
Assessora de Imprensa
Assessoria de Comunicação Social
tatiana.oliveira@redeminas.mg.gov.br
tatianacoutinho.tc@gmail.com
(31)3254-3431

Cultura

Festival de Teatro Mínimo reabre as portas do Teatro da Cidade com programação gratuita de 14 a 24 de outubro

Teatro de Pesquisa apresenta a segunda edição do festival, que terá espetáculos diários e gratuitos, sempre às 20h, no tradicional teatro da Rua da Bahia, agora sob nova direção e administração

É tempo de comemorar?! É sim, senhor!!! O Teatro da Cidade, que durante 30 anos levou cultura e diversão para o público da capital mineira, está de volta após um período fechado ao público, por conta da pandemia. E a reabertura será marcada pela segunda edição do Festival de Teatro Mínimo, que, durante os dias 14 a 24 de outubro, vai apresentar nove espetáculos gratuitos, sempre às 20h, no tradicional palco do teatro que fica na Rua da Bahia, 1.341, no centro da cidade.

E as comemorações não param por aí! O Teatro da Cidade, que desde sua fundação, em 1991, foi dirigido por Pedro Paulo Cava, agora tem nova administração: assumem a gestão a diretora executiva Tatiane Reis e o diretor artístico Guilherme Colina nessa grande retomada aos palcos. A troca de gestão acontece no momento exato de reaberturas durante a pandemia, com total segurança e seguindo todos os protocolos contra a proliferação da Covid-19, e dará continuidade aos trabalhos do antigo diretor Pedro Paulo Cava, que por 56 anos se dedicou integralmente ao ofício. Assim, o Teatro de Pesquisa, entidade que construiu e mantém o Teatro da Cidade, também ficará sob os cuidados da nova administração.

Desta forma, o Festival de Teatro Mínimo chega para celebrar essa mudança. A segunda edição do evento vai reunir artistas independentes e diversos grupos, coletivos, companhias, além de diretores, autores e cenotécnicos de várias tendências. A ideia é buscar uma maior integração entre as gerações de artistas cênicos profissionais e levar ao público, estudiosos e imprensa uma mostra anual da pluralidade, diversidade e talento dos artistas cênicos belorizontinos.

A abertura do festival será no dia 14/10 (quinta-feira), às 20h, com a apresentação de “O Conselheiro da Favela”, do Platôs Companhia Teatral, seguido de conversa mediada. Este será o espetáculo com maior duração do festival (1h20), já que as apresentações dos dias seguintes serão bem mais curtas, variando de 15 a 30 minutos cada uma. A ideia é compartilhar vivências, experiências e paixões de forma mais objetiva e dinâmica.

Todos os espetáculos têm entrada gratuita, sempre às 20h, com retirada de ingressos no site do Sympla (https://www.sympla.com.br/) e informações mais detalhadas podem ser obtidas pelo e-mail festivaldeteatrominimo@gmail.com. Confira a programação geral abaixo, nas próximas páginas. O Festival de Teatro Mínimo é realizado com recursos de Lei Aldir Blanc, do Governo do Estado de Minas Gerais.

Programação da 2ª Edição do Festival Mínimo de Teatro

Abertura:

14/10 (quinta-feira) | 20h | Apresentação do Platôs Companhia Teatral seguido de conversa mediada.
Trabalho Cênico: O Conselheiro da Favela
Sinopse: Um andarilho urbano ousa erguer sua voz. Seu estado deplorável o iguala aos muitos esquecidos da sociedade que perambulam espalhados por qualquer grande cidade, mas o que diz ao contar suas histórias o distingue dos comuns marginalizados. Tem consigo uma edição surrada de Os sertões, da qual cita trechos sem consultar, quando também parece pregar como um antigo profeta, ora manso, ora raivoso. Feito um conselheiro, fala de uma “guerra” célebre, a de Canudos, e de seus sobreviventes.
Duração 1h20
Classificação livre

15/10 (sexta-feira)  | 20h | Apresentação do Grupo Confesso seguido de conversa mediada.
Trabalho Cênico: Baú Empoeirado
Sinopse: Mulher troféu – sentenciada à morte – do baú de memórias, suplica pela vida colocada em risco, numa competição masculina, em que o prêmio é seu corpo – até que outra mulher se anuncie.
Duração: 20min.
Classificação: 16 anos

16/10 (sábado) | 20h | Apresentação do Breve Cia. seguido de conversa mediada.
Trabalho Cênico: Cena Curta Uma, Outra
Sinopse: As atrizes contam o que fizeram, do momento em que acordaram até o momento em que chegaram para fazer esta cena. Não precisam seguir uma ordem cronológica dos fatos, desde que seja compreensível e minimamente engraçado. Elas são mulheres que se multiplicam em muitas outras. Elas querem falar de amor, de afeto, de memórias. Elas são mulheres que amam outras mulheres. Elas, mulheres negras, querem falar de amor sem dor. Sem dor?
Duração: 15 min.
Classificação: 12 anos

17/10 (domingo)  | 20h | Apresentação do Pigmalião Escultura que Mexe seguido de conversa mediada.
Trabalho Cênico: O Quadro de uma Família
Sinopse: Certos de serem uma família, os componentes desse quadro posam já automaticamente eternizados. Todas as análises que serão feitas sobre cada um deles tornarão mais clara a sua compreensão. No momento basta observá-los individualmente.
Duração: 15 min.
Classificação: 12 anos

20/10 (quarta-feira) | 20h | Apresentação do Coletivo do Real seguido de conversa mediada.
Trabalho Cênico: hAbitAR
Sinopse: Eles não nasceram ali…Foram trazidos por outras pessoas que talvez não saibam de onde vêm. Ao traçarmos nossos deslocamentos sobre o mundo deixamos linhas invisíveis que podem nos possibilitar lembrar de onde viemos ou querermos apagar com uma borracha. Três pessoas de interiores diferentes se encontram e falam sobre suas linhas-histórias e o que será escrito sobre elas no futuro. Para onde você vai quando não tem para onde ir?
Duração: 15 min.
Classificação: 14 anos

21/10 (quinta-feira)  | 20h | Apresentação do Cia. Quatro Quartos seguido de conversa mediada.
Trabalho Cênico: Horizonte Infinito
Sinopse: Duas irmãs. Uma linha que as separa, cruzando o oceano. Onde existe lar afinal? Universos solitários, mundos particulares, cotidianos que se cruzam. Tão distantes, porém tão próximas… Há ali um ponto de encontro entre as duas. Um entremeio de memórias, sonhos, desejos, saudades, um entremeio de vida. Ali elas se reencontram, ali elas se resgatam.
Duração 20 min
Classificação 10 anos

22/10 (sexta-feira) | 20h | Apresentação do Vertente Corpo Es’passo seguido de conversa mediada.
Trabalho Cênico: Bruto Afeto
Sinopse: Em cena, dois atores se encontram para partilhar seus corpos, suas matérias e histórias fartas de carne. Num jogo construído de lembranças e desencontros com auxílio do público, a narrativa se desenrola. Um açougueiro, um homem de branco e um coração que existe entre os dois. Atores e plateia se tornam cúmplices de uma história ordinária repleta de acontecimentos extraordinários.
Duração: 30 min.
Classificação: 12 anos

23/10 (sábado) | 20h | Apresentação do Coletivo Bacurinhas seguido de conversa mediada.
Trabalho Cênico: “This is a man?”
Sinopse: A cena propõe a performatividade de gênero através da linguagem do Drag King de uma forma bem-humorada, política, poética e crítica. O contexto da encenação trata de situações cotidianas e relações sociais do universo masculino, onde o coletivo propõe uma perspectiva crítica acerca do homem padrão normativo.
Duração: 20 min.
Classificação: 16 anos

24/10 (domingo) | 20h | Apresentação do Cóccix Companhia Teatral seguido de conversa mediada.
Trabalho Cênico: Pedaço de Homem Cercado de Outro por Todos os Lados
Sinopse: Ilha. Confinamento e necessidade criam um perpétuo jogo em que imagens, movimentos, palavras e sons desencadeiam conflitos e situações, em incessante transformação. Homem. Trânsito por diferentes diferentes instâncias instâncias de poder, ora dominador, ora dominado, preso em um conjunto de relações em que se torna criador e refém da sua condição. Homem ilha, cercado de outros por todos os lados.
Duração: 30min.
Classificação: 16 anos

2ª Edição do Festival Mínimo de Teatro
Data: 14 a 17 e 20 a 24 de outubro de 2021
Horário: 20h
Local: Teatro da Cidade (Rua da Bahia, 1.341, centro, Belo Horizonte)
Entrada gratuita, retirada de ingressos no Sympla
Informações pelo e-mail: festivaldeteatrominimo@gmail.com
Telefones: (31) 3273-1050 / 98494-1153
Realização: Teatro de Pesquisa / Teatro da Cidade
Evento realizado com recurso de Lei Aldir Blanc no Estado de Minas Gerais

Assessoria de imprensa: Luiz Cabral Inácio (31) 97140-0404

Cultura

Casa Fiat de Cultura inaugura “Desolação”, mostra do artista plástico Mateus Moreira

A exposição, do artista plástico Mateus Moreira, apresenta pinturas carregadas de sentimentos, que questionam as violências, as realidades e os temores da sociedade

28 9 2021 minicasafiat
Imagem: Fernanda Campos

Em meio a um bombardeio incessante de imagens e notícias, a vivência no mundo contemporâneo se mostra conflituosa. Dúvida e caos sobem ao palco. Como dar vazão a esses sentimentos angustiantes? Como resistir às opressões cotidianas? Para o artista plástico Mateus Moreira, as respostas se manifestam em tinta. Na exposição “Desolação”, situações que carregam significados ambíguos na memória humana e na própria existência do artista tomam forma em 15 pinturas a óleo. Nelas, o aspecto de cada pincelada convida à atmosfera inebriante das manchas, trazendo uma feroz analogia à realidade. A mostra, escolhida no 4º Programa de Seleção da Piccola Galleria, fica em cartaz de 5 de outubro a 28 de novembro e poderá ser visitada virtualmente, pelo site e redes sociais. Além do tour virtual 3D, serão oferecidas vistas virtuais mediadas. Para abrir a exposição, a Casa Fiat de Cultura realiza um bate-papo online ao vivo com o artista, no dia 5 de outubro, às 19h. A participação é gratuita, com inscrição pela Sympla.

A mostra apresenta imagens de um mundo estremecido. A fronteira entre sonho e realidade é abolida, misturando o onírico e o existencial, em espaços abertos e de grande tensão, sugerindo a ideia de que tudo acontece ao mesmo tempo. O artista busca reagir ao fulgor distópico atrelado ao convívio em sociedade, em uma tentativa de resistência ao sentimento de violenta opressão que maquina sobre as pessoas. As 15 pinturas despertam um sentimento em comum: o de desolação. Daí, o nome da exposição, que, embora não seja vinculada a um acontecimento especial, evoca a força interna dos fatos, por meio de composições imaginadas e reais. “A pintura é um lugar em que posso expressar meus sentimentos em relação às atuais condições sociais, políticas e afetivas, em uma realidade em que a esperança é duvidosa”, reflete Mateus Moreira.

Com referências artísticas como os pintores Claude Monet – que desbravou o universo da luz e da paisagem – e Alberto Giacometti – que teve a coragem e a persistência de migrar sua obra do surrealismo para o expressionismo –, Mateus Moreira expressa em tinta a sua percepção sobre fragmentos de vivências e do cotidiano. Sua pintura nasce abraçando a intuição, por meio de gestos rápidos e misturas fluidas. A cor surge da primeira tinta que suja o pincel na paleta. O tom predominante e a luz determinam a construção dos acontecimentos, em formas pictóricas que, ao final, resultam na obra singular do artista. “O processo de experimentação é constante e a despretensão é intrínseca. Quando o acúmulo de cores e matéria me intuem a parar, me distancio desse delírio”, explica.

A exposição “Desolação” é uma realização da Casa Fiat de Cultura, com apoio do Ministério do Turismo, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, patrocínio da Fiat, do Banco Safra e da Gerdau, copatrocínio da Expresso Nepomuceno, da Sada, do Banco Fidis e do Mart Minas. A mostra tem apoio institucional do Circuito Liberdade, do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico (Iepha), do Governo de Minas e do Governo Federal, além do apoio cultural do Programa Amigos da Casa, da Brose do Brasil e da Brembo.

Sobre as obras
A exposição “Desolação” é composta por 15 pinturas a óleo. Cada obra nasce de um impulso inicial, catártico, incerto, gestual e necessário, para, só então, se transformar em paisagem. Mateus Moreira destaca que o próprio espaço da imagem começa a sugerir suas condições, como as diversas possibilidades de cores, formas e acidentes pictóricos. “Me identificar nesse processo é fundamental. É necessário perceber o que há de mim ali, ainda que eu não tenha a compreensão dos significados. Existe algo inconsciente que deseja se manifestar em tinta, e eu realizo inúmeras tentativas até que o todo esteja em união”, analisa.

As obras são marcadas pelos flagelos de uma época violenta, dissolvida por mudanças espirituais e cicatrizes históricas. Revelam dramas de humanidade que ora está temerosa, ora indiferente. Em “Desolação”, o público é apresentado ao rastro de destruição que se perpetua em nossas angústias. De forma plástica, convida para a reflexão sobre como nos condenamos com nossos próprios erros e temos as vivências atravessadas pela distorção da realidade.

Lista de obras

  • Culpa II (2021)
  • Caos (2021)
  • Blecaute (2021)
  • Tentação (2021)
  • Silêncio (2021)
  • Ritual (2021)
  • Projeções (2021)
  • Pacto (2021)
  • Exílio (2021)
  • Evocação (2021)
  • Estudo (2021)
  • Idealização (2021)
  • Desolação (2021)
  • Desespero (2021)
  • Dança (2021)

Mateus Moreira
Natural de Belo Horizonte, Mateus Moreira tem formação em Pintura e Desenho no curso de Artes Visuais da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Já participou de mostras coletivas na Reitoria da Universidade Federal de Minas Gerais,no Centro de Referência da Juventude, na Galeria da Escola de Belas Artes da UFMG, e na Godarc Galeria Multicultural, em Belo Horizonte. Em 2020, apresentou sua primeira mostra individual, “Resiliências”, na Galeria Nello Nuno, Fundação de Arte de Ouro Preto (FAOP).

Programação paralela
No dia 5 de outubro será realizado um bate-papo ao vivo com Mateus Moreira, que vai compartilhar com o público detalhes sobre suas obras e seu processo criativo. A participação é gratuita, com retirada de ingressos pela Sympla.

Durante o período expositivo também serão disponibilizadas visitas virtuais gratuitas, com mediação ao vivo do Programa Educativo da Casa Fiat de Cultura. Para participar é necessário se inscrever pela Sympla. As datas para essas visitas, no mês de outubro, são:

  • 14 de outubro, às 19h
  • 21 de outubro, às 16h
  • 28 de outubro, às 19h (com tradução em Libras)

Para escolas, universidades e grupos interessados em mediação exclusiva, o Programa Educativo está promovendo visitas em horários alternativos. Os interessados devem enviar e-mail para agendamento@fcagroup.com e conferir a disponibilidade.

Piccola Galleria
O espaço é destinado a artistas da cena contemporânea e foi criado em 2016, com o intuito de incentivar a produção nacional e internacional. Os artistas são selecionados por uma comissão de especialistas, que, nesta 4ª edição, conta com a historiadora e educadora Janaína Melo, curadora e integrante do Conselho Internacional de Museus (ICOM-BR); o curador e crítico de arte Márcio Sampaio; e o artista e professor Marco Paulo Rolla, da Escola Guignard.

A proposta é apresentar e destacar trabalhos inéditos – pinturas, desenhos, gravuras, esculturas, fotografias, instalações, performances e/ou videoarte – de artistas locais, brasileiros ou estrangeiros. Além de Mateus Moreira, outros cinco artistas foram selecionados na 4ª edição, e as mostras estão sendo exibidas no calendário de 2021 e 2022.

Nas quatro edições, a Piccola Galleria recebeu 424 inscrições, e, entre 2016 e 2020, já apresentou o trabalho de 18 artistas, 248 obras de arte, e recebeu mais de 150 mil visitantes. A sala expositiva é um ambiente dedicado às artes visuais e sua criação marcou os 10 anos da Casa Fiat de Cultura. Situado ao lado do painel “Civilização Mineira”, de Candido Portinari, no hall principal da Casa Fiat de Cultura, o espaço é destinado a exposições de curta duração, mas com toda a visibilidade que a instituição enseja. Local intimista e com grande circulação de público, conta com a chancela da Casa Fiat de Cultura e do Circuito Liberdade, um dos mais importantes corredores culturais do país.

Casa Fiat de Cultura
A Casa Fiat de Cultura cumpre importante papel na transformação do cenário cultural brasileiro, ao realizar prestigiadas exposições. A programação estimula a reflexão e interação do público com várias linguagens e movimentos artísticos, desde a arte clássica até a arte digital e contemporânea. Por meio do Programa Educativo, a instituição articula ações para ampliar a acessibilidade às exposições, desenvolvendo réplicas de obras de arte em 3D, materiais em braille e atendimento em libras. Mais de 60 mostras, de consagrados artistas brasileiros e internacionais, já foram expostas na Casa Fiat de Cultura, entre os quais Caravaggio, Rodin, Chagall, Tarsila, Portinari entre outros. Há 15 anos, o espaço apresenta uma programação diversificada, com música, palestras, residência artística, além do Ateliê Aberto – espaço de experimentação artística – e de programas de visitas com abordagem voltada para a valorização do patrimônio cultural e artístico. A Casa Fiat de Cultura é situada no histórico edifício do Palácio dos Despachos e apresenta, em caráter permanente, o painel de Portinari, Civilização Mineira, de 1959. O espaço integra um dos mais expressivos corredores culturais do país, o Circuito Liberdade, em Belo Horizonte. Mais de 3 milhões de pessoas já visitaram suas exposições e 560 mil participaram de suas atividades educativas. 

Serviço
Exposição virtual “Desolação”– Mateus Moreira na Piccola Galleria da Casa Fiat de Cultura
5 de outubro a 28 de novembro
Abertura da exposição virtual: Bate-papo ao vivo com Mateus Moreira
5 de outubro, das 19h às 20h, em transmissão ao vivo
Ingressos gratuitos pela Sympla: https://bit.ly/BatePapoMateusMoreira

Visitas virtuais com mediação online

  • 14 de outubro, às 19h
  • 21 de outubro, às 16h
  • 28 de outubro, às 19h (com tradução em Libras)

As datas de novembro serão divulgadas em breve.
Inscrições gratuitas pela Sympla

Casa Fiat de Cultura
Circuito Liberdade
Praça da Liberdade, 10 – Funcionários – BH/MG
Informações
(31) 3289-8900
www.casafiatdecultura.com.br
casafiat@fcagroup.com
facebook.com.br/casafiatdecultura
Instagram: @casafiatdecultura
Twitter: @casafiat
YouTube: Casa Fiat de Cultura
http://www.circuitoliberdade.mg.gov.br/

Mais informações sobre o artista
Instagram: @pteus_

Fonte: https://www.secult.mg.gov.br/

Cultura

Gerdau apresenta temporada inédita de concertos da Orquestra Ouro Preto e João Bosco por cidades mineiras

Turnê integra as comemorações dos 120 anos da Gerdau e passa por seis cidades de Minas com concertos presenciais.

Pela primeira vez juntos, a Orquestra Ouro Preto e o cantor e compositor João Bosco mostram o jeito mineiro de fazer música na estreia da nova temporada de concertos presenciais por cidades de Minas Gerais. Com um repertório que celebra a obra do artista e sua grande contribuição para a música brasileira, os concertos tiveram início no dia 27 de setembro e acontecerão até o dia 3 de outubro e passam por seis cidades mineiras: Divinópolis (27/09), Belo Horizonte (28/09), Três Marias (29/09), Ouro Branco (1º/10), Barão de Cocais (2/10) e Ouro Preto (3/10).

Sob a regência Maestro Rodrigo Toffolo e arranjos assinados por Nelson Ayres, a parceria inédita une a excelência e a versatilidade no mesmo concerto e traz releituras orquestradas de pérolas como “O bêbado e o equilibrista”, “Mestre-sala dos mares”, “Corsário” e muito mais.

Como resultado desse encontro, será gravado o CD e o DVD em Belo Horizonte, para registrar essa parceria.

Um dos maiores nomes da MPB, Bosco carrega uma linguagem musical única em sua vasta produção artística. “Será um grande desafio para a Orquestra, pois além de um exímio compositor e mestre na arte de musicar palavras, João Bosco é a orquestra de um homem só. Como violonista, faz flutuar melodias com espantosa destreza, produzindo agudos e graves em notas que se multiplicam, numa rítmica muito particular. Em outras palavras, a arte de João Bosco é perfeita. E isso exige que qualquer interferência na música dele seja extremamente cuidadosa, sem nada a mais ou a menos. Foi por essa razão que convidamos Nelson Ayres para criar os arranjos desse repertório. Tinha de ser alguém que entendesse perfeitamente com quem nós vamos tocar”, completa o maestro.

A arte mineira estará presente também no cenário. O renomado artista ouro-pretano Jorge dos Anjos assina a cenografia do concerto. As figuras geométricas, que remetem à ancestralidade africana e fizeram com que a arte de Jorge percorresse o mundo, estarão no palco emoldurando a música sem fronteiras e de beleza singular da obra de João Bosco.

Patrocinada pela Gerdau, a turnê percorre as cidades onde a empresa atua e comemora os 120 anos de fundação da maior empresa brasileira produtora de aço “Neste ano especial para a nossa empresa, estamos muito entusiasmados por proporcionar à sociedade mineira a oportunidade de apreciar música de altíssima qualidade por meio dessa parceria inédita repleta de mineiridade, da Orquestra Ouro Preto e o cantor e compositor mineiro João Bosco, que, juntos, com certeza irão emocionar muito as pessoas”, celebra Wendel Gomes, diretor executivo da Gerdau. “Há mais de três décadas no estado, podemos afirmar que a Gerdau é mineira de coração”, completa Gomes.

Os concertos nas cidades de Divinópolis, Três Marias, Ouro Branco, Barão de Cocais e Ouro Preto serão gratuitos e os ingressos deverão ser retirados no site/aplicativo do Sympla. Para o concerto em Belo Horizonte, no dia 28 de setembro, às 20h30, no Grande Teatro do Sesc Palladium, os ingressos custam R$80 inteira (Plateia I) e R$50 (Plateia II e III) e estão à venda no site/aplicativo do Sympla. O público presencial máximo em cada exibição é de 600 pessoas. Os concertos seguem rígidos protocolos de saúde e segurança contra a Covid para o público, músicos e equipe de produção, com obrigatoriedade do uso de máscaras, distanciamento e aferição de temperatura.

MAIS SOBRE JOÃO BOSCO

Mineiro de Ponte Nova-MG, João Bosco é cantor, compositor e violonista e sempre teve sua história de vida ligada à música. Formou-se em Engenharia na Universidade Federal de Ouro Preto no início da década de 1970 e naquele tempo já tinha o violão como companheiro. Foi nessa época também, que ele conheceu dois grandes parceiros de composição, o “poetinha” Vinícius de Morais e Aldir Blanc. Ao lado de Blanc, ele compôs grande parte das músicas mais famosas da MPB e muitas delas foram imortalizadas nas vozes de outras intérpretes de primeira grandeza como Elis Regina, Ângela Maria, Cauby Peixoto, dentre outros.

SOBRE A ORQUESTRA OURO PRETO

Uma das mais prestigiadas formações orquestrais do país, a Orquestra Ouro Preto completa 21 anos de atividades e se reafirma como uma orquestra de vanguarda. Sob a regência e direção artística do Maestro Rodrigo Toffolo, o grupo se dedica à formação de diferentes públicos, com extensa programação nas principais salas de concerto no Brasil e no mundo, além de se destacar no número de visualizações e ouvintes das plataformas de streaming e redes sociais. Sob os signos da excelência e versatilidade atua também em projetos sociais e educacionais que vão muito além da música, como o Núcleo de Apoio a Bandas e a Academia Orquestra Ouro Preto. Premiado nacionalmente, o grupo tem 12 trabalhos registrados em CD, 7 DVDs. Foi vencedora do Prêmio da Música Brasileira em 2015, na categoria “Melhor Álbum de MPB”, e indicada ao Grammy Latino 2007, como “Melhor Disco Instrumental”, por Latinidade. Os discos “Latinidade – Música para as Américas”, “Antônio Vivaldi – Concerto para Cordas”, “The Little Prince” e “Orquestra Ouro Preto e Desvio – Ritmos Brasileiros” têm distribuição mundial pela gravadora Naxos, a mais importante do mundo dedicada à música de concerto.

SOBRE A GERDAU, UMA EMPRESA DE 120 ANOS

A Gerdau é a maior empresa brasileira produtora de aço e uma das principais fornecedoras de aços longos nas Américas e de aços especiais no mundo. No Brasil, também produz aços planos, além de minério de ferro para consumo próprio. Em janeiro deste ano, completou 120 anos de uma história de solidez, contribuição para o desenvolvimento e legado para uma sociedade em evolução constante. Com o propósito de empoderar pessoas que constroem o futuro, a companhia está presente em 10 países e conta com mais de 30 mil colaboradores diretos e indiretos em todas as suas operações. Maior recicladora da América Latina, a Gerdau tem na sucata uma importante matéria-prima: 73% do aço que produz é feito a partir desse material. Todo ano, são 11 milhões de toneladas de sucata que são transformadas em diversos produtos de aço. As ações da Gerdau estão listadas nas bolsas de valores de São Paulo (B3), Nova Iorque (NYSE) e Madri (Latibex).

Fotos: @marcoshermes-5

SERVIÇO

Orquestra Ouro Preto e João Bosco

Divinópolis
Dia 27 de setembro, segunda-feira, às 20h
Parque de Exposições – (Av. Paraná, 3531, São José)

Belo Horizonte
Dia 28 de setembro, terça-feira, às 20h
Grande Teatro do Sesc Palladium (Rua Rio de Janeiro, 1.046, Centro). Ingressos: R$80 (Plateia I) e R$50 (Plateias II e III) – À venda no site/aplicativo do Sympla
https://bileto.sympla.com.br/event/69053/d/109492

Três Marias
Dia 29 de setembro, quarta-feira, às 20h
Três Marias Tênis Clube (Rua Carlos Chagas, 4)

Ouro Branco
Dia 1º de outubro, sexta-feira, às 20h
Praça de Eventos (Av. Firmina Silva, s/n)

Barão de Cocais
Dia 2 de outubro, sábado, às 20h
Espaço de Eventos José Furtado, Centro, Barão de Cocais.

Ouro Preto – LIVE
Dia 3 de outubro, domingo, às 20h
Campo da Barra (Rua Washington Dias, 100, Barra)
Transmissão ao vivo pelo YouTube: www.youtube.com.br/orquestraouropreto

Classificação: Livre para todas as idades.

Informações: www.orquestraouropreto.com.br

Fonte: https://www.foconanoticia.com.br/

Cultura

Fundação Clóvis Salgado recebe a exposição “Luz do Norte”, com imagens exibidas no 10º Festival de Fotografia de Tiradentes

CâmeraSete – Casa da Fotografia de Minas Gerais recebe, a partir da próxima sexta-feira, fotografias de 33 artistas da região Norte do Brasil

27 9 2021 minifotoempauta
Imagem: Alberto Cesar Araujo

Na incessante busca pela força das imagens fotográficas, o Foto em Pauta na Estrada seguiu, após duas viagens – uma ao Centro-Oeste e outra ao Sul do Brasil – para a região Norte. A partir da passagem por Belém (PA), Manaus (AM), Rio Branco (AC) e Porto Velho (RO), Eugênio Sávio, Curador Geral do Festival, junto com os fotógrafos João Castilho e Pedro David, curadores da exposição, se encontraram com mais de 100 artistas profissionais, intermediários e iniciantes. A viagem teve como resultado a mostra Luz do Norte, que integrou, em 2020, a programação do 10º Festival de Fotografia de Tiradentes. Agora, a partir de 1º de outubro de 2021 até o dia 4 de dezembro de 2021, Luz do Norte vai ocupar a CâmeraSete – Casa da Fotografia de Minas Gerais, com obras de 33 artistas, inseridas em três eixos expográficos centrais: experimentalismo, atualidade e cotidiano da região amazônica.

Eugênio Sávio conta que a motivação para essa exposição continua partindo da vontade e necessidade de explorar outras regiões brasileiras fora do eixo Rio-São Paulo, e apresentar o projeto Foto em Pauta para os artistas locais. “Assim como foi feito na região Sul e Centro-Oeste, realizamos palestras em quatro capitais do Norte do país, apresentando o projeto e contando sobre nossa trajetória. Nos colocamos abertos para conhecer as obras dos fotógrafos locais que se dispuseram a participar, analisando os portfólios, sempre em um movimento de troca e escuta”, ressalta Sávio.

O curador também destaca a importância da itinerância do Festival, que ocupa a CâmeraSete ao final de cada ano. “É muito importante ocupar um espaço de referência na capital mineira, tanto para a difusão do próprio trabalho dos fotógrafos selecionados, quanto para a manutenção desse espaço tão necessário, dedicado exclusivamente à Fotografia”, ressalta.

A exposição Luz do Norte – Foto em Pauta é realizada pelo Governo de Minas Gerais, através da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, pela Fundação Clóvis Salgado, e correalizada pela Appa – Artes e Cultura. A mostra tem o patrocínio Master CemigUnimed-BH / Instituto Unimed-BH e AngloGold Ashanti, e patrocínio Prata da Vivo. Todos os incentivos são via Lei Federal e Lei Estadual de Incentivo à Cultura. A exposição também conta com o apoio da CBMM e do Itaú.

A Fundação Clóvis Salgado é integrante do Circuito Liberdade, complexo cultural sob gestão da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) que reúne diversos espaços com as mais variadas formas de manifestação de arte e de cultura em transversalidade com o turismo. Trabalhando em rede, as atividades dos equipamentos parceiros ao Circuito buscam desenvolvimento humano, cultural, turístico, social e econômico, com foco na economia criativa como mecanismo de geração de emprego e renda, além da democratização e ampliação do acesso da população às atividades propostas.

A exposição: eixos curatoriais
A viagem até as quatro cidades do Norte do Brasil – Belém (PA), Manaus (AM), Rio Branco (AC) e Porto Velho (RO) – foi realizada em janeiro de 2020, durante duas semanas. Segundo os curadores, dentre as obras apresentadas e selecionadas, foi possível estabelecer três eixos curatoriais que norteiam a exposição. O primeiro é o experimento feito na própria prática fotográfica, a manipulação imagética. Segundo o curador João Castilho, “o experimentalismo permite não ficar preso à realidade, mas buscar o delírio, uma espécie de realidade delirante. Uma fotografia de vanguarda”, explica.

Os acontecimentos e desdobramentos atuais sofridos pela fauna e flora amazônica configuram o segundo eixo expográfico – imagens que retratam queimadas, desmatamento e desertificação estão entre as selecionadas para a mostra. O terceiro eixo reúne fotografias que tratam do cotidiano e das tradições da população local. Segundo Castilho, ele é voltado para a abordagem do dia-a-dia ribeirinho, da arquitetura particular das comunidades nortistas e dos personagens que constroem a história do local.

Fazem parte da exposição 33 fotógrafos/coletivos, dentre eles sete fotógrafos amazonenses: Alberto César Araújo, Bruno Kelly, Felipe Fernandes, Juliana Pesqueira, Nico Ambrosio, Paulo Desana e Raphael Alves; 14 fotógrafos paraenses: Alberto Bitar, Alexandre Sequeira, Duda Santana, José Viana, Joyce Nabiça, Katja Hölldampf, Miguel Chikaoka, Nayara Jinknss, Nailana Thiely, Raio Verde, Rodrigo José Correia, Suzane Oliveira, Ursula Bahia e Walda Marques; sete artistas rondonienses: Beethoven Delano, Coletivo Madeirista, Marcela Bonfim, Natali Araújo, Renata Kelly da Silva, Saulo de Sousa, Ubiratan Surui; quatro fotógrafos acrianos, Danilo de S’Acre, Dhárcules Pinheiro, Fabiano Carvalho e Hannah Lydia; e a amapaense Andréa Bernardelli.

Na estrada: novos caminhos
Antes da viagem ao Norte do país, a equipe Foto em Pauta já havia realizado duas caravanas que seguiam a mesma metodologia de encontros. As viagens resultaram nas exposições Vento Sul, que compôs a programação do 9º Festival de Fotografia de Tiradentes e ocupou a CâmeraSete em 2019, e reuniu obras de artistas do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e do Paraná, e Transoeste, parte da 8ª edição do Festival de Fotografia de Tiradentes, que aconteceu em 2018, e reuniu obras de artistas do Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, e Goiás. Segundo Pedro David, a viagem ao Norte do país seguiu a mesma lógica: em um processo curatorial intenso, inúmeros portfólios foram analisados, buscando fotografias de artistas locais com trabalhos de expressão pessoal livre.

“É um modelo que nos permite o encontro com as pessoas, a conversa com os artistas. Não é só a imagem, é a história por trás da imagem”, explica Pedro David. Segundo o curador, há uma constante busca pela diversidade de obras. “Buscamos trabalhos aprofundados, já feitos por artistas locais. Isso permite que a gente faça viagens rápidas, mas buscando trabalhos já feitos há tempos e, por isso, mais profundos”, complementa. Ambos os curadores são, na prática cotidiana, fotógrafos – o que apura a seleção e leva o olhar para o lado mais artístico.

João Castilho acrescenta ainda a importância de os curadores irem a campo, especialmente em tempos que as atividades são feitas incessantemente de forma on-line – a viagem, relembramos, foi realizada antes do período de isolamento social causado pela pandemia. “É importante ir aos lugares, sentir o clima, percorrer espaços, ter contato com os artistas no lugar deles. Hoje, a curadoria ir a campo é raro, na maioria das vezes isso é feito pela internet”, explica.

Foto em Pauta
Com o objetivo de trazer para Belo Horizonte as figuras mais relevantes da produção fotográfica brasileira, o Foto em Pauta é uma iniciativa que acontece na capital mineira desde 2004 e fomenta o diálogo entre público e autores. Nos encontros, o público tem a chance não só de conhecer as obras de grandes fotógrafos, mas também conversar com os artistas, em debates abertos ao público. Depois de oito anos de sucesso do projeto Foto em Pauta, foi criado o Festival de Fotografia na cidade de Tiradentes, que acontece no primeiro semestre do ano, entre o Carnaval e a Semana Santa, e conta com atividades ministradas por grandes nomes da fotografia no Brasil e no mundo.

Medidas de segurança
Para evitar aglomerações, a CâmeraSete – Casa de Fotografia de Minas Gerais contará com sinalização nas áreas externas e internas para garantir distanciamento entre as pessoas durante a visitação. O uso de máscaras – tanto para visitantes quanto funcionários – é obrigatório. Todos os ambientes da CâmeraSete – Casa da Fotografia de Minas Gerais são higienizados diariamente antes da abertura ao público e também são disponibilizados tapetes para a limpeza de calçados, assim como álcool em gel 70% para desinfecção das mãos.

O número de visitantes está reduzido para 7 pessoas por vez, e os visitantes deverão seguir recomendações como evitar conversar, manusear telefone celular, ou tocar no rosto durante a permanência no interior do Centro Cultural; cobrir o nariz e a boca ao tossir ou espirrar; realizar a higienização das mãos ao entrar e sair do espaço; seguir sempre as instruções dos funcionários e não frequentar a galeria caso apresente qualquer sintoma de resfriado ou gripe.

Av. Afonso Pena, 1537 – Centro, Belo Horizonte – MG

Fonte: https://www.secult.mg.gov.br/

Gastronomia

Prato Principal: Ossobuco com polenta trufada

1,200kg de ossobuco, com + ou – 4cm de espessura.

Para a marinada, vamos usar:

▪ 3 dentes de alho brunoise (picadinho);

▪ 1 cebola grande brunoise;

▪ 1 cenoura grande brunoise;

▪ 2 ramos de tomilho;

▪ 1 talo de salsão picadinho;

▪ 1 xícara de alho poró picadinho;

▪ 3 folhas de louro;

▪ 200ml de vinho branco ou tinto seco;

▪ açafrão;

▪ páprica doce e picante;

▪ pimenta do reino moída na hora;

▪ cominho;

▪ sal a gosto.

Modo de Preparo do Ossobuco

Retire o excesso de gordura na lateral do ossobuco e tome cuidado para não retirar a membrana. Amarre a carne com um barbante para que ela não perca sua forma no cozimento. Passe o sal (grosso ou fino) na carne, frente e verso, de sua preferência. Moa a pimenta do reino em cima de cada pedaço. Salpique os temperos (colorau, açafrão e pápricas). Coloque um pouco de alho, cebola, alho poró, salsão, cenoura, tomilho e folhas de louro.

Agora, acrescente o vinho branco ou tinto seco de sua preferência, jogando-o por cima. Cubra com plástico-filme ou a tampa de uma vasilha (para não oxidar). Leve à geladeira por 24 horas. Nesse meio tempo, vire a carne para que pegue todos os temperos de uma vez. Retire o ossobuco da marinada, reservando-o. Separe o líquido dos legumes.

Em uma panela, coloque 2 litros de água fria e o caldo da marinada para esquentar. Quando o caldo já estiver quente, empane com farinha de trigo cada pedaço do ossobuco de um lado e outro. Na frigideira com azeite, sele a carne de um lado e do outro para que preserve o suco da carne. Reserve a carne e, na mesma frigideira, refogue os legumes da marinada por 5 minutos juntamente do tomate pelatti.

Coloque a carne junto aos legumes refogados para cozinhar em fogo médio. Adicione um pouco do caldo de vinho quente (aos poucos). Deixe cozinhar com a panela tampada até que a carne fique macia e forme um molho espesso. Vá adicionando aos poucos o caldo do vinho, mas deixando formar um molho saboroso, por cerca de 4 horas.

Ingredientes da Polenta:

▪ 1l de água;

▪ 1/3 de leite;

▪ farinha de milho em flocos, mais ou menos;

▪ 1 cebola brunoise;

▪ 2 dentes de alho brunoise;

▪ pimenta do reino moída na hora;

▪ sal a gosto;

▪ 3 colheres de manteiga em temperatura ambiente;

▪ 1 xícara de queijo parmesão ou canastra ralado;

▪ manteiga trufada (somente para finalizar).

Modo de Preparo da Polenta

Em uma panela grossa, coloque água fria, leite e vá adicionando aos poucos a farinha de milho em flocos, mexendo sem parar com um fuet. Até que a farinha dissolva, não pare de mexer para formar uma consistência cremosa. Acrescente alho, cebola, sal e pimenta do reino, mexendo com uma colher de pau, sem parar.

Quando a polenta estiver bem espessa, mas sem estar dura, desligue o fogo e finalize com a manteiga trufada e o queijo, tampando a panela e deixando descansar por 5 minutos. Na hora do empratamento, adicione brotinhos de nabo ou de agrião: o prato ficará mais bonito e charmoso para ser degustado.

Sugestão de vinho para acompanhar o prato: Barolo.
Rendimento: 4 porções
Receita Chef Ana Carolina Cerdeira

Gastronomia

Mercado Central – Um ícone desde 1900

Belo Horizonte tinha apenas 31 anos quando um prefeito empreendedor resolveu reunir, em um só local, os produtos destinados ao abastecimento dos 47 mil habitantes da jovem cidade. Foi assim que o Mercado Central nasceu, no dia 7 de setembro de 1929, unindo as feiras da Praça da Estação e da praça da atual rodoviária.

A tarefa não foi fácil, e há́ 90 anos o Mercado Central faz história. Bem organizado e com participação ativa dos comerciantes a cada dia, ao longo dos anos tem suas atividades ampliadas e seus negócios expandidos, transformando-se em um núcleo não só de produtos alimentícios, mas também de artesanato e de comidas típicas, tornando-se um dos principais pontos turísticos de Belo Horizonte e um dos locais mais queridos pelos mineiros.

Hoje, o local é referência nacional e internacional em cultura e em administração. É conhecido como o terceiro melhor mercado do mundo pela pesquisa da Latam, e foi eleito a “Cara de BH” pelo concurso Viva BH 120, por votação popular — um exemplo a ser seguido em gestão.

Para os comerciantes, o sentimento é de gratidão e de orgulho por fazerem parte da construção histórica deste ícone. Todos estão cientes de suas responsabilidades em manter o local como o espaço de boa convivência e querido pelos mineiros e por todos aqueles que o visitam.

Nestas nove décadas de histórias repletas de muito sabores, temperos, crenças e cores, desejamos que o Mercado seja reconhecido e admirado cada vez mais pelos nossos visitantes, e que a cultura mineira e sua tradição sejam representadas por muitos anos de um jeito único, afetuoso e receptivo, que só o Mercado Central tem.

Conheça o Mercado Central – Av. Augusto de Lima, 744 – Centro, Belo Horizonte – MG

Texto: Élida Fagundes
Instagram @mercadocentralbh

Educação

Bienal Mineira do Livro realiza edição virtual em setembro
16 9 2021 MINIBIENAL

A Bienal Mineira do Livro apresenta mais um dos seus canais, a Bienal Virtual. É Digital, é Real e é Agora. Serão 10 dias de programação, com 60 horas de atividades. Os encontros virtuais serão realizados nos períodos da manhã, tarde e noite. 150 autoras e autores, mediadores e convidados se revezarão em 09 eixos temáticos.

Desde abril de 2020, a maior iniciativa literária do Estado vem praticando o conceito de permanência, por meio da oferta de um diversificado conjunto de atividades. A Bienal Virtual é mais uma dessas ações, realizada pelo Grupo Asas, Câmara Mineira do Livro, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal. A Bienal Virtual Mineira do Livro tem a participação de 16 entidades curadoras e apoiadoras, e é viabilizada pela Lei Federal de Incentivo à Cultura, com o patrocínio da Vallourec do Brasil, BH Shopping, Supergasbras e Vaccinar.

Para Marcus Ferreira, Diretor Geral da Bienal Mineira do Livro, “a Bienal Virtual consolida a estratégia de criação de multicanais, pensada para aumentar as superfícies de contato com o público leitor e materializa a meta de permanência. Vamos ficar próximos das pessoas, promovendo interações, todos os meses, para que possamos, cada vez mais, estimular a leitura e valorizar o livro”.

Gláucia Gonçalves, presidente da Câmara Mineira do Livro, lembra que “a Bienal Virtual contribuirá para protagonizar o livro como meio principal e necessário da cultura, e proporcionará oportunidades aos autores de aumentarem os seus públicos, dentro de uma iniciativa de reconhecida reputação”. 

Lançamento da: www.lojabienal.com.br. Bibliodiversidade e Frete Grátis
Será lançada, durante a Bienal Virtual, a Loja Bienal. A ideia é contribuir para as ações de dinamização da cadeia econômica do livro e representar uma alternativa de contato com o público e de comercialização de livros para as editoras, as distribuidoras, as livrarias, os autores independentes participantes da Bienal Mineira do Livro. A Loja Bienal, com a participação das editoras, distribuidoras e livrarias, e por meio das diversas campanhas e promoções a serem realizadas, funcionará como a feira virtual da Bienal Mineira do Livro.

A Loja Bienal já conta com a participação de 28 editoras, distribuidoras e livrarias, e ainda autores independentes (indicados pelas entidades curadoras) que ofertarão seus lançamentos e títulos, com frete grátis, para todo o Brasil. Um esforço para que os leitores, com uma jornada ágil, deixem de se preocupar com o custo do frete e recebam os seus livros, de preferência em casa.

Compromisso Social. Um livro doado a cada 20 vendidos
A Loja Bienal, atenta às distorções sociais existentes no Brasil e, considerando o livro como uma potente ferramenta de transformação, para melhor, da sociedade, terá o compromisso de destinar 01 (um) livro, GRATUITAMENTE, a cada 20 (vinte) livros vendidos (pela Loja Bienal), para educandos e educadores de escolas públicas, além de crianças, jovens, adultos e idosos selecionados pela curadoria da Bienal Mineira do Livro, ou participantes de programas e projetos reconhecidos pela sociedade. Dessa forma, sempre que você comprar um livro na Loja Bienal, contribuirá para promover acessibilidade ao mundo mágico, mítico e sagrado dos livros.

Acesse a programação completa AQUI

Fonte: https://www.secult.mg.gov.br/

Educação

Escola mineira é referência em educação para o futuro

Com a pandemia da Covid-19, uma das grandes mudanças na rotina da maioria das famílias foi em relação ao fechamento das escolas e ao início das aulas online. Professores, pais e alunos tiveram que se ajustar a todas as mudanças e ao “novo normal”. Até mesmo quem não tinha tanto conhecimento a respeito do mundo digital e das plataformas de conversação precisou se adaptar.

Muito antes da nova realidade se instalar, a Escola Santo Tomás de Aquino (ESTA), em Belo Horizonte, mudou completamente a rotina em sala de aula com o objetivo de preparar melhor seus alunos para o futuro.

A escola foi a primeira instituição de ensino de Minas Gerais a ser reconhecida como “Escola de Referência Google”, selo concedido às instituições que utilizam as ferramentas Google Workspace for Education, a fim de tornar o aprendizado mais atraente e significativo. Em todo o país, 61 instituições de ensino têm essa certificação, sendo apenas três em Minas Gerais.

Para alcançar o selo “Escolas de Referência”, as instituições de ensino devem atender a diversos requisitos estabelecidos pela Google, entre eles a certificação de seus educadores para a utilização das ferramentas.

Chamadas de “Workspace for Education”, essas ferramentas devem fazer parte do dia a dia da escola, proporcionando aos alunos, professores e colaboradores um ambiente inovador, dentro e fora da sala de aula.

Para isso, também é necessária a aquisição de Chromebooks – computadores concebidos pela Google – que se destacam por sua rapidez, segurança, interatividade e armazenamento em nuvem.

Com o início do uso de tecnologias digitais na escola, os conteúdos já eram acessados instantaneamente, em qualquer lugar — dentro e fora da sala de aula —, a partir do Chromebook ou do celular.

Além disso, o uso de metodologias ativas colocou o aluno no centro do aprendizado, transformando-o em protagonista de sua evolução acadêmica. No ambiente digital, os alunos participam do processo de construção do próprio conhecimento, acessando e produzindo conteúdos multimídia, por exemplo.

Foto: Glaucimara Castro / www.bsfotografias.com.br

O uso das tecnologias em sala de aula tem como uma de suas funções despertar cada vez mais o interesse dos alunos, que já nasceram como nativos digitais e anseiam sempre por novidades.

Os benefícios já são perceptíveis, com estudantes aprendendo com mais facilidade e rapidez e, inclusive, atuando como multiplicadores entre os colegas, por meio de um programa de tutoria intitulado “Team Tech”.

A adoção dos mecanismos digitais também facilitou o desenvolvimento e planejamento das aulas, permitindo ao professor incorporar novos recursos para ensinar e, aos alunos, novas formas de aprender, por meio do trabalho interativo e colaborativo.

Atividades pedagógicas autônomas durante a suspensão das aulas

Com o objetivo de minimizar os impactos pedagógicos para os alunos durante o período de suspensão das aulas, a escola decidiu continuar utilizando as ferramentas de ensino-aprendizagem virtuais disponíveis para o envio de atividades aos estudantes, garantindo, assim, que a rotina de estudos pudesse ser mantida, até que as aulas possam ser retomadas.

Texto: Flávia Siqueira

Com informações — Foreducation EdTech / Escola Santo Tomás de Aquino