Educação

Revolução 4.0: um futuro desafiador para as crianças de agora

O que as crianças de hoje enfrentarão no futuro? Quando o assunto é mercado de trabalho, as projeções são bastante incertas. A cada dia notamos mudanças em um cenário que, provavelmente, terá profissões que nem sequer existem ainda.
Com uma nova direção, a Escola Betuel passou a se preocupar com isso. No mercado há 21 anos, com experiência em educação por princípios cristãos, Ivanize Moreno, psicóloga, Jaqueline Barbosa, pedagoga, e Tiago Brito, economista, resolveram levantar um novo projeto para cuidar do futuro de seus alunos.

A ideia era buscar um novo conceito em educação, a fim de preparar as crianças para um futuro ainda incerto. Nesse sentido, segundo Brito, agora é a hora de evoluir, uma vez que estamos vivendo na revolução 4.0, com simulações virtuais, inteligência artificial (IA), realidade aumentada, impressão 3D e tantas outras novidades.

Nos Estados Unidos, por exemplo, uma grande potência econômica, 35% da mão de obra corre o risco iminente de ser substituída por máquinas ou IA. É uma situação de risco para o futuro das profissões, mas não é motivo para se desesperar.
O novo contexto do mercado global tem despertado a atenção de educadores e economistas. De acordo com Rafael Lucchesi, diretor do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial do Senai, a revolução 4.0 depende de gente. James Joseph Heckman, ganhador do Nobel em Economia, também afirma a importância de preparar as pessoas, desde cedo, para o novo funcionamento social. Para ele, o investimento na educação não está necessariamente no Ensino Superior, mas nos níveis iniciais, da primeira à terceira infância — período essencial na formação da vida de um sujeito.

A internet da coisas, a robotização, o big data e tantas outras inovações saíram das indústrias para fazerem parte de outras áreas. Essa lógica traz novas experiências e habilidades, sobretudo ligadas ao aprendizado ininterrupto, à resolução de problemas complexos, à criatividade, à multidisciplinaridade e à adoção da diversidade e da inteligência emocional.

Todas essas vertentes — aliadas aos princípios cristãos, que já vinham sendo trabalhados — passaram a fazer parte do ensino e aprendizagem da Escola Betuel. Agora os alunos começam a se preparar para um novo mundo, desde o maternal até o 5º ano. De acordo com Tiago Brito, “assim eles conseguem avançar para as próximas fases educacionais e de vida com as características psicológicas adequadas e o caráter bem formado, para que aguentem a pressão desses grandes desafios que essa nova fase vai trazer”.

Com o Sistema Mackenzie de Ensino, a Escola Betuel se encontra na Rua João Evangelista Carvalho, 33, no bairro Matosinhos, em São João del-Rei. É possível acompanhar seu trabalho no Facebook (@escolabetuelsjdr) e Instagram (@escolabetuel).

Texto: Walquíria Domingues
Foto: Escola Betuel